Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Parlamentar expressa pesar pelos dez anos do caso Márcia Santos no município de Codó

maxHá exatos dez anos, no dia de hoje 04 de abril de 2006, o município de Codó foi marcado por um ato brutal e desumano, quando a menina Márcia dos Santos foi vítima de um sequestro, seguido de estrupo e um assassinato terrível, que chocou e comoveu toda sociedade codoense. Pelo crime hediondo, que deixou mácula indelével nos corações do povo de Codó, O vereador Pastor Max dedicou seu espaço na tribuna da câmara municipal para expressar todo seu pesar pelos dez anos do brutal assassinato da menor Márcia Santos.
“Fico a pensar o quanto sofreu aquela menina e que pensamentos passavam pela sua cabeça até que os seus assassinos concluíssem aquela barbárie. É algo que até hoje entristece nosso coração. Fato que precisa ser lembrado e combatido em nosso município, para que outras crianças e adolescentes não sejam novas vítimas dessa monstruosidade”.
Dia Municipal de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de crianças e Adolescentes
O edil lembrou que pela infame razão, a data 04 de abril foi escolhida para ser o Dia Municipal de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de crianças e Adolescentes no município. O projeto, de autoria do próprio vereador Pastor Max, teve a aprovação unânime dos seus pares, e se tornou um marco inicial da luta contra violência infantil. A Lei tem o objetivo de mobilizar a sociedade e convocá-la para seu engajamento no combate, na prevenção, na responsabilização e denúncia de crimes contra a infância e juventude.
Visita anual
O vereador Pastor Max falou sobre visita ao memorial da menina Márcia, na qual a sociedade faz incursão anualmente. O Memorial foi construído onde o crime aconteceu, e traz o sentimento de revolta e a indignação necessária para que a população encare a luta em prol das crianças e adolescentes. “Infelizmente ainda é comum o abuso ocorrer no meio familiar, facilitado pela relação de poder e subordinação existente entre agressor e vítima, como pai e filho, padrasto e enteada.”
Sociedade unida não pode se calar
“O silêncio vira uma regra de sobrevivência para manter a organização familiar. Muitas vezes a mãe prefere acreditar no agressor que na vítima, e o que lhe resta é este sombrio silêncio”, declarou Max a respeito do medo e preconceito dos próprios familiares em relação ao assunto.
O Parlamentar encerrou seu discurso recordando à sociedade e aos órgãos de proteção a criança a necessidade de estar em constante alerta e unir forças no combate a esses crimes. “Cabe a todos nós, governo e a sociedade combater a desvalorização da família, a desestruturação da família tradicional, que um fator de proteção para nossas crianças e adolescentes. Temos que tirar este assunto da sombra e enfrentar o preconceito, que só é possível através da informação e da formação de pessoas capazes de atuarem como agentes de garantia dos direitos de meninas e meninos. Este tema deve ser relembrado a todo instante para que este mal seja extirpado do seio da sociedade”.
Atenção
As denúncias contra abusos e crimes contra crianças e adolescentes devem ser comunicadas ao Conselho Tutelar. Também é necessário procurar a Delegacia de Polícia, o Juizado da Infância e da Juventude, o Ministério Público e Conselhos de Direitos da Criança e Adolescente.
Ascom

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.
Categoria: Política
Tag:

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*