Os motivos que levam uma pessoa a morar na rua são vários, como o desemprego, abandono familiar, ou até a falta de família, o desajuste social, problemas psicológicos e muitas vezes, o vício em drogas, como o álcool e o crack. Essas pessoas já não vêem expectativas em suas vidas, se encontram em uma situação de sobrevivência, fora do contexto social, sem esperanças ou sonhos, usando de papelão e jornais como prática do frio durante a noite, enfrente dos bancos e nas praças.

Não é apenas o governo que deve voltar seus olhos para estas pessoas, mas também a sociedade, que ao se deparar com um “mendigo” na rua e praças, passa como se não existisse nada naquele lugar, como se não fizesse parte de sua realidade. Essa imagem “inconveniente” passa despercebida aos olhos das pessoas que já não enxergam solução para este problema e ignoram o outro, que necessita de ajuda, ou pelo menos, ser tratado com dignidade.

Essas pessoas fazem parte da nossa sociedade, que todos possuem os mesmos direitos perante as leis e que devemos rever nossos conceitos e incentivar o respeito ao próximo tratando todos com dignidade independente da situação socioeconômica em que se encontra. Um importante equipamento púbico para essa população é o Centro de Referência Especializado da Assistência Social para população em situação de rua (CENTRO POP). É importante também a criação de uma organização não governamental (ONG) voltada para  estas pessoas em situação de rua, para discutir e implementar políticas públicas.

Espero pelos comentários e a divulgação de cada leitor, afinal, esse é um tema que deve ser mantido sempre em discussão visando mudança da consciência social de cada um.

Fonte:Blog do Leonardo