Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Tensão com a Coreia do Norte: O mundo pode estar próximo da 3ª Guerra Mundial?

A tensão entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte aumentou recentemente, com agressões e advertências verbais, além de alguns movimentos militares, o que gerou uma preocupação sobre uma nova crise entre duas potências nucleares.
Veículos de comunicação como o jornal americano The New York Times e o britânico The Guardian chegaram a citar a possibilidade de um conflito e compararam o momento atual como a Crise dos Mísseis de Cuba, de 1962. Afinal, seria essa a crise nuclear mais preocupante em 50 anos?
Especialistas ouvidos pela BBC divergem sobre as chances reais de um confronto mais acirrado – e potencialmente destrutivo – entre Washington e Pyongyang.
Há um consenso de que a solução militar não seria a melhor para as diferenças entre os dois países e que, assim como fizeram soviéticos e americanos há quase 55 anos, Donald Trump e Kim Jong-un resolverão seus problemas na mesa de de negociações.
O conflito A crise atual se intensificou em 8 de abril, quando, após um teste de míssil frustrado pela Coreia do Norte, Trump disse ter enviado uma “armada muito poderosa” para a península coreana, uma referência ao porta-aviões USS Carl Vinson e a um grupo tático.
Por sua vez, o Exército norte-coreano exibiu no último fim de semana seu arsenal militar e tentou fazer um novo teste de mísseis de médio alcance. O exercício falhou novamemnte – o dispositivo explodiu pouco após o lançamento.
Estava marcado para o mesmo dia o início de uma visita do vice-presidente americano, Mike Pence, à Ásia, que tem a Coreia do Norte como um dos principais temas de sua agenda. “A era da paciência estratégia (com Pyongyang) terminou terminou”, disse ele na segunda-feira, em visita à Coreia do Sul.
A resposta da Coreia do Norte foi breve, vinda de um alto diplomata do país: “Se os Estados Unidos planejam uma ofensiva militar, vamos reagir com um ataque nuclear preventivo”.
A escalada de tensão alcançou um nível já considerado por alguns como a maior ameaça nuclear em 50 anos. O The New York Times classificou como uma “Crise dos Mísseis de Cuba em câmera lenta”. “Quando as ambições nacionais, o ego pessoal e um arsenal mortífero se misturam, as possibilidades de erro de cálculo se multiplicam”, disse o jornal.
Já o The Guardian afirmou que “nesse momento, a maioria das armas nucleares do mundo estão nas mãos de homens para quem a ideia de usá-las está se tornando factível”, numa referência a Jong-um, Trump e o presidente russo, Vladimir Putin.
Em Cuba, o episódio é lembrado como a “Crise de Outubro”. No dia 15 deste mês em 1962, um avião espião dos EUA descobriu instalações na ilha que pareciam corresponder a mísseis nucleares de médio alcance, o que fez o governo de John F. Kennedy cercar Cuba imediatamente, enquanto navios soviéticos avançavam rumo à ilha.
Entre 22 e 27 de outubro daquele ano, o mundo experimentou o que era sentir-se à beira de uma guerra nuclear. Finalmente, negociações entre Moscou e Washington permitiram que o arsenal nuclear instalado na ilha voltasse à Rússia, enquanto um furioso Fidel Castro culpava os soviéticos de terem negociado pelas suas costas.
O prêmio Nobel da Paz e físico a favor do desarmamento nuclear Joseph Rotblat qualificou a crise dos mísseis como “o momento mais aterrorizante” da sua vida. Seria a crise atual o momento mais crítico desde então?
 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.
Categoria: Internacional
Tag:

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*