Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Advogados do PT avaliam que TSE pode julgar registro de Lula antes do início do horário eleitoral

Advogados do PT avaliam nos bastidores que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pode julgar o registro de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, declarando-o inelegível, antes do início do horário eleitoral, previsto para 31 de agosto. O assunto foi tratado entre Lula, que está preso em Curitiba, e aliados, na semana passada.

Lula foi condenado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP).

A estratégia do PT é manter Lula como candidato à Presidência da República até a Justiça Eleitoral decidir, com base na Lei da Ficha Limpa, se o ex-presidente poderá ou não disputar as eleições de 2018.

Na avaliação do partido, após o registro de Lula como candidato na próxima quarta-feira (15), o tribunal tem dado sinais – por declarações de ministros – de que o caso não deve se prolongar, e Lula, enquadrado na Lei da Ficha Limpa, não poderá ser candidato.

Os advogados do PT tinham uma expectativa de que o TSE analisasse a questão na semana do dia 12 de setembro. O tribunal tem até o dia 17 – 20 dias antes das eleições – para julgar casos de inelegibilidade.

O cenário que prolonga o julgamento do registro é o desejado pelo PT porque o partido quer incluir Lula como candidato à Presidência na propaganda na TV – que começa dia 31 de agosto.

Procurado pelo blog, Fernando Haddad, vice na chapa de Lula, admitiu que o cenário em que o TSE julgue o registro antes do horário eleitoral está sendo avaliado pelo partido. “Está sendo considerado, por conta da propaganda na TV”, disse.

O ex-prefeito, que assume a chapa se Lula for declarado inelegível, visitou o ex-presidente na semana passada.

Ficou acertado também que, até a palavra final da Justiça sobre a candidatura do ex-presidente, o material de campanha do PT contará com Lula e Haddad, sem Manuela D’Ávila (PcdoB), “por uma questão jurídica”, segundo ele.

Por Andrea Sadi

Categoria: Nacional
Tag:

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*