Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Haddad vira réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

PR – HADDAD/LULA – GERAL – Fernando Haddad, vice na chapa da candidatura de Lula (PT) para à Presidência da República, visita o ex-presidente Lula na Superintendência da Polícia Federal, na manhã desta segunda-feira, 20, em Curitiba, PR. 20/08/2018 – Foto: RODOLFO BUHRER/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

A Justiça de São Paulo abriu uma ação penal e tornou réu o ex-prefeito da capital paulista e candidato derrotado à presidência da República Fernando Haddad (PT) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, após acolher parcialmente denúncia do Ministério Público Estadual. O juiz Leonardo Barreiros, da 5.ª  Vara Criminal de SP, rejeitou a parte da acusação que imputava ao ex-prefeito o crime de formação de quadrilha. As informações são do Estadão.

De acordo com o MP/SP, o petista teria solicitado, entre abril e maio de 2013, por meio do então tesoureiro do seu partido, João Vaccari Neto, a quantia de R$ 3 milhões à empreiteira UTC Engenharia para supostamente quitar dívidas de campanha com a gráfica de Francisco Carlos de Souza, o Chicão Gordo, ex-deputado estadual do PT.

A promotoria sustenta que o valor dos repasses para Haddad chegou a R$ 2,6 milhões.

Além de Haddad e Vaccari, formalmente réus por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, vão ser processados o empresário Ricardo Pessoa e o executivo Walmir Pinheiro Santana (corrupção ativa, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro), ambos da UTC ; o doleiro Alberto Youssef (formação de quadrilha e lavagem de dinheiro), suposto repassador dos valores; e Chicão Gordo (corrupção passiva, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro), dono da gráfica.

De acordo com o Estadão, no dia 10 de setembro, a defesa de Haddad peticionou nos autos e alegou que “a denúncia é inepta por não conter a descrição individualizada mínima das condutas que teriam sido praticadas pelo denunciado, nem dos elementos nucleares que compõem o tipo penal da corrupção passiva”. A defesa do petista afirmou, ainda, que “a denúncia não aponta minimamente qual era o objetivo do pagamento, ao menos em perspectiva” e que esta seria “mais uma tentativa de reciclar a já conhecida e descredibilizada delação de Ricardo Pessoa”.

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.
Categoria: Nacional

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*