Como organizar as finanças pessoais para não passar por apuros durante a quarentena

A pandemia de coronavírus está impactando negativamente as economias de muitos países pelo mundo. E com o Brasil não é diferente, semana após semana, as estimativas de crescimento da economia nacional em 2020 se tornam menores. E estamos no meio disso, afinal como nós consumidores podemos organizar finanças pessoais neste período?
Os impactos negativos da economia já estão chegando aos consumidores comuns. O dólar em alta e a correria para estocar produtos nos mercados, por exemplo, tem feito com que o preço de muitos produtos comuns no cotidiano do brasileiro dispare.
Para tentar sobreviver a crise do coronavírus não só em questão de saúde, mas também preservando as nossas economias, vamos listar abaixo algumas dicas de finanças pessoais para que vocês coloque em prática nos próximos meses:
Reduza ao máximo o seu orçamento mensal
Planejar o orçamento mensal é essencial para garantir que, pelo menos, não iremos ficar no vermelho. Em tempos difíceis, pensar em poupar é algo complicado, sabemos disso, mas é preciso encontrar formas de se resguardar neste momento.
A nossa primeira é que você faça uma redução do seu orçamento mensal. A ideia é que mantenha apenas o que for essencial na sua rotina, colocando os preços de contas de mercado e as contas triviais do mês. No orçamento dos próximos meses, você deve cortar supérfluos, essa é uma maneira de dar uma aliviada nas contas e poupar um pouco da sua renda.
Essa redução no orçamento é fundamental para equilibrar as contas. Afinal, ainda não sabemos ao certo quanto tempo irá durar essa pandemia, então fica difícil prever as finanças dos próximos meses. Quanto mais você conseguir poupar, melhor!
Faça a sua lista de prioridades
Em momentos que nossos empregos e empresas correm risco, temos de pensar em nossas prioridades. Por isso, a ideia é que você analise todos os seus gastos e as suas necessidades pessoais e profissionais. Dessa forma, você pode colocar entre suas prioridades, tudo o que é importante para a sua vida cotidiana.
Com isso, você pode cortar certos itens do seu orçamento para dar prioridade a produtos e serviços essenciais no seu dia a dia. Pense nas suas prioridades na hora de reduzir o seu orçamento, assim você garante que não lhe faltará nada do que é importante.
Renegocie dívidas
Se você está com dívidas, é hora de negociá-las. Estamos em um bom momento, de certa forma, para isso. Com a crise gerada pela pandemia, as empresas precisam garantir suas receitas. Por isso, a grande maioria delas deve estar aberta a negociações de prazos e valores, afinal é melhor manter um pagamento menor do que ter mais um cliente em débito.
Muitos bancos públicos e privados do país estão adiando o pagamento de dívidas. O banco Itaú, por exemplo, suspendeu o pagamento de créditos em 60 dias para dar um respiro maior aos consumidores.
Em alguns estados também há a possibilidade de suspensão do pagamento das contas de água, luz e gás. Nesse momento, é preciso renegociar todas as dívidas possíveis para aliviar o orçamento. Em alguns casos, será possível ainda se ver livre de débitos.
No momento, muitos credores estão preferindo terem suas dívidas pagas a correr o risco de atrasos causados pela pandemia. Então, se você tem uma reserva, tente realizar o pagamento à vista conseguindo um bom desconto da dívida. Assim, você pode aliviar o seu orçamento, liquidando possíveis parcelas mensais de empréstimos, por exemplo.
Poupar é obrigação!
Poupar deveria ser uma obrigação de todos os brasileiros, principalmente, neste momento de pandemia. Com os cortes em seu orçamento, libere espaço para poupar mais dinheiro nos próximos meses.
Sei que os tempos são difíceis, mas tente poupar, pelo menos, 10% da sua receita mensal. Assim, caso você precise, você pode usá-la nos próximos meses em qualquer eventualidade. E se você já tem o costume de poupar um valor da sua renda mensal, reforce esta prática nesse momento, é muito importante para manter suas contas em equilíbrio.
Não recorra ao crédito fácil!
As faltas de dinheiro e de emprego fazem com que muitas pessoas recorram ao crédito fácil. Esses negócios com financeiras, bancos e até agiotas parecem ótimos à primeira vista, com pouca burocracia e crédito rápido na mão, mas depois acabamos tendo que pagar o dobro do que pegamos.
Então, não busque pelo crédito fácil neste momento! Restrinja o seu orçamento ao máximo e utilize de suas reservas para suprir seus gastos essenciais sempre que preciso. Além disso, busque adotar novas formas de trabalho na quarentena, apostando em serviços que você pode fazer de casa.
Outra dica é aproveitar os benefícios que o governo pode lidar. Aproveite a antecipação de valores do FGTS, ajuda a microempreendedores e até do seguro-desemprego, se for o caso, para evitar recorrer ao crédito fácil. Na pior das hipóteses, recorra a amigos e familiares quando precisar de dinheiro, assim você não sofre com os juros de empréstimos pessoais.

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.
Categoria: Nacional