Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

O mundo já possui quase 1,5 milhão de recuperados da covid-19. Entenda como é a luta para vencer a doença

Desde que surgiu, no fim de dezembro de 2019 em Wuhan, na China, a covid-19 fez muitas vítimas (aproximadamente 290 mil no mundo todo). Mas um número muito maior de pessoas se recuperou do quadro. Segundo dados da Universidade Johns Hopkins, que desde o começo contabiliza os casos, dos 4,2 milhões de contaminados pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), quase 1,5 milhão de pessoas já se “curaram”.

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), mais de 80% dos casos da doença são leves e, entre os 20% graves, nota-se um acometimento de vários órgãos do corpo com sequelas que devem durar por meses após a alta hospitalar.

Na verdade, ainda não sabemos tanto sobre a vida pós-covid-19, pois, como muitos especialistas têm dito: “estamos construindo e pilotando um avião ao mesmo tempo”. A reportagem de VivaBem foi entender o que já se sabe sobre a recuperação pós-covid-19 e mostra para você o número de curados em alguns países, os principais tratamentos usados e como são os cuidados com os órgãos mais afetados pelo vírus.

Curados x recuperados

O que se sabe sobre o Sars-CoV-2 ainda é pouco, principalmente para falar em cura. O potencial de transmissão após o desaparecimento dos sintomas, assim como a imunidade ao vírus são incógnitas para a ciência. É por isso a própria OMS prefere usar outro termo para se referir aos que já não apresentam os sinais da covid-19: os recuperados.

Como não há testes suficientes para mostrar se os pacientes estão mesmo livres da doença, não apresentar mais os sintomas tem sido o critério para definir a recuperação. “É claro que a gente olha os exames de sangue, os marcadores de inflamação, se estão melhores, mas o que importa mesmo é a melhora clínica”, diz João Prats, infectologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo. Segundo o médico, conta-se 14 dias após o início dos sintomas.

Depois desse tempo, para dizer que a pessoa está recuperada, basta os sintomas terem melhorado.

As estimativas atuais do período de incubação do vírus (tempo entre a infecção do ser humano pelo vírus e o início dos sintomas da doença) variam de 1 a 14 dias, mais frequentemente ao redor de cinco dias.

A falta de certezas quanto a uma cura também impacta nos dados. A Universidade Johns Hopkins, por exemplo, que rastreia a contagem de casos e o número de mortos relatados por regiões de todo o mundo, diz que os dados sobre recuperações são menos precisos.

Douglas Donovan, porta-voz da universidade, disse à CNN que muitos municípios, estados, territórios e regiões não informam quantos de seus residentes se recuperaram. Muitas vezes até pela falta de testes moleculares —como é o caso do Brasil. “Os casos recuperados são estimativas em nível nacional com base em reportagens da mídia local e podem ser substancialmente inferiores ao número real”.

Quanto tempo leva para a cura?

A recuperação do coronavírus depende de diversas variáveis: idade, sexo e outras comorbidades que podem agravar o quadro (asma, diabetes, obesidade, hipertensão, por exemplo). Quanto mais grave a doença, mais demorada é a recuperação.

“Geralmente são necessárias seis semanas para se recuperar, mas quem sofre de quadros muito graves pode levar meses”, disse Mike Ryan, diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da OMS, em entrevista em março.

De acordo com André Ribas, médico epidemiologista da Faculdade São Leopoldo Mandic e do Departamento de Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde de Campinas (SP), são notadas melhoras em pessoas de todas as idades, mas a taxa de mortalidade depende muito da faixa etária.

Em pacientes mais jovens, a proporção dos que melhoram fica entre 93% e 95%. Em adultos é de 98%; em idosos, chega a 80%.

A maioria das pessoas com Sars-CoV-2 desenvolve quadros leves da doença. Uma análise da OMS diz que casos leves demoram, em média, duas semanas para passar. “Nesses casos, as pessoas se recuperam muito rapidamente, em dois, três dias. A maioria nem vai procurar um hospital”. Já em quadros mais moderados, em que há falta de ar, o médico afirma que a internação pode durar de quatro a oito dias.

A OMS estima que uma pessoa em cada 20 necessitará de tratamento intensivo, o que pode incluir sedação e oxigenação. E recuperar-se do tempo em uma UTI (unidade de terapia intensiva), demora. “Esse tempo varia, dependendo da resposta inflamatória. Muitas vezes as complicações podem ser tanto pulmonares quanto cardiovasculares, então depende de quais complicações o paciente teve”, diz Ribas.

Prats conta que o paciente fica um tempo na UTI, se recupera do coronavírus, mas continua hospitalizado por mais um tempo para se recuperar das potenciais sequelas. “Quem teve uma doença muito grave pelo coronavírus e fica na UTI, precisa ser intubado, necessita de ventilação mecânica por bastante tempo, de diálise, de vários medicamentos sedativos e até de drogas para manter a pressão. Isso traz consequências para o corpo”, diz. Um sintoma que é específico do coronavírus e que pode durar por um mês após a saída do hospital é a falta de ar ao fazer esforço.

Os tratamentos mais usados até aqui

  • Hidroxicloroquina

    O principal papel da droga no organismo é controlar a infecção impedindo que o vírus se reproduza. Além disso, o remédio modifica o pH de vesículas que estão no interior das células. Isso prejudica a produção de partículas que um vírus precisa para se multiplicar. Assim, ele acaba não se reproduzindo e a infecção é controlada.

    Leia mais

  • Anticoagulantes

    Especialistas já identificaram que o coronavírus provoca um aumento da coagulação em pacientes com quadros mais graves. Um estudo preliminar do Hospital Sírio-Libanês (SP) apontou que o medicamento heparina ajuda a desfazer os coágulos que são formados na microcirculação do pulmão e em outros locais do corpo.

    Leia mais

  • Plasma

    Pesquisadores apontam que o plasma –parte líquida do sangue– de quem se recuperou tem anticorpos chamados de “neutralizantes”, que podem ser úteis para compensar a incapacidade do sistema imunológico do indivíduo doente e antecipar sua melhora. A técnica existe há mais de 100 anos e foi usada durante as epidemias de Sars e Mars, doenças respiratórias causadas por outros coronavírus.

    Leia mais

  • Corticoides

    Seu uso ainda é controverso e não há estudos específicos com pacientes com covid-19. Análises sugerem que o tratamento com corticosteroides alivia a fibrose pulmonar e impede a deterioração patológica progressiva em casos de síndrome respiratória aguda grave. No entanto, estudos apontam que essas drogas aumentam a carga viral, o tempo de internação e o risco de infecção secundária.

Os órgãos mais afetados pelo coronavírus

Confusas com a infecção, células de defesa do nosso organismo podem entrar em atividade exaltada, combatendo tanto o inimigo quanto outras células saudáveis. Assim, o sistema imunológico prejudica órgãos do corpo todo com reações inflamatórias:

Fonte: UOL

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.
Categoria: Internacional

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*