Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Bolsonaro sanciona lei que evita que carros sejam guinchados em blitz

Publicada em 21 de outubro passado no Diário Oficial da União, após sanção do presidente Jair Bolsonaro, a Lei 14.229/21 traz modificações no CTB (Código de Trânsito Brasileiro) que incluem uma flexibilização relacionada a veículos irregulares parados em blitz de trânsito.

A nova lei nasceu de medida provisória editada pelo governo federal em maio e é festejada pelos proprietários, que a classificam como o “fim da mamata do reboque”.

Já em vigor, a regra estabelece que automóveis com algum tipo de pendência tenham a remoção ao pátio substituída pelo recolhimento do CLA (Certificado de Licenciamento Anual) até a regularização do veículo, acompanhada de vistoria pelo respectivo órgão de trânsito.

Caso essa vistoria não aconteça no prazo de 15 dias, será aplicada uma restrição administrativa, impedindo o licenciamento e a transferência de propriedade.

Saiba quando o carro ainda será guinchado

O mestre em direito e professor de legislação de trânsito Julyver Modesto destaca que a remoção do veículo é medida administrativa legalmente prevista para determinadas infrações de trânsito e acrescenta que veículos ainda podem ser guinchados em algumas condições – uma delas é a falta da vistoria mencionada acima, caso seja constatada em nova abordagem de fiscalização.

Em artigo sobre o tema, Modesto destaca que, mesmo antes das alterações da Lei 14.229/21, o CTB já previa que a remoção não deveria ser aplicada, desde que os problemas fossem sanados imediatamente. A novidade é que, agora, existe prazo para a regularização.

Outra exceção é a falta de licenciamento: caso não seja regularizada durante a abordagem, não tem jeito: o carro será guinchado.

“Nem sempre o condutor consegue regularizar o licenciamento no momento da abordagem, pois o pagamento de débitos pelo aplicativo do banco não conclui, imediatamente, o processo. Em alguns Estados, por exemplo, o próprio órgão estadual de trânsito tem disponibilizado serviço de licenciamento no local da fiscalização”, esclarece Julyver Modesto, que também é integrante do Cetran-SP (Conselho Estadual de Trânsito de São Paulo).

A remoção também continuará a ser aplicada quando houver problemas relacionados a itens de segurança do veículo, como pneus carecas e para-brisa trincado.

Além disso, o carro pode ser guinchado se condutor não estiver presente no local da infração, como no caso de estacionamento em local sinalizado com placa de proibição, salienta o especialista.

“É importante destacar que, se o condutor comparecer ao local e se dispuser a retirar o veículo, já não caberá mais a remoção nem o recolhimento do documento, pois terá sido sanada a irregularidade”.

Modesto acrescenta que, se o CLA for digital, há uma funcionalidade no aplicativo Fiscalização, da Senatran (Secretaria Nacional de Trânsito), para registrar o respectivo recolhimento.

“Já a Polícia Rodoviária Federal tem procedimento próprio, por meio do talonário eletrônico. Em alguns Estados, como São Paulo, padronizou-se a elaboração de um comprovante para fins de bloqueio do documento”.

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.
Categoria: Nacional