Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Casal monta centro para treinar missionários para evangelizarem muçulmanos

Quando a maioria das pessoas atinge a idade da aposentadoria, elas se concentram em hobbies, viagens e passar tempo com a família. Mas Paul P. Hancock III (conhecido como Trey) não é como a maioria das pessoas.

“Eu não sei nada sobre aposentadoria”, diz ele, “mas eu sei sobre ministério, e é isso que vamos fazer até que Jesus me tire o fôlego”.

O ministério que Trey, de 65 anos, conhece bem é o alcance aos muçulmanos com o Evangelho. Como pastor por 21 anos na Igreja Springwells em Dearborn, Michigan, ele se uniu à sua esposa, Becky, para se conectar à comunidade predominantemente muçulmana da cidade.

Mas em 17 de outubro, ele renunciou oficialmente ao cargo de pastor. Agora ele e Becky – ambos missionários da Assembleia de Deus nos Ministérios Interculturais dos EUA – podem se concentrar em iniciar um centro de treinamento para missionários ministrarem aos muçulmanos.

Becky, de 64 anos, diz que desde que chegaram a Dearborn, três décadas atrás, eles pensaram em abrir um centro assim. Anos atrás, os Hancocks compraram dois prédios de escritórios em Dearborn, acreditando que um dia eles abrigariam o centro de treinamento.

O dia chegou

O centro de treinamento está localizado na cidade de 110.000 habitantes, que é 40% muçulmana e tem a maior população islâmica per capita dos Estados Unidos. No bairro de Dearborn, onde vivem os Hancocks, praticamente todos são muçulmanos.

O diretor sênior dos Ministérios Interculturais, Wayne Huffman, elogia a singularidade do centro.

“Que melhor maneira de obter treinamento do que ir para onde temos uma das maiores concentrações de muçulmanos na América e poder aprender com aqueles que estão fazendo isso e não ficar sozinho?”, diz Huffmann. “É uma ferramenta tremenda.”

Atualmente Trey e Becky estão viajando e recrutando para o centro e organizando a equipe. Em parceria com a Live Dead, uma organização de plantação de igrejas entre os povos não alcançados, o esforço incluirá ensino em sala de aula sobre assuntos como língua e cultura árabe, guerra espiritual e teologia cristã.

“Os trainees terão tempo extra para interagir com a comunidade”, diz Becky. “Eles não podem simplesmente estar nos livros enquanto estão aqui. Eles têm que estar na vizinhança.”

Desafios

E é aí que os missionários encontrarão seu maior desafio. Os obstáculos que impedem os muçulmanos de se converterem a Cristo incluem a separação da família, a perda de empregos e até mesmo a ameaça à vida.

Huffman descreve o campo missionário muçulmano como “muito arado, mas não muito fruto”. Trey sabe disso em primeira mão.

“Para eles encontrar Jesus é uma luta”, diz Hancock.

O centro será uma ajuda vital com isso. Becky diz que experimentar as realidades do solo duro de evangelismo construirá o caráter dos missionários e desenvolverá sua perseverança para que não desistam de sua missão.

“Os muçulmanos são pessoas como nós, exceto que eles têm uma religião que abrange tudo”, diz ele. “E quer afastá-los de Jesus.”

Os Hancocks estão cientes de que alguns missionários podem passar por seu programa e decidir que este campo missionário não é para eles. E tudo bem, dizem. Mas isso não mudará seus “planos de aposentadoria” ao ministrar aos muçulmanos que eles aprenderam a apreciar e desfrutar.

“Não podemos deixar nossos amigos sozinhos”, diz Trey. “Isso não é uma opção para nós.”

Muito já creem

Levou cinco anos para Hancock ver seus primeiros convertidos em Dearborn – cinco árabes-muçulmanos que aceitaram a Cristo em um clube bíblico realizado em sua casa.

No entanto, Hancock está convencido de que muitos muçulmanos em Dearborn já acreditam em Cristo, mas têm medo de dizer isso por causa do alto custo da conversão.

Um desses convertidos é Hass, um estagiário do ministério trabalhando em seu diploma em Bíblia. Depois de aceitar Jesus há alguns anos, ele perdeu sua esposa, negócios, veículos e casa.

Mas Hancock diz que Hass tem muitos parentes e contatos na comunidade islâmica, o que pode permitir que ele tenha um grande impacto para o Evangelho lá.

Merren descreve seu evangelismo em Detroit nos termos que Jesus usa em Mateus 25: alimentar e vestir “o menor destes”, visitá-los e acolhê-los.

“Quando você está com o menor destes, as famílias de refugiados, há uma presença de Deus lá que é inegável”, diz Merren. “Isso alimenta minha paixão.”

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.
Categoria: Gospel