Onda de calor: Codó e outras cidade devem registrar mais de 40 graus neste fim de semana

O calor ainda vai aumentar nos próximos dias. O pico da onda de calor está sendo esperado para este fim de semana, que coincide com o início da primavera, no dia 23 de setembro, às 3h50, pelo horário de Brasília.

A previsão do site Climatempo indica que temperaturas entre 38°C e 42°C poderão ser registradas no interior do Maranhão e outras regiões do país. Nesta sexta-feira (22) e no domingo (24), a temperatura máxima em Açailândia poderá chegar a 41ºC. Temperatura um pouco mais alta deve ser registrada em Arame, onde a máxima prevista é de 42º na sexta e domingo. No sábado (23), os termômetros deverão atingir 41ºC, de acordo com a meteorologia.

Em Codó, sétima maior cidade do Maranhão, os termômetros poderão marcar até 40ºC neste fim de semana, ainda de acordo com a previsão meteorológica. A mesma condição está prevista para Barra do Corda, Buriticupu, Carolina, Imperatriz e Grajaú. Já na capital, São Luís, a temperatura máxima no sábado deve ser de 32ºC e, no domingo, 33ºC.

O sol forte e a baixa umidade do ar vão predominar pelo interior do Nordeste. Esse calor que o Brasil enfrentará no primeiro fim de semana da primavera de 2023 não é um calor normal. Não é um calor apenas desconfortável. É um calor que pode ser até fatal.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu alerta laranja para o sul maranhense, situação meteorológica perigosa. Isso representa uma mudança no comportamento das temperaturas, que estão 5ºC acima da média por estes dias. O alerta de perigo está em vigor e se estende até às 18h de domingo que vem.

Durante a onda de calor e de baixa umidade, o Inmet orienta que as pessoas bebam bastante líquido, não façam atividades físicas, evitem exposição ao sol em horários mais quentes do dia, usem hidratante para a pele e umidifiquem o ambiente. A baixa umidade do ar pode levar a problemas respiratórios, ressecamento da pele, desconforto nos olhos, boca e nariz.

Hallan Cerqueira, meteorologista do Núcleo de Geoprocessamento da Universidade Estadual do Maranhão (NUGEO/UEMA), explica que a forte onda de calor deve atingir, principalmente, o Extremo Sul do Maranhão, que é influenciado pelo Centro-Sul do Brasil. A área do Centro-Norte também está no período seco, que é comum para o período do ano, mas está fora da área de alerta amarelo por ser influenciado pelo Oceano Atlântico.

O seu endereço de e-mail não será publicado.