Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Nova edição da caravana” Pão com Ovo” leva teatro gratuito a treze cidades

PAO222Os números impressionam pela grandeza do projeto: 3.600 Km a serem percorridos em 14 apresentações por 13 cidades maranhenses. Expectativa de 45 mil pessoas, com média de 5 mil pessoas por cidade.
Estamos falando da “II Caravana Pão com Ovo”, que vai levar teatro maranhense gratuito e de qualidade para o público de diversas cidades do Maranhão, graças ao patrocínio da CEMAR e Governo do Estado do Maranhão, via Lei Estadual de Incentivo à Cultura. E que vai percorrer de 24.07 a 23.08 as cidades de São Luís, São Bento,Viana, Santa Inês, Buriticupu, Açailândia, Grajaú, Presidente Dutra, São João dos Patos, Timon, Tutóia, Itapecurú e Rosário.   caxias5
A comédia “Pão com Ovo” será apresentada de forma itinerante e com caráter popular, uma vez que todas as apresentações se darão em praças públicas, gratuitas e aberta a públicos de todas as idades. A peça é adaptada para cada cidade onde é apresentada com uma rápida pesquisa, sobre bairros, nomes de famílias tradicionais, linguajar e costumes. A cada nova temporada uma nova temática, com quadros novos como aniversário de criança, baile de formatura e uma leitura divertida das festas populares e as manifestações políticas atuais
A Caravana é uma parceria da Cia. Santa Ignorância, autora da peça “Pão com Ovo”, que é sucesso de público há 5 anos em São Luís e da produtora Grupo Oito Comunicação, agência especializada na concepção e produção de projetos incentivados através de leis Estaduais / Federais, da publicitária Cássia Mello.12108071_10205054515744474_1208775068236829669_n
O projeto que teve início no ano de 2016 com um total de 14 apresentações em 13 cidade foi sucesso absoluto de público em todas as regiões percorridas.
Para esse ano, mais 14 apresentações, à partir do dia 29 de julho. A comédia é inédita em 9 das 13 cidades: Timon, Buriticupu, Açailândia, Grajaú, Presidente Dutra, São João dos Patos e Tutóia.
Para facilitar o acesso das pessoas em cada comunidade, a peça será novamente encenada nas principais praças dos municípios visitados, mas contando com uma super estrutura de palco, som e luz, além de cadeiras e decoração.
Com um tempo médio de 1H20 de duração, a peça conta com skeches da montagem original do “Pão com Ovo”, além de alguns quadros que são sucesso do grupo na internet. Em suma, um espetáculo para toda família se divertir, da criança ao idoso.
A FÓRMULA DE SUCESSO DO “PÃO COM OVO”
O sucesso da comédia “Pão com Ovo” não se restringe às fronteiras maranhenses. O espetáculo que já foi encenado em outros Estados brasileiros como SP, RN, PI e até em Portugal, sempre tem platéias cheias e contagiadas pelo humor dos três atores em cena; que representam arquétipos contemporâneos e por que não dizer, comuns em toda sociedade atual, independente da nacionalidade.
“Trabalhamos em cena arquétipos populares, como a emergente social, a pessoa da periferia, o mau atendimento prestado em órgãos públicos. E com uma comunicação muito direta com o público em todo o espetáculo, mas sem sermos pretensiosos. O texto mesmo regional faz sucesso igualmente, seja dentro ou fora do Estado”, explica o ator e diretor César Boaes, que na comédia interpreta a personagem Clarisse, uma típica alpinista social.
Os temas encenados e que levam as pessoas às gargalhadas, ao mesmo tempo as fazem refletir sobre questões sérias como a falta de qualidade do atendimento, a estratificação social, etc… Além de Clarisse (César Boaes), integram o espetáculo as personagens Dijé (Adeílson Santos) e seu marido Zé Maria (Charles Jr).
Logo após encerrar a segunda temporada no Maranhão da Caravana, os três atores e sua equipe levarão o “Pão com Ovo” para uma temporada popular de 32 apresentações no Rio de Janeiro, de 26 de agosto a 16 de outubro; com projeto incentivado mais uma vez pelo Governo do Maranhão e CEMAR. E ainda lançam dois novos DVD´s: “Pão com Ovo I” com nova filmagem, além do dvd inédito “A Vingança de Zé Maria”
“É muito bom ver o teatro produzido no Maranhão e por maranhenses ser descoberto por muita gente, dentro e fora do Estado, e graças ao incentivo da Lei Estadual de Cultura, que nada mais é que o dinheiro do povo sendo revertido em ação cultural para o povo”, comentou César Boaes.
SERVIÇO / DATAS E LOCAIS DAS APRESENTAÇÕES DA CARAVANA “PÃO COM OVO” 2016 – SEMPRE ÀS 18H:
São Luís / Anjo da Guarda: 24.07 / Local: Praça do Viva Anjo da Guarda
São Bento: 29.07 / Local: Praça de Eventos
Viana: 31.07 / Local: Praça do Cais  (Bairro Matriz)
Santa Inês: 02.08 / Local: Espaço Dona Zima – Centro
Buriticupu: 04.08 / Local:Praça da Cultura – Centro (ao lado da Prefeitura)
Açailândia: 07.08 / Local:Praça do Pioneiro
Grajaú: 10.08 / Local: Praça Antonio Feitora – Bairro Canoeiro
Presidente Dutra: 12.08 / Local: Praça São Sebastião
São João dos Patos: 14.08 / Local: Praça de Eventos Júlio César Macedo
Timon: 16.08 / Local: Av. Teresina – Bairro Parque Piauí
Tutóia: 19.08 / Local: Praça de Eventos – Centro
Itapecurú: 21.08 / Local: Praça Central – Av. Gomes de Sousa
Rosário: 23.08 / Local: Praça da Matriz – Centro
FOTO – DIVULGAÇÃO: As personagens da comédia Pão com Ovo: Zé Maria, Dijé e Clarisse, que farão  apresentações itinerantes em 13 cidades maranhenses, em um mês de turnê.

CONVITE DE MISSA DE 1 ANO DE FALECIMENTO DE MIGUEL LIMA NETO

índiceuuuuuuuuuu-396x480A Saudade é imensa,um ano se passou nada poderá apagar tua lembrança, teu sorriso, tua alegria jamais esqueceremos, mas NÓS nos confortamos em saber que Deus a acolheu em sua moradia.
Os Familiares de Miguel Lima Neto convidam parentes e amigos para participarem da Missa de 1 ano de seu falecimento, que será celebrada no dia 20/07/2016, às 19h30 do dia 20 de julho (quarta-feira) na Igreja Santa Teresinha, localizada no bairro Codó Novo
SAUDADES dos seus filhos, netos, genros, noras, demais familiares e amigos.
Agradecemos a presença de todos.

FMI melhora pela 1ª vez previsão para o PIB do Brasil em 2016

fmiO Fundo Monetário Internacional (FMI) está um pouco menos pessimista em relação à economia brasileira. Em relatório divulgado nesta terça-feira (19), o fundo melhorou pela primeira vez – após cinco revisões para baixo – sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) do país este ano. A expectativa agora é que a economia brasileira “encolha” 3,3% em 2016 – ante uma queda de 3,8% estimada em abril.
 
Para 2017, o FMI agora prevê que a economia brasileira voltará a crescer. O órgão estima um avanço de 0,5% no PIB, contra uma projeção de crescimento nulo feita nos dois últimos levantamentos do órgão.
Considerando as projeções feitas para todos os anos, é a primeira vez desde o relatório de julho de 2012 que o FMI melhora uma estimativa feita para a economia brasileira. Na ocasião, o fundo elevou de 4,1% para 4,6% a estimativa de crescimento para o PIB de 2013.
“É uma combinação de vários fatores. A gente vê evidências de mudanças e virada na economia”, informou a diretora da divisão de estudos da economia mundial da instituição, Oya Celasun, durante coletiva de imprensa nesta terça.
Segundo Oya, o mercado financeiro está reagindo bem ao novo momento da economia brasileira, e o consumo deve melhorar com a volta da confiança nos indicadores. Oya disse que a confiança havia piorado muito devido à demora nas reformas necessárias.
De acordo com Gian Maria Milesi-Ferreti, diretor do departamento de pesquisas do FMI, em 2015 houve um encolhimento rápido da economia do país, então um encolhimento da queda já implica uma melhora e uma virada.
Projeções para 2016
Em sua primeira projeção para 2016, feita em abril de 2014, o FMI considerava que a economia brasileira cresceria 1,5% este ano. A projeção, no entanto, piorou gradualmente, por cinco vezes seguidas (veja o gráfico ao lado). Passou de uma contração esperada de 1%, em outubro de 2015, para recuo de 3,8% em abril deste ano.
Agora, o órgão projeta uma queda um pouco menos brusca. “A confiança do consumidor e dos empresários parece ter melhorado no Brasil, e a contração do PIB no primeiro trimestre dá sinais de ter sido mais suave que se previa”, diz o órgão no relatório.FMI1
Como efeito, a recessão de 2016 no país deve ser “levemente menos severa, com um retorno de crescimento positivo em 2017”, aponta o FMI. Apesar disso, acrescentou o órgão no relatório, “incertezas políticas ainda persistem” e podem obscurecer as projeções.
Brexit piora as projeções globais
Apesar do cenário menos pessimista para o Brasil, o órgão cortou em 0,1 ponto percentual a previsão de crescimento da economia mundial, passando para um avanço de 3,1% em 2016. Para 2017, o FMI estima um avanço da atividade global de 3,4% – ante 3,5% previstos em abril.
O referendo do dia 23 de junho que decidiu pela saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) adicionou uma “pressão negativa à economia mundial”, avaliou o diretor de pesquisa do FMI, Maurice Obstfeld, em comunicado do órgão.
“Até 22 de junho, nós estávamos preparados para melhorar levemente nossas projeções mundiais para 2016 e 2017. Mas a Brexit colocou tudo a perder em nossos trabalhos”, escreveu.
A previsão para o PIB do Reino Unido em 2016 foi cortada em 0,2 ponto percentual, para avanço de 1,7%.
Para as economias emergentes e países em desenvolvimento, o órgão manteve a projeção de avanço de 4,1% em 2016, e de 4,6% em 2017. Já os países da América Latina e Caribe devem “encolher” 0,4% este ano – uma piora de 0,1 ponto percentual em relação à última previsão.
Pequeno ‘alívio’ nas projeções
O FMI não foi o único a melhorar a projeção para o PIB brasileiro deste ano. Esta semana, o mercado financeiro passou a estimar um “encolhimento” menor do nível de atividade da economia em 2016 e uma expansão maior no ano que vem.
As projeções são do boletim Focus do Banco Central, que consultou mais de 100 economistas. Para este ano, eles melhoraram a estimativa para o PIB de uma contração de 3,30% para uma queda menor, de 3,25%.
Após ter crescimento marginal em abril, o nível de atividade da economia voltou a cair, segundo o Índice de Atividade Econômica do BC, o IBC-Br – criado para tentar antecipar o resultado do PIB. Ele recuou 0,51% em maio na comparação com abril, após ajuste sazonal (espécie de “compensação” para comparar períodos diferentes).
Primeiros sinais de reação
Para o pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV), Claudio Considera, alguns dos mais recentes indicadores macroeconômicos foram “menos ruins” que os anteriores, podendo apontar como “primeiros sinais” de reação da economia.
“Essa mudança [nas projeções] tem a ver com uma leve melhora em dados da atividade da indústria, no setor de construção civil e do consumo de energia elétrica”, avalia Considera. A produção da indústria brasileira ficou estável em maio, cresceu 0,1% em abril e 1,4% em março, na comparação mensal.
Esses números interrompem várias contrações seguidas no indicador divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Aparentemente, existe uma tendência de melhora na economia, mas é cedo para tirar conclusões e qualquer recuperação será lenta”, pondera.
O pesquisador também aponta uma retração “menos desfavorável” no setor de serviços como condutor de um pessimismo menor. Em maio, o volume recuou 6,1% frente ao mesmo período do ano anterior, a maior queda desde 2012 para o mês. Já na comparação com abril, a baixa foi menor, de 0,1%. Na comparação anual, o que mais influenciou a queda de 9,1%, foram os transportes, principalmente o aéreo (-15,1%) e terrestre (-10,5%).
No comércio varejista, as vendas continuam ruins. Elas recuaram 9% em maio ante o mesmo mês de 2015, a maior queda para o mês desde 2001, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com abril, que registrou alta de 0,3% (dado revisado), a queda foi de 1%, a maior para o mês desde 2000.
O resultado está 12% abaixo do ponto mais alto da série, em novembro de 2014. “O desemprego e a inflação ainda corroem a renda do brasileiro e isso ainda reflete no consumo e serviços”, diz Considera.
Fonte: G1

Indiano que se exibia com camisa toda coberta de ouro é linchado até a morte

blog_datta_1Datta Phuge gostava de exibir uma camisa de veludo toda coberta com pequenos pedaços de ouro e com botões feitos com cristais Swarovski, avaliada em cerca de R$ 800 mil. O objetivo era ficar atraentes para as mulheres.
Só que tanta ostentação chegou ao fim na semana passada. O especulador imobiliário e agiota foi linchado até a morte por 12 pessoas quando curtia férias no balneário de Dighi (Índia).
De acordo com a polícia, o indiano sofreu um emboscada ao se dirigir a uma festa sem os seus costumeiros seguranças. O motivo do crime ainda é investigado. Quatro suspeitos já foram detidos.blog_datta_india

Decisão do Chiquinho do Saae fica pro dia 30

chiquinho claudio pazA sessão na câmara municipal de Codó foi muito esperada pra dar inicio e o pronunciamento do Presidente da camara onde ele se pronunciaria qual seria sua decisão.
Chiquinho disse em seu pronunciamento que esteve em reunião com Andre Fufuca.” Fufuca pediu pra aguardar uma decisão ate dia 30 deste mês onde o partido terá uma decisão se segue com uma candidatura própria ou se  vai compor com alguma chapa, porque o partido hoje ele tinha uma decisão mais diante de todas essas manifestações e diante de de tudo aquilo que foi colocado nos últimos dias  em Codó,creio eu que o deputado recuou a sua decisão e vai guardar ate o dia 30 pra tomar ela, e dependendo da resposta do deputado se for de acordo com a vontade do meu povo eu seguirei, se nao for eu encerrarei a minha trajetória politica mais não decepcionarei o meu povo. disse chiquinho do Saae
Não tenho inimigos
Chiquinho também declarou em seu pronunciamento que não tem inimigos na politica de Codó,disse que é amigo da família do vereador Rodrigo Figueiredo,do empresario Francisco Carlos de Oliveira ,Francisco Nagib, Pedro Belo, Mendes,João dos Plasticos e do mais novo pre candidato Rozendo Jr.
Até lá muitas águas vão passar por debaixo dessa ponte chamada política, as apostas estão abertas agora é esperar se Chiquinho vai com Nagib,Pedro Belo ou uma candidatura própria.
Descartada um apoio a Bine
Esta descartada a ida do Chiquinho do Saae  para o grupo de Bine,  devido um acordo entre  ex prefeito Biné e o ex prefeito Ricardo Archer que nesse acordo ficou selado o apoio do grupo de Bine Figueiredo a Ricardo Archer para deputado federal em 2018,onde o Andre Fufuca irá recorrer a reeleição de deputado federal.

Santa Cruz do Recife é segundo grande do Nordeste que confirma participação na Copa Codo

santa cruzO Santa Cruz do Recife é segundo grande time do Nordeste a confirma sua participação na Copa Codó de Futebol de base, que acontece no período de 25 a 31 de julho no estádio municipal Renê Bayma. O time pernambucano vem pela primeira vez no Maranhão com suas duas categorias, sub 14 e sub 17 em busca de intercambio e captação de atletas durante a competição.

“Será um orgulho o Santa participar dessa competição em Codó, é uma região distante da nossa mais com muitos talentos, temos boas referências da cidade e principalmente do gramado do estádio Renê Bayma, e vamos para abrilhantar mais ainda a competição levando nossa categoria de base. ” Disse Roberval coordenado da base do time pernambucano.santa cruz sub 14

O Cobra Coral com é conhecido, passa por reformulação na base e vem em crescimento igual o profissional que hoje voltou a serie do campeonato Brasileiro, e um dos objetivos da nova gestão é pode levar o nome do Santa Cruz nas principais competições espalhadas pelo Brasil e principalmente na região nordeste.

Secretário de Estado de Meio Ambiente participa do I Seminário sobre Juventudes e Ecologia

2016-07-15-PHOTO-00000184O Secretário de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais, Marcelo Coelho, participou, no dia 15.07, da abertura do I Seminário Regional sobre Juventudes e Ecologia, cujo tema foi “Dê-me de beber”. O evento foi uma realização da Pastoral Juvenil do Maranhão, objetivando apresentar estratégias proféticas de preservação dos rios, mananciais e bacias hidrográficas maranhenses, despertando e provocando a atenção da sociedade, sobretudo, do Poder Público.

“Quando recebi o convite de imediato disse que seria o maior prazer. É de extrema importância que a juventude conheça e ajude na preservação do meio ambiente, que precisa de cuidados, sendo fundamental para que tenhamos uma melhor qualidade de vida. O Seminário foi uma oportunidade dos jovens conhecerem mais sobre o tema, terem noção da importância deles nesse processo. Que eles possam levar o aprendizado para os municípios e sejam multiplicadores”, disse Marcelo Coelho.2016-07-15-PHOTO-00000181

A Secretária de Estado da Juventude, Tatiana Pereira, destacou o fortalecimento da juventude. “Acredito que é um espaço importante para debater política e juventude, aliado a ecologia. Assim conseguimos nos fortalecer nessa luta. Vamos fazer valer a pena esse momento”, ressaltou ela.

De acordo com a Secretária Regional da Pastoral Juvenil do Maranhão, Ilmara Compasso, “essa foi uma oportunidade de despertar o jovem com relação a sua responsabilidade no cuidado com nossos recursos hídricos, com nosso meio ambiente”.

Na oportunidade, a Analista Ambiental da SEMA, Raissa Azulay, ministrou palestra sobre gestão participativa de recursos hídricos e o papel de juventude nas ações de preservação e conservação ambiental. “Essa foi uma forma de estimular a juventude a participar ativamente da gestão. A ideia é tornar a juventude mais atuante e mostrar, também, as ações da Secretaria nessa área. Foi uma discussão rica para um público preparado e sedento de conhecimento, com vontade de desenvolver práticas sustentáveis”, comentou.

Ainda estiveram presentes o Arcebispo Metropolitano da Arquidiocese de São Luís, Dom Belisário; Paulo Lira, Assessor Nacional da Pastoral Juvenil; Pe.Joaniston Guedes, Assessor Religioso da Pastoral Juvenil. O Seminário conta com a presença das dioceses de São Luís, Bacabal, Coroatá, Viana, Caxias, Zé Doca, Imperatriz, Brejo, Grajaú, Carolina, Pinheiro e Balsas.

Paula Lima – Jornalista
Assessora de Comunicação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais – SEMA

CPMF: freio na sonegação e na corrupção

euro-870757_1280A equipe econômica tem reiterado ultimamente que para a recuperação do país não está descartada a revisão do quadro fiscal e tributário, o que em linguagem comum quer dizer aumento das alíquotas atuais ou criação de novos impostos. Por se tratar de tema polêmico e extrema rejeição popular o governo tem sido reticente, mas é certo que esse caminho deve ser seguido como alternativa para reorganizar e equilibrar as contas públicas. Acredito que nesse bojo de possíveis novos tributos está a conhecida CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), com esse ou outro nome, mas com a mesma essência.

Caso isso se concretize, acredito ser a melhor saída. Dos males o menor em se tratando de aumento da já pesada carga tributária, porque comparativamente a outros impostos tem algumas vantagens, como alíquota palatável para os pobres, mas significativa ao ser aplicada às grandes movimentações e fortunas; tem prazo de validade; gera considerável volume de arrecadação; não há como sonegá-la; é poderoso antídoto contra a corrupção. Tudo isso, como se verá na sequência desta análise.

Para os críticos da CPMF, a grande desvantagem do imposto é que ele é regressivo, ou seja, penaliza as classes mais baixas. Isso ocorre porque quem mais faz transações financeiras são as empresas e elas tendem a repassar esse custo para o preço final dos produtos. As classes mais pobres têm pouco espaço para poupar e, em geral, gastam tudo que ganham. Por isso, impostos indiretos, que incidem sobre produção e consumo, acabam pesando proporcionalmente mais sobre os mais pobres. Enquanto impostos diretos sobre renda e propriedade (IR, IPTU e IPVA, por exemplo) atingem basicamente os grupos mais abastados. A CPMF foi considerada, entre todas as alternativas de tributos, o caminho que traria menores distorções na economia e menor impacto inflacionário. Esse é o imposto mais distribuído, incidindo de maneira equitativa entre todos os setores da economia.

Já por outro lado, os economistas que defendem a retomada da CPMF observam três vantagens principais: 1) é um imposto que tem uma alíquota baixa, mas, como incide sobre um número grande de operações, por isso gera uma resposta rápida em termos de arrecadação; 2) é fácil de cobrar e pagar, mas difícil de sonegar; 3) seu impacto na inflação tende a ser baixo em comparação com outros tributos que incidem diretamente sobre produtos, como por exemplo, a Cide (taxa cobrada sobre gasolina e diesel).

Mas afinal, como elevadas quantias de dinheiro vivo passam de mão em mão, fortunas são desviadas para o exterior sem que sejam detectadas? Chega-se à conclusão que se houvesse mecanismo fiscal e tributário atuando na raiz tais operações seriam inibidas e até flagradas. Acredito que a CPMF poderia ser esse mecanismo. Todavia, sua implantação depende de lei e o instituto legal deve ser claramente definido, desde a destinação específica da arrecadação até o prazo de vigência se for contribuição “provisória”, ou a substituição de todos os demais tributos de natureza fiscal e financeira, como o IOF, por exemplo.

Finalizando, concordo que apesar das divergências, prós e contras, a CPMF não é uma solução definitiva para o problema fiscal e é necessário implantar reformas que reduzam o ritmo de crescimento do déficit ocasionado por despesas obrigatórias – como as aposentadorias – e que se adotem medidas para o país retomar o crescimento econômico. Mas, se for para enfrentarmos um novo imposto que seja então a CPMF, que tem aspectos positivos.

*Luiz Carlos Borges da Silveira é empresário, médico e professor. Foi Ministro da Saúde e Deputado Federal.

Governo do Estado e Embrapa difundem produção de alimentos Biofortificados em Codó região dos cocais

Dona Antônia Lúcia Miranda era só alegria no seu estande de venda de caldo, doce e bolo de batata e doce de leite. Foto: Gilson Teixeira/SecapO Governo do Estado e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) estão coordenando ações inovadoras de execução do Projeto de Biofortificação de Alimentos no Maranhão. A meta é fortalecer a segurança nutricional em comunidades carentes onde a população tem deficiência de nutrientes como ferro, zinco e vitamina A e, assim, combater a deficiência de micronutrientes no organismo humano, conhecida como ‘fome oculta’, que provoca doenças como anemia e cegueira noturna.
O Maranhão já evoluiu consideravelmente os projetos de biofortificação de alimentos com as culturas do feijão-caupi (Aracê), mandioca (BRS Jari), milho (BRS 4104) e batata-doce (Beauregard). Os alimentos biofortificados estão em fase de expansão no território dos Cocais, abrangendo,atualmente, 300 famílias nos municípios de Alto Alegre, Codó, Caxias, Peritoró, Coroatá, São Mateus, Timbiras, Presidente Dutra e Dom Pedro.
“O sistema SAF está trabalhando para transformar a difusão dos alimentos biofortificados em política pública, pelo fato dos nutrientes encontrados nessa alimentação serem fundamentais no fortalecimento nutricional infantil, permitindo, junto com outras práticas saudáveis, manter um equilíbrio na alimentação a ponto de se perpetuar até a fase adulta”, explicou o secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares.
O secretário informou que a intenção do Governo do Estado é multiplicar sementes para distribuir aos agricultores familiares para que eles passem a cultivar e consumir os alimentos biofortificados. A proposta é que a produção seja inserida em canais de comercialização como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), garantindo o escoamento e melhora nas condições nutricionais e de vida da população.
A agricultora familiar de Alto Alegre do Maranhão, Antônia Lucia Carvalho conta que, no início, foi difícil a comercialização dos produtos já que era algo desconhecido entre a população. Ela adotou medidas para diferenciar os alimentos e torná-los mais atrativos. “Conheci os biofortificados em um dia de campo, em Codó, e me interessei em experimentar. Por ser um produto novo, precisei me adaptar para que conseguisse vender e obter uma renda; então comecei a fazer produtos derivados, como caldos, doces e até escondidinho de batata biofortificada, e o sucesso foi total”, explicou Antônia Lucia Carvalho.
O presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp), Júlio César Mendonça, explicou que os alimentos biofortificados são importantes para combater a desnutrição e a insegurança alimentar, principalmente no meio rural. “É meta do Governo do Estado alcançar essas famílias que vivem em vulnerabilidade alimentar com a ampliação da produção dos biofortificados”, ressaltou.
Recomendações
De acordo com explicação de Jorge Ríos Castillo, nutricionista vinculado a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), todo sistema produtivo agropecuário deve levar em conta os temas de deficiências nutricionais. “Está bem documentado que existe uma relação direta entre a desnutrição crônica, as deficiências de micronutrientes e os problemas na fase adulta. As enfermidades crônicas que, infelizmente, muitos acabam por adquirir na fase adulta, possuem vestígios que vêm desde os primeiros anos de vida”, afirmou.
Segundo Jorge Ríos Castillo, trabalhos com biofortificação têm desenvolvido o cenário socioeconômico nacional do meio rural e o quadro internacional, principalmente no continente africano, impulsionado acordos de cooperação internacional para a agricultura e nutrição. Para Castillo, os esforços para aumentar os teores de micronutrientes de alimentos básicos, diretamente pela biofortificação, são particularmente promissores.
Rede BioFORT
O Brasil tem se destacado num aspecto diferenciado dos demais países no desenvolvimento de biofortificação. É o único país onde são conduzidos, ao mesmo tempo, trabalhos com oito culturas diferentes: abóbora, arroz, batata-doce, feijão, feijão-caupi, mandioca, milho e trigo.
Outro diferencial é que, no Brasil, a unificação dos projetos científicos com alimentos biofortificados atende pelo nome de Rede BioFORT que, além do incentivo federal e de instituições de pesquisa, recebe suporte financeiro de organizações internacionais como Fundação Bill e Melinda Gates, Banco Mundial e HarvestPlus.
A Rede BioFORT tem obtido relevantes resultados nas regiões Nordeste, Sudeste e Sul do Brasil, onde já possui, aproximadamente, 18 mil produtores com acesso a pelo menos um desses cultivares. Liderada pela coordenadora do HarvestPlus América Latina e Caribe, Marília Nutti, também pesquisadora da Embrapa Agroindústria de Alimentos, a Rede BioFORT ainda alcançou o expressivo número de 120 Unidades Demonstrativas implantadas até o fim de 2015 nessas regiões, onde o material coletado é destinado à merenda escolar e para as famílias de produtores rurais dos municípios conveniados.
Fome oculta
A fome oculta atinge uma a cada três pessoas ao redor do Mundo. Segundo os últimos dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), 48% das crianças no mundo com menos de cinco anos de idade apresentam anemia (deficiência de ferro) e 30% possuem deficiência em vitamina A. No Brasil, os números também são altos, tendo 55% das crianças com menos de cinco anos de idade apresentando deficiência de ferro e 13% com deficiência em vitamina A.