Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Codoense desaparecido é encontrado morto na cidade de Pirapemas

08e4a6e7-c75e-41f3-822a-ceee5f53a974O  corpo do homem encontrado nesta segunda-feira (28/03), boiando no Rio Itapecuru, próximo a passagem do povoado Bagaceira, foi identificado na tarde desta terça-feira (29/03) pelo Instituto Médico Legal (IML), trata-se, de Francisco da Silva Ferreira, natural da cidade de Codó.QuickMemo+_2016-03-29-18-45-05-1
Segundo apurou a reportagem do Pirapemas.com, Francisco estava desaparecido desde quinta-feira (24/03) e vinha últimamente vinha sofrendo de transtormos mentais.
Informações colhida junto a família de Francisco, a identificação do corpo só foi possível devido a uma  platina que Francisco tinha na perna direita, colocada em um procedimento cirúrgico na cidade de Codó.

Município de Codó e Governo do Estado realizam ‘Dia D’ de combate ao Aedes aegypti

IMG_3544Na manhã desta terça-feira (29) o Município de Codó, em parceria com o Governo do Estado, realizou um ato simbólico para a conscientização e mobilização no combate ao mosquito Aedes Aegypti, que além do vírus da Dengue, transmite Zika vírus e febre Chikungunya, doenças graves que podem ser evitadas através da eliminação de criadouros do mosquito.

IMG_3563
A caminhada de mobilização reuniu diversos setores da sociedade. Na oportunidade estavam presentes o Secretário Municipal de Saúde, Ricardo Torres, a Secretária de Educação, Rosina Benvindo, o Presidente da Câmara Chiquinho do SAAE, o Gestor da Unidade Regional da Saúde em Codó, Ribamar Oliveira e o prefeito Zito Rolim, vereadores Pastor Max, Carrim Construções, Rodrigo Figueiredo e Pedro Belo, servidores públicos, estudantes, professores e diretores das redes municipal e estadual de ensino e escolas particulares de Codó.

Prefeito Zito e o secretário de Saúde Ricardo Torres

Prefeito Zito e o secretário de Saúde Ricardo Torres

Durante o trajeto, enfermeiras, agentes comunitários de saúde e de endemias também acompanharam a caminhada, alertando a população sobre a prevenção e informando sobre as doenças transmitidas pelo mosquito, através da distribuição de panfletos e apresentação de cartazes confeccionados pelos escolares. O DMTrans, Policia Militar e o Exercito Brasileiro garantiram a total segurança da população durante o ato, que foi encerrado na Praça Ferreira Bayma.DSC_0647
Município livre das doenças
O Secretário Municipal de Saúde, Ricardo Torres, parabenizou a participação dos estudantes e toda sociedade, que contribuíram para que o município de Codó fosse classificado como baixo índice de infestação e não registrasse casos de Zika Vírus e Chikungunya. “Ficamos realmente satisfeitos por Codó não registrar notificações e nem casos confirmados de Zika Vírus e Chikungunya e Dengue. Isso se deve a combinação esforços dos Agentes de Endemias, que já realizam o trabalho do combate ao mosquito, aos Agentes Comunitários de saúde, que entraram nessa luta e a nossa população, que está atenta as informações e tomam as devidas medidas preventivas em suas residências”.DSC_0619
O Gestor da Unidade Regional da Saúde em Codó, Ribamar Oliveira, destacou os esforços conjuntos entre o município de Codó e o Governo do Estado. “O fato de Codó ser um dos poucos municípios livres das doenças que o mosquito Aedes Aegypti transmite é temos pela frente. Os focos sempre vão existir, por isso todo esse trabalho tem que continuar. Vamos nos concentrar no trabalho pelos próximos sessenta ou noventa dias, quando em maio, no baixar das águas, possamos reduzir os riscos e termos um restante de ano tranquilo, livre das doenças. Deus está sendo generoso com nossa população e a parte de cada um está sendo feita, por isso não temos notificações ou confirmação laboratorial de nenhuma dessas doenças. Peço que a população continue fazendo sua parte e sejam bem receptivos a nossos agentes de endemias, agente comunitários de saúde e sigam todas as orientações e medidas preventivas”, finalizou o Prefeito.DSC_0658

Ligue 136 para maiores informações ou vá até a ouvidoria do SUS na secretária de Saúde de Codó .
Ascom PMC

DSC_0652

Jovem é executado com tiro na cabeça em Codó

IMG-20160329-WA0036Na tarde desta terça-feira, por volta das 14 horas, na Rua Edson Lobão, no famoso morro na televisão, que fica no bairro São Pedro, um menor de 15 anos de idade foi executado com um tiro na cabeça. O crime teria sido praticado por outros dois jovens que andam em moto e depois de executarem o menor tomaram rumo ignorado. O adolescente Jailton da Silva Teixeira, morador da Rua Padre Alteredo foi a vítima. De acordo com informações de moradores do bairro São Pedro e da própria polícia, o adolescente causava bastante atrito entre algumas pessoas nas imediações do bairro. A linha de investigação que a polícia está trabalhando é a de execução. Os motivos ainda não foram identificados.

Fonte: Blog do desá

Por aclamação, PMDB oficializa rompimento com governo Dilma

pmdb

O Diretório Nacional do PMDB decidiu nesta terça-feira (29), por aclamação, romper oficialmente com o governo da presidente Dilma Rousseff. Na reunião, a cúpula peemedebista também determinou que os seis ministros do partido e os filiados que ocupam outros postos no Executivo federal entreguem seus cargos.

O vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, não participou da reunião que oficializou a ruptura com o governo sob o argumento de que não desejava “influenciar” a decisão. No entanto, ele teve participação ativa na mobilização pelo desembarque do partido e passou toda a segunda-feira (28) em reuniões com parlamentares e ministros do PMDB em busca de uma decisão “unânime”.

Comandada pelo primeiro vice-presidente do PMDB, senador Romero Jucá (PMDB-RR), a reunião durou menos de cinco minutos. Após consultar simbolicamente os integrantes do partido, Jucá decretou o resultado da votação.

“A partir de hoje, nessa reunião histórica para o PMDB, o PMDB se retira da base do governo da presidente Dilma Rousseff e ninguém no país está autorizado a exercer qualquer cargo federal em nome do PMDB”, enfatizou.

A decisão do PMDB aumenta a crise política do governo e é vista como fator importante no processo de impeachment de Dilma. Há a expectativa de que, diante da saída do principal sócio do PT no governo federal, outros partidos da base aliada também desembarquem da gestão petista.

Atualmente, o PMDB detém a maior bancada na Câmara, com 68 deputados federais. O apoio ao governo, porém, nunca foi unânime dentro da sigla e as críticas contra Dilma se intensificaram com o acirramento da crise econômica e a deflagração do processo de afastamento da presidente da República.

Efeito dominó
Na reunião desta terça, os peemedebistas decidiram que os ministros da legenda que descumprirem a determinação de deixar o governo poderão sofrer sanções, como expulsão do partido.

Após a decisão do Diretório Nacional do PMDB, o G1 procurou as assessorias dos ministérios da Agricultura, da Aviação Civil, de Portos, de Ciência e Tecnologia, de Minas e Energia e da Saúde.

Por meio da assessoria, o Ministério da Saúde informou que Marcelo Castro permanecerá “por enquanto” tanto no cargo de ministro quanto no PMDB e aguardará os “próximos passos do partido”, como o prazo que será dado pela legenda para que os ocupantes de cargos no Executivo deixem as vagas.

Até esta segunda-feira, o PMDB ocupava sete cadeiras no primeiro escalão do governo Dilma. No entanto, Henrique Eduardo Alves, um dos peemedebistas mais próximos de Michel Temer, se antecipou à decisão da cúpula e entregou seu cargo a Dilma.

Dilma também lançou mão dos últimos esforços para tentar resgatar o apoio do partido. Na manhã de segunda, ela chamou ao seu gabinete no Palácio do Planalto seis dos sete ministros do PMDB para avaliar o cenário. No entanto, no fim do dia, Henrique Alves, um dos presentes ao encontro, apresentou a sua carta de renúncia.

Apesar do desembarque, Temer continuará na Vice-Presidência da República sob o argumento de que foi eleito pela população na chapa de Dilma e de que não ocupa, portanto, cargo de submissão à presidente.

Afastamento
A decisão de afastamento já estava tomada, mas o PMDB decidiu dar uma espécie de “aviso prévio” ao governo. Reunião da convenção nacional do PMDB no dia 12 de março foi marcada por discursos em defesa do impeachment de Dilma e do rompimento com o governo.

Na ocasião, ficou decidido que o partido anunciaria em 30 dias se desembarcaria ou não do governo. Também ficou estabelecido que o PMDB não assumiria novos ministérios até que o fosse definido se haveria o rompimento.

No entanto, dias depois, a presidente Dilma ignorou a decisão e empossou o deputado licenciado Mauro Lopes (PMDB-MG) como ministro da Secretaria de Aviação Civil. A nomeação foi vista como uma afronta pelo partido, que abriu um processo no seu Conselho de Ética para expulsá-lo da legenda. O episódio ajudou a agravar a crise e acelerou a decisão do partido.

Escalada da crise
A relação do PMDB com o governo do PT tem se deteriorado nos últimos anos. Quando Dilma se preparava para disputar o segundo mandato, o partido deu mostras claras de que estava rachado quanto ao apoio à petista.

Na época, em junho de 2014, a manutenção da aliança foi aprovada pela convenção nacional do PMDB, mas recebeu mais de 40,8% de votos contrários. A ala dissidente reclamava que o partido não era ouvido pelo governo federal e que os ministros da legenda não tinham real poder de comando.

Ao longo do primeiro ano do segundo mandato de Dilma, a crise se agravou. O primeiro embate entre PT e PMDB ocorreu na disputa pela presidência da Câmara, quando o governo federal iniciou uma campanha ostensiva para que Arlindo Chinaglia (PT-SP) vencesse a eleição e derrotasse o candidato peemedebista Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que se elegeu em primeiro turno.

Sob o comando Cunha, a Câmara derrotou o Planalto em diversas ocasiões neste ano, com a votação de matérias desfavoráveis ao governo. Além disso, no ano passado, houve na Casa a instalação da CPI da Petrobras, para investigar o escândalo de corrupção na estatal.

Para tentar conter a rebelião na base, a presidente promoveu, em 2015, uma reforma ministerial para ampliar o espaço do PMDB no governo, que chegou a ter sete ministérios. No entanto, a estratégia não foi bem sucedida.

Para agradar os parlamentares na Câmara, o governo entregou ao líder da bancada, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), a incumbência de indicar nomes para duas pastas, incluindo a da Saúde, com o maior orçamento da Esplanada. Essa aproximação descontentou ainda mais a ala rebelde do partido, que se voltou contra Picciani quando ele indicou integrantes menos críticos a Dilma para a comissão do impeachment.

Ele chegou a ser destituído do posto em dezembro por oito dias em uma articulação patrocinada diretamente por Temer e Cunha, mas conseguiu reaver o posto com o apoio da maioria.

Para ser reeleito neste ano, foi preciso uma atuação direta do Planalto para garantir a ele votos suficientes, inclusive com a exoneração temporária do ministro da Saúde, Marcelo Castro, para reassumir como deputado e votar a favor de Picciani.

Apesar da entrega de cargos, a ala do PMDB descontente com o governo ganhou força com a queda continuada de popularidade da presidente, agravada pela escalada de denúncias relacionadas à Operação Lava Jato.

Malafaia convoca mega-ato com ‘profecias’ sobre fim da corrupção após era PT

Um dos organizadores de ato profético, Malafaia promete "descer a marreta" no governo

Um dos organizadores de ato profético, Malafaia promete “descer a marreta” no governo

Presidente do Conselho de Pastores do Brasil, que reúne 10 mil líderes evangélicos, e seguido por mais de 2,5 milhões de perfis em diferentes redes sociais, o pastor Silas Malafaia prepara um “ato profético”, em Brasília, que deve reunir líderes de 85% da população evangélica brasileira e milhares de fiéis.

Previsto para coincidir com o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Congresso, o ato deve mobilizar caravanas de ônibus e promete revelar profecias, segundo o pastor, sobre o “fim da corrupção e da crise econômica” no Brasil.

“O ato profético é para declarar que a corrupção vai acabar, que toda a bandalheira vai ser exposta”, diz. Sobre a complexidade da promessa, Malafaia argumenta: “Quando Israel vivia períodos de crise, levantava um profeta que dizia que viriam tempos de paz e prosperidade. E aquilo tudo mudava. Então nós conhecemos esta prática.”

Apesar de prometer, pessoalmente, “descer a marreta” no governo, ele afirma que o ato é sobretudo religioso.”O problema do malandro é pensar que todo mundo é burro e só ele é esperto”, diz. “Seria uma afronta usar a minha religião para escorar minha ideologia política. Acho isso uma covardia.”

Leia os principais trechos da entrevista à BBC Brasil:

BBC Brasil – O senhor está convocando um “ato profético” em Brasília. Qual será a profecia?

Silas Malafaia – Vamos trazer líderes evangélicos para podermos orar para livrar o Brasil do caos, da desgraça social, desmascarar essa corrupção toda e termos dias de paz e prosperidade. Cada líder tem o direito de falar o que quiser: tanto pedir oração, quanto falar algo acerca do governo. Eu vou descer a marreta em cima destes caboclos. Mas o ato em si não é para ser a favor ou contra o governo.

Quem acompanha o senhor no Twitter sabe que não haverá lideranças pró-governo no ato.

Não, não vai ter. Conheço todos os caras que estão dando apoio. Não vai ter. Se tivesse algum, ia dar vaia. Eu conheço o que o povo evangélico defende.

Se ninguém defende o governo em um ato sobre o futuro do País, o argumento religioso não pode parecer apenas retórico? O que diria a quem acredita que o discurso religioso mascara o objetivo político do ato?

Deixa eu ser bem honesto com você. O ato é uma convocação para fazermos uma oração pelo Brasil. Por isso falamos um ato profético em favor do Brasil. Se algum pastor falar alguma coisa (sobre o governo), a responsabilidade é dele. Eu não falo pelos evangélicos porque não tenho procuração. Se o ato fosse meu, eu diria: ‘Vamos pedir a cabeça de Dilma’. Como não é meu, não posso falar que vai ser um ato exclusivo (contra o governo). Uns 70 a 80% dos pastores vão se ater só à questão espiritual, vão bater na tecla de orar pelo Brasil.

O que significa o termo profético?

Um ato profético é fazer declarações sobre o futuro de um País. Profecia é coisa que ainda vai se cumprir, correto? É algo que vai acontecer e que se antecipa. Nós vamos declarar que o Brasil vai ser próspero, vai ter paz e vai ficar livre da corrupção, da crise econômica. Isso tudo é profético.

Então sua profecia é que crise econômica e corrupção vão terminar junto com o governo.

Isso aí. É isso aí. É isso aí mesmo. O ato profético é para isso, é para declarar que a corrupção vai acabar, que toda a bandalheira vai ser exposta, que não vai ter derramamento de sangue, porque os ‘esquerdopatas’ têm o DNA da baderna, da desordem.

Não parece é difícil bancar uma profecia de fim da crise econômica e da corrupção, pastor?

Não é difícil, não, rapaz. Na Bíblia, em épocas em que Israel vivia períodos de crise e fome, levantava um profeta que dizia que viria um tempo de paz e prosperidade. E aquilo tudo mudava. Então nós conhecemos esta prática. Agora, eu, além de liberar a palavra profética, vou ‘sacudir a roseira’ sobre o que está acontecendo, não tenha dúvida.

Por que a data 11 de maio?

É muito difícil conseguir licença para a Esplanada dos Ministérios. Nós vamos montar uma estrutura violenta, não vai ser trio elétrico, não. Mas devo conseguir antecipar para o dia 27 de abril, quando o impeachment estará na beira, lá no Senado. Se for em maio também vale, mas queremos antecipar para chegar junto deste momento que estamos vivendo.

Um grupo de lideranças evangélicas em 25 Estados lançou um manifesto a favor do Estado Democrático de Direito e contra alguns procedimentos da Lava-Jato. Como avalia?

[gargalhada] Isso é o comunismo no Evangelho. A maioria destes caras, não todos, têm ONGs que mamam no governo. Não representam 1% dos evangélicos do país. Tem luteranos nisso aí, metodistas, presbiterianos… Eu conheço os caboclos, é tudo petista, meu chapa. Eu já disse: assino qualquer documento pelo afastamento de Cunha, Dilma e Renan. Não sou hipócrita.

O senhor, no ato profético, pretende reiterar o pedido afastamento de Cunha, Dilma e Renan?

Vou. [pausa] Aqui no meu ato vão estar líderes que representam 85% dos evangélicos do País. No Brasil, tem 55 milhões de evangélicos. Para tu ver. Estes outros são 1%.

O senhor prega dezenas de vezes ao dia pelo fim do governo, em redes sociais e cultos. Não haveria um conflito de interesses entre religião e política neste discurso?

O cristianismo é uma ideologia. Quem disse que a de Marx vale mais? Isso é uma falácia para impedir a manifestação das pessoas. O estado é laico, não tem religião, mas não é laicista, não é contra a religião. Quem falou que a política é laica? Ela representa os anseios e ideologias do povo, sejam eles ateístas, comunistas ou cristãos. Não se pode descartar crenças e valores de uma pessoa. Eu, quando falo, falo como cidadão e isso independe do meu cargo e função. Sou um cidadão brasileiro.

Com uma visibilidade bastante amplificada pelo trabalho de evangelizador.

Ah, aí, meu filho… Nenhum pastor pode dizer que a igreja evangélica é contra o governo. Eu não tenho nem autoridade para falar em nome da minha Igreja, porque dentro dela tem gente que gosta do governo. Seria uma afronta eu usar a minha religião para escorar minha ideologia política. Acho isso uma covardia. Mas eu acredito que 80% dos evangélicos são a favor do impeachment. Pelo que observo e ouço. Mas não posso dizer que são a favor.

O senhor separa religião e militância então?

Estou sendo bem franco. Querer enganar quem sabe é ser idiota. O problema do malandro é pensar que todo mundo é burro e só ele é esperto. Acho uma afronta pegar a igreja e botar neste balaio. Como eu tenho uma notoriedade minha palavra vai ter um peso. Veja o presidente da FIESP. Queria saber, se ele não fosse presidente, se ia ter alguma notoriedade quando abre a boca. Eu não tenho partido político.

As igrejas vão oferecer alguma estrutura para trazer fiéis para Brasília?

Por isso falo que não é um ato político. Como estou dizendo que é um ato profético, muitos pastores vão trazer membros para orar pelo Brasil.

Para este ato profético, vão trazer fiéis?

Acredito que muitos pastores vão mandar ônibus com gente de vários lugares do Brasil.

Mas o senhor critica CUT e MST por trazerem militantes para protestos.

Aqui, meu filho, é cada um por si. Eu não pago nada, não pago lanche, porcaria nenhuma.

Vereador Pastor Max pontua os avanços dos últimos oito anos na educação de Codó

maxNa sessão de ontem da câmara municipal, o vereador Pastor Max colocou em pauta o tema educação e iniciou suas palavras ressaltando o papel imprescindível do conhecimento na existência do cidadão e seus reflexos na vida em sociedade. “A educação pública é mais do que determinante na qualidade que se deseja obter em qualquer campo da nossa sociedade, ela é necessária para se combater à pobreza, à injustiça e à desigualdade; ela é necessária na formação de novos hábitos e valores; ela é necessária na construção de uma cidadania ativa e crítica; Ela é condição básica e direito fundamental de qualquer cidadão”. Afirmou.

Avanços na educação de Codó

O vereador pontuou os grandes avanços e as conquistas na educação do município durante a gestão Zito Rolim e o esforço praticado pelo governo municipal para que as mudanças estruturais e pedagógicas fossem possíveis. “A educação pública do município de Codó tem avançado significamente ao longo desses quase oito anos da gestão do prefeito Zito. Educação que antes era refém da ausência de políticas educacionais importantes, quando não se tinha essa visão transformadora e se observava o descaso, falta de compromisso e abandono. Na atual administração passamos por um período de grandes mudanças, como a que tem acontecido na Educação Infantil do nosso município”.

O edil destacou que nos últimos anos houve avanços na qualidade e no atendimento de crianças na pré-escola e creches, ampliando de forma importante o número de vagas e oferecendo a comunidade uma estrutura física e pedagógica de qualidade, com estruturas adequadas e que incluem: salas climatizadas, professores capacitados, equipe humanizada, profissionais de apoio, entre outras melhorias.  Alguns exemplo citados pelo vereador foram as pro-infâncias (CMEI) entregues as comunidades do Codó-Novo e do Km 17. “O Km 17 que se destaca por ser um distrito rural, mas que não deixou de receber a atenção e o compromisso do Prefeito Zito em oferecer não só para aquele distrito, mas para todas as famílias de comunidades circunvizinhas, a mesma estrutura ofertada para as crianças que residem na cidade, incluindo alimentação diferenciada e espaço humanizado

Muitas obras, reformas e ampliações

O parlamentar também lembrou que foram reformadas e ampliadas o Jardim Lucia Bayma, Gessy Araújo, Vera de Pádua, e outros estão em fase de conclusão, como a antiga creche Eliane Figueiredo, creche Santo Antônio, Priscila Reis, e Robson Rolim. “O CMEI Maria Luiza no Bairro São Vicente Pallotti foi construído para atender a demanda existente na região com qualidade. E ainda estão em fase de acabamento as Pro-infâncias do Bairro São Vicente Pallotti e Vila fomento, com o mesmo padrão das demais e que em breve serão entregues as suas respectivas comunidades”.

Max concluiu reforçando que outras reformas e ampliações estão em andamento, e que o governo, através da Secretaria de educação, montou bibliotecas infantis nos Pró-infância, entregou gratuitamente fardamento para os alunos da educação infantil, adquiriu e entregou livros de educação infantil, parquinhos e brinquedos para os CMEIs, demonstrado o compromisso que tem em oferecer uma educação pública de qualidade, começando por uma base bem estruturada na qual exige a educação infantil. “Ainda há muito que fazer, é claro que há, e a consolidação desses desafios levará bem mais que oito anos, principalmente a qualidade que tanto desejamos e buscamos, que exigirá dos próximos governantes muito mais do que a continuidade desse trabalho, mas a coragem, a ousadia e a liderança para começar a fazer como o Prefeito Zito tem feito”.

Ascom

Sequestro de avião termina no Chipre após sete horas de negociação

Um homem saiu pela janela do cockpit do Airbus A320 da Egyptair Airbus, no aeroporto de Larnaca, no Chipre, na manhã desta terça-feira (29) (Foto: Yiannis Kourtoglou/ Reuters)

Um homem saiu pela janela do cockpit do Airbus A320 da Egyptair Airbus, no aeroporto de Larnaca, no Chipre, na manhã desta terça-feira (29) (Foto: Yiannis Kourtoglou/ Reuters)

O ministro das relações exteriores do Chipre anunciou, por volta das 8h45 (horário de Brasília), que o sequestro do avião da aérea egípcia Egyptair terminou após cerca de sete horas de negociações. A aeronave, que faria a rota Alexandria/Cairo, no Egito, foi sequestrada nesta madrugada por um homem que estaria com um cinturão de explosivos amarrado ao corpo.

Segundo o ministério da aviação civil do Egito, as autoridades cipriotas destacaram que o suposto cinto com explosivos usado pelo sequestrador era falso.

O sequestrador era “psicologicamente instável”, afirmou o secretário da chancelaria cipriota, Alexandros Zenon. “Nada disso tem a ver com terrorismo. É a ação individual de uma pessoa psicologicamente instável” afirmou. O presidente cipriota já tinha descartada qualquer relação com o terrorismo.

Polícia monta guarda no Aeroporto de Larnaca, no Chipre, e observa o avião A320 da Egyptair sequestrado (Foto: Yiannis Kourtoglou / Reuters)

Polícia monta guarda no Aeroporto de Larnaca, no Chipre, e observa o avião A320 da Egyptair sequestrado (Foto: Yiannis Kourtoglou / Reuters)

A aeronave, um Airbus A320, decolou do Aeroporto Burg al Arab, em Alexandria, foi desviado de sua rota por volta de 8h30 (horário local) e pousou no Aeroporto de Larnaca, no Chipre, 20 minutos após o comandante Omar Yamal avisar a torre de controle cipriota.

O avião ficou estacionado em uma área isolada e foi observado de longe por policiais enquanto aconteciam as negociações, que começaram logo após a aterrissagem da aeronave.
Os passageiros e a tripulação foram liberados aos poucos. Sete horas depois do pouso, o sequestrador deixou a aeronave com as mãos para cima e foi preso.

O Ministério de Negócios Estrangeiros do Chipre informou que o sequestrador se chama Seif Eldin Mustafa, mas não deu mais detalhes, segundo a Reuters. O presidente cipriota descartou que a ação esteja relacionada a terrorismo, segundo a France Presse.
A Egyptair confirmou que 81 pessoas estavam a bordo do Airbus, contando com os integrantes da tripulação. Ao menos 21 estrangeiros de oito nacionalidades viajavam no avião: oito norte-americanos, quatro holandeses, quatro britânicos, dois belgas, um francês, um sírio e um italiano.

Informações desencontradas
As motivações do sequestro ainda não estão claras. Uma rádio local noticiou que o homem teria pedido asilo ao Chipre. Duas emissoras cipriotas relataram que o sequestrador tinha deixado cair uma carta no aeroporto de Larnaca, na qual que parecia exigir a libertação de prisioneiros no Egito.

A Reuters chegou a informar no início da manhã que sequestrador era um cidadão egípcio chamado Ibrahim Samaha e que sua mulher, cujo nome não foi divulgado, viveria no Chipre.

As agências de notícias especulam que o homem disse ter bombas ao corpo, mas as autoridades não confirmaram a informação.

A polícia local está em alerta e o ministro cipriota da Ordem Pública, Ionas Nikolaou, foi chamado para uma reunião de emergência.

Por conta do sequestro, o Chipre fechou o Aeroporto de Larnaca. Os voos foram desviados para outros complexos.

Fonte: G1

Fiscalização apreende Mero na área de Proteção Ambiental das Reentrâncias Maranhenses

1459194391603A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA) encerra amanhã (29), a operação iniciada no último dia 24, com a finalidade de proteger os períodos de defeso do pescado, na Área de Proteção Ambiental (APA) das Reentrâncias Maranhenses, localizada no litoral ocidental do estado. A fiscalização tem como objetivo combater a pesca, transporte e comércio irregular e ilegal do caranguejo-uçá (Ucides cordatus) durante seu último
período do defeso no ano de 2016, além de outras atividades identificadas como irregulares ou ilícitas.
A equipe de fiscalização da SEMA apreendeu em Cururupu, exemplares juvenis do peixe Mero (Epinephelus itajara) e autuou em flagrante os responsáveis pela captura, que estavam vendendo o peixe em uma feira, junto com outras espécies permitidas. A situação será levada a conhecimento do Ministério Público do Estado e os autuados responderão criminalmente por comercializar uma espécie ameaçada de extinção em Unidade de Conservação. A espécie foi capturada no município de Cururupu, que faz parte da APA das Reentrâncias Maranhenses, região caracterizada por elevada produtividade pesqueira, devido à presença de baías, enseadas, estuários e manguezais.
A APA das Reentrâncias é muito importante para o ciclo de vida de diversas espécies marinhas, como o Mero (E. itajara). A vegetação de manguezal na interface com a água do estuário e vegetação típica deste ecossistema é um ambiente propício para o desenvolvimento da espécie. As raízes dos manguezais são locais adequados para os juvenis e para outros peixes e crustáceos se protegerem nas fases iniciais da vida.
Recifes de Corais também são ambientes marinhos habitados pelos meros, e neste sentido o Parque Estadual Marinho do Parcel de Manoel Luís, um dos maiores bancos de corais da América do Sul, também se constitui em local de ocorrência da espécie no estado.1459194417105
Orientações aos pescadores – No dia 06 de outubro de 2015, foi publicada pelos Ministérios da Pesca e Aquicultura – MPA e do Meio Ambiente – MMA, a Portaria Interministerial Nº 13 (02/10/15) que prorroga a proibição da pesca do mero (E. itajara) por um período de oito anos em águas jurisdicionais brasileiras, bem como o desembarque, armazenamento, transporte e a comercialização desta espécie em todo o território nacional.
Os meros capturados incidentalmente devem ser devolvidos inteiros ao mar, vivos ou mortos, no momento do recolhimento do aparelho de pesca. Os indivíduos capturados e devolvidos ao mar deverão ser registrados nos Mapas de Bordo (INI Nº 26 de 19/07/05). Além disso, as penalidades: Pescar, transportar ou comercializar produto de pesca proibida é passível de detenção de um a três anos, multaque pode chegar a R$ 100 mil, além do acréscimo de R$ 20 por quilo ou fração do produto da pesca, ou ambas as penas cumulativas (Lei Nº 9.605 de 12/02/1998 e Decreto Nº 6.514 de 22/07/08), e ainda cancelamento de cadastro, autorizações, inscrições, licenças, permissões ou registros da atividade pesqueira (INI Nº 13 de 16/10/12).
O Mero – Por anos, o mero (E. itajara) vem recebendo atenção de pesquisadores em todo o oceano Atlântico em função do declínio de suas populações. Classificado como criticamente ameaçado na lista da IUCN e na lista nacional de espécies da fauna ameaçadas de 2014. O mero é um peixe dócil, apesar de imponente: habita zonas de manguezais, costões rochosos, recifes de coral e parcéis, pode viver até 40 anos, atinge mais de 2 m de comprimento e chega a pesar quase 500 kg. Por permitir a aproximação e o contato com humanos, a espécie é admirada por mergulhadores, mas se tornou alvo de cobiça da pesca predatória, sendo a interferência humana a principal razão da sua ameaça de extinção.
Equipe de Fiscalização da SEMA foi integrada por Rafaela Brito e Nivea Silva (oceanógrafas), Shirley Leão (engenheira de pesca), Janaína Dantas (bióloga) superintendente de Biodiversidade e Áreas Protegidas da SEMA, Nilma Cunha (fiscal ambiental),  guardas do Batalhão da Polícia Ambiental(BPA) e agente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA.

Rejeição popular faz prefeito de Timbiras ter título de cidadania barrado na Câmara

Prefeito-Carlos-Fabrízio-Araújo-e1459196644530prefeito de Timbiras, Carlos Fabrízio Araújo, ficou só na vontade de receber o titulo de cidadão Timbirense. A indicação feita por vereadores aliados foi engavetada na semana passada pela Câmara Municipal.
O gestor, que conta com alta rejeição popular e tem tido uma passagem desastrosa na cidade, não apresenta qualquer motivo para receber um título tão importante como esse.
Para o vereador oposicionista, Josimar Magalhães, conceder o titulo de cidadão ao gestor iria contra tudo que ele deixou de realizar pela população do município.
“Então, aqui hoje mais uma derrota para o prefeito que não recebeu o título de cidadão timbirense e nem vai receber porque nós vereadores de oposição não vamos dá título de cidadão timbirense, porque ele não é um cidadão timbirense, ele é um forasteiro, não mora em Timbiras, maltrata o povo, não faz as coisas”, ressaltou o vereador.

Grupo empresarial esta desrrespeitando lêis trabalhistas em Codó

Pedestres perderam seu espaço na calçada tendo que andar no meio da rua

Pedestres perderam seu espaço na calçada tendo que andar no meio da rua


Como todos sabem, o Grupo FC Oliveira comprou os Postos de Combustíveis em Codó que pertenciam ao empresário Júlio Alencar, após a compra começaram as reformas com adequações e padronização em relação aos já existentes. O que poucos sabem é que estas reformas, precisam obedecer uma série de exigências de vários órgãos, porém, o Blog do Bezerra constatou algumas irregularidades que notadamente estão visíveis para a sociedade.
Modelo de isolamento de obra

Modelo de isolamento de obra


Primeiramente, o Posto localizado na Avenida Cristóvão Colombo, no Bairro São José, está sendo reformado há pelo menos vinte dias e por conta da complexidade da obra e a localização, não foram cumpridas algumas normas técnicas de padronização e isolamento do local, haja visto que se trata de uma avenida de grande movimentação de veículos e pedestres, com vários obstáculos que podem a qualquer momento causar acidentes estão.
Outra irregularidade constatada é a ausência da “Placa de Identificação da Obra”, onde deveria estar exposta para o público, em local de fácil visibilidade, constando nome do Arquiteto, Natureza da Obra, etc.

Todas as obras que tiverem seus projetos ou execução de responsabilidade de um arquiteto urbanista devem ter à mostra a chamada “placa de obra”, conforme indica a Lei 12.378. A ausência de identificação caracteriza falta ético-disciplinar, prevista no Código de Ética e Disciplina de Arquitetos e Urbanistado CAU/BR, em vigor desde 2013.
O arquiteto urbanista, autor de projetoou responsável pela execução de serviço ou obra, deve manter informação pública e visível, à frente da edificação objeto da atividade realizada.
As informações que devem constar, obrigatoriamente, são:

  • Nome civil ou razão social do(s) autor(es) e executante(s) do serviço, completo ou abreviado, ou pseudônimo ou nome fantasia, a critério do profissional ou da sociedade de prestação de serviços de Arquitetura e Urbanismo, conforme o caso;
  • O número de registro no CAU;
  •  As atividades desenvolvidas.

O setor de fiscalização do CAU recomenda que sejam inseridas também informações como:  nº do(s) RRT(s), oendereço da obra e também que seja deixado espaço para inserção dos selos dos órgãos fiscalizatórios.
Todos os profissionais que constarem na “placa de obra” devem efetuar o devido RRT. Caso não sejam especificados diferentes níveis de responsabilidade, identificando, por exemplo, qual profissional foi responsável pelo projeto e qual foi responsável pela execução, serão considerados indistintamente coautores e corresponsáveis.
O Código de Ética e Disciplina do CAU/BR define a obrigação de informação  como de interesse público, devendo ser utilizada por todos os arquitetos urbanistas. Veja o excerto do Código:

2.2. Regras:
(…)
2.2.8. O arquiteto e urbanista, autor de projeto ou responsável pela execução de serviço ou obra, deve manter informação pública e visível, à frente da edificação objeto da atividade realizada, conforme o especificado no art. 14 da Lei n° 12.378, de 2010.

Lembre-se: a “placa de obra” é obrigatória e deve estar visível, com os dados exigidos por lei.
Segue abaixo a resolução que trata do assunto:
RESOLUÇÃO Nº 250, DE 16 DEZ 1977
Regula o tipo e uso de placas de identificação de exercício profissional em obras, instalações e serviços de Engenharia, Arquitetura e Agronomia.
O Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, no uso das atribuições que lhe confere alínea “f” artigo 27 da Lei 5.194, de 24 de dezembro de 1966;
Considerando que o artigo 16 da citada Lei estabelece a obrigatoriedade da colocação e manutenção de placas em obras, instalações e serviços de Engenharia, Arquitetura e Agronomia;
Considerando que se torna necessário definir o objetivo das placas, disciplinar seu uso, fixa suas dimensões e especificar seu conteúdo.
R E S O L V E:
Art. 1o – As placas a que se refere o artigo 16 da Lei no. 5.194, de 24 de dezembro de 1966, têm por finalidade a identificação do exercício profissional das pessoas físicas e jurídicas nas obras, instalações e serviços de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, públicos ou privados, com vistas à sua fiscalização.
Art. 2o – As placas de identificação do exercício profissional, deverão, obrigatoriamente, permanecer na obra, instalação ou serviço, enquanto durar a atividade técnica correspondente.
Art. 3o – As placas, perfeitamente visíveis e legíveis ao público, deverão ter área mínima igual a 1,00m² .
Art. 4o – As placas de identificação do exercício deverão conter, obrigatoriamente, os seguintes elementos indicativos:
I- nome do autor ou co-autores do projeto ou projetos, de acordo com o seu registro no Conselho Regional;
II- nome do responsável ou responsáveis técnicos pela execução da obra, instalação ou serviço, de acordo com o seu registro no Conselho Regional;
III- atividades específicas pelas quais o profissional ou profissionais são responsáveis;
IV- título, número da carteira profissional e região do registro dos profissionais;
V- nome da empresa executora da obra, instalação ou serviço, se houver, de acordo com o seu registro no Conselho Regional.
Parágrafo único – Quando o mesmo profissional participar como autor do projeto ou projetos e executor da obra, instalação ou serviço, o seu nome poderá ser inscrito uma só vez, desde que indicadas as responsabilidades a seu cargo.
Art. 5o – O nome da empresa que participar da obra, instalação ou serviço, não poderá constar da placa de identificação do exercício profissional em maior destaque que o conferido aos autores do projeto ou responsáveis técnicos pela execução, tanto pelo tipo, quanto pela cor e tamanho das letras que a placa contiver.
Art. 6o – O fornecimento das placas é da obrigação dos profissionais que participem do projeto e da execução da obra, instalação ou serviço, cabendo a colocação e conservação das mesmas ao responsável técnico pela execução.
Art. 7o – As obras, instalações e serviços iniciados até a data de vigência da presente Resolução poderão manter as atuais placas de identificação do exercício profissional.
Art. 8o – Outras placas, eventualmente afixadas em obra, instalação ou serviço e não enquadradas no disposto nesta Resolução, não serão consideradas como atendendo às suas exigências e finalidades.
Art. 9o – Por infração à presente Resolução, aplica-se o disposto no art. 73, alínea “a” da Lei 5.194/66.
Art. 10 – A presente Resolução entrará em vigor 120 (cento e vinte) dias contados da data de sua publicação.
Art. 11 – Ficam revogadas a Resolução nº 198 e demais disposições em contrário, a partir da vigência da presente Resolução.
Brasília, 16 de dezembro de 1977.
Arq. IVAN DA SILVA BRITTO Eng. Arq. MANOEL JOSÉ MAIA DA COSTA
1o. Vice – Presidente 2o. Secretário
Informações extraídas do CONFEA – Conselho Federal de Engenharia e Agronomia
Fonte: Blog do Bezerra