Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Codó será a primeira cidade do interior a receber o Campeonato Brasileiro de Handebol Júnior

IMG-20160410-WA0012Os praticantes de handebol e amantes do esporte em Codó já podem começar a comemorar. Entre os dias 03 e 09 de maio acontecerá no município o Campeonato Brasileiro de Handebol, categoria júnior. O campeonato, que só é realizado em capitais, terá como palco a cidade de Codó, localizada no interior do Estado do Maranhão. Será a primeira vez que uma cidade do interior receberá este evento esportivo.

Márcio Esmero,Professor Edmilson,Pastor Max e Pastor Carlos

Márcio Esmero,Professor Edmilson,Pastor Max e Pastor Carlos


Contando com desportistas entre 20 a 22 anos de idade e delegações representando vários estados do país, o campeonato Brasileiro de Handebol Júnior será realizado no Ginásio Carlos Fernando. O presidente da Confederação de Handebol do Piauí, professor Edmilson, visitou a cidade no domingo (10), para vistoriar as instalações do ginásio e os hotéis que servirão de acomodações para equipes do Maranhão, Santa Catarina, São Paulo, Amapá, Pernambuco e Rio de Janeiro.
As equipes que já confirmaram participação são o Holanda/CHC, de Codó-MA, Uni Vale, de Balneário Camburiú – SC, Itajaí-SC, Vergus/Guarulhos-SP, C.R. Flamengo-RJ, Unioeste-AP, São Luís-MA e Português-PE.
Conquista da comissão organizadora
Com a realização do Campeonato Brasileiro de Handebol Júnior em uma cidade do interior pela primeira vez, o município de Codó entra para a história por receber evento desportivo de envergadura nacional, o que reflete o trabalho diligente e a competência de sua comissão organizadora, formada pelo presidente da equipe de handebol Holanda CHC, de Codó, Márcio Esmero, o Secretário Municipal de Esporte e Lazer, Argemiro Filho, o Secretário Municipal de Juventude, Pastor Carlos, a Secretária Municipal de Educação, Rosina Benvindo, o Vereador Pastor Max e Vereador Chiquinho do Saae.
A comissão organizadora celebrou a conquista de sediar Campeonato Brasileiro de Handebol Júnior e agora pensa em transformar Codó em palco constante de eventos. O próximo objetivo é conseguir trazer para Codó a Copa Brasil de handebol. A redação do Codó Notícias parabeniza a comissão e a todos os desportistas de handebol, entusiastas do esporte e a população codoense pela grande conquista.
Veja mais detalhes do site oficial da ConfederaçãoBrasileira aqui
Da redação do Codó Notícias

Viúvas da migração: Como vivem as familias vitimas da escravidão em Codó

Maranhao-4300-800x548

As crianças da casa, que estão em parte na foto, sobrevivem com o que as mães recebem do Bolsa Família. Foto: Lilo Clareto/Repórter Brasil


Em um dos municípios brasileiros de onde mais migram trabalhadores que serão vítimas de trabalho escravo, esposas cuidam sozinhas de seus filhos, que ficam meses ou anos sem ver o pai

A pobreza extrema e falta de perspectiva de empregos em Codó, um município com 118 mil habitantes no Maranhão, leva semanalmente dezenas de trabalhadores a deixar suas casas e cruzar o país em busca de trabalho. Quem fica são as mulheres – esposas e irmãs dos migrantes –, que cuidam sozinhas, por meses ou anos, dos filhos que ficam para trás. Como o dinheiro enviado pelos homens para casa é pouco, o principal meio de sobrevivência destas famílias é o Bolsa Família, que alcança dois terços das 27 mil famílias do município.

Maranhao-4066-800x501

“Um dia tem só arroz, outro dia não tem nada pra comer. A vida aqui é dura demais”, lamenta Andreia Pires da Conceição, que vive em uma pequena casa na periferia de Codó. O pai de cinco dos seus seis filhos mudou-se para São Paulo em busca de emprego e acabou ficando. Depois que o casal se separou, ele só entra em contato por telefone e não envia dinheiro para os filhos.

Na casa de Andreia, hoje, são 17 pessoas que compartilham o espaço de seis cômodos e dependem do Bolsa Família que ela, sua cunhada e sua mãe recebem por manter as crianças na escola. Além da frequência escolar, a renda mensal também é critério no programa federal e não pode ultrapassar os R$154 por pessoa da família.

Alcançando dois terços das famílias de Codó, Bolsa Família é o principal meio de sobrevivência do município, que carece de oportunidades de trabalho

Além do Bolsa Família e do arroz plantado pelo pai de Andreia, a renda em casa é complementada pelo que dois dos três irmãos de Andreia, que estão no interior do Mato Grosso, conseguem mandar. Eles trabalham descarregando caminhões de soja, em jornada exaustiva que começa ao meio-dia e às vezes termina só depois das 23h, segundo contam à mãe, Tereza, de 57 anos.

Mas nem sempre o dinheiro chega. Não é todo mês que os irmãos conseguem guardar parte do salário para enviar a Tereza, Andreia e as crianças.

Além da soja, é principalmente na construção civil e na cana-de-açúcar que os migrantes acabam encontrando trabalho. É entre migrantes empregados nestes setores que está a maior parte das 413 vítimas de trabalho escravo resgatadas em todo o país entre 2003 e 2014 que eram de Codó – um dos maiores polos de saída de migrantes do país. Dos libertados, apenas 14 eram mulheres, de acordo com dados da Comissão Pastoral da Terra. A proporção reflete uma tendência de todo o país: na maioria, os homens trabalham fora, enquanto as mulheres cuidam da casa e das crianças.

Dos 413 resgatados da escravidão em todo o país que são de Codó, 14 eram mulheres. Enquanto os homens trabalham fora, as mulheres cuidam da casa e das crianças

As longas viagens feitas por estes trabalhadores deixa saudade aos que ficam e reduzem a rede de proteção dos que vão. No caso de Tereza, a mãe de Andreia, o contato com os filhos que partiram para o Mato Grosso é difícil. Valdivino, um dos rapazes, não dá notícias desde dezembro de 2015, quando teve seu celular roubado. “Ele ficou só, enquanto os companheiros vieram tudinho. Depois que os outros vieram foi que a gente teve notícia que ele tá lá, trabalhando. Faz mais de três meses que nós conversamos com ele da última vez”, conta Tereza.

A casa de Andreia e Tereza fica em Codó Novo, um dos bairros mais vulneráveis da cidade, em que o esgoto atravessa a céu aberto as ruas de barro. Antes de migrar para o bairro periférico, a família vivia na zona rural, onde o cultivo da terra garantia um mínimo de comida na mesa. Mas a família foi expulsa por um latifundiário e, por R$50 por mês, alugam hoje a casa onde estão há três anos. “Estamos nesse bairro porque não temos casa em lugar nenhum”, diz Tereza.

Apesar da expulsão do local onde moravam, José Rocha, pai de Andreia, caçou um pequeno pedaço chão a 60 quilômetros de casa, onde cultiva o arroz que garante o sustento mínimo da família. Flávia Moura, pesquisadora da Universidade Federal do Maranhão e autora da dissertação de mestrado “Escravos da Precisão: economia familiar e estratégias de sobrevivência de trabalhadores rurais em Codó”, explica que a população de Codó, apesar de estar em uma cidade grande, é composta por trabalhadores muito atrelados à terra: “Por mais que tenha havido uma predominância do latifúndio, os trabalhadores insistem em manter a roça de subsistência. A migração é muito mais estratégica porque não circula dinheiro na cidade. Há só algumas pequenas empresas na cidade, mas elas não seguram a economia”.

O bairro de Andreia é um dos que mais recebe novas famílias, as quais são forçadas a sair da zona rural para a cidade e que, sem mais espaço para a agricultura de subsistência, veem seus homens viajando para garantir a sobrevivência com o dinheiro que sobrar. No município, de acordo com o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, a população em área urbana subiu de 56% para 68% entre 1991 e 2010, apesar de um crescimento populacional de 0,86% no período. O dado mostra que, com uma população quase estagnada, o aumento de pessoas na cidade vem principalmente da migração de famílias do campo.

São estas novas famílias da cidade que mais concentram os migrantes de Codó que serão escravizados pelo Brasil. Cerca de um terço dos 413 trabalhadores resgatados que eram do município declararam aos fiscais Ministério do Trabalho e Emprego residirem em Codó Novo ou em Santa Teresinha, um bairro vizinho.

Bairros vulneráveis

Endereços de origem dos resgatados da escravidão de Codó mostram que um terço saiu da vizinhança de Andreia

Mapa de calor feito a partir do levantamento de endereços declarados pelos resgatados da escravidão entre 2003 e 2014 que eram de Codó (MA)

Quando viviam na zona rural, o pai de Andreia trabalhava com a ajuda dos filhos e netos cultivando a terra e fazendo crescer os alimentos que sustentariam a família pelo ano. Já Andreia e Tereza, além de cuidar da casa, se ocupavam da retirada dos cocos de babaçu, presentes nas terras de toda a região de Codó. Com o fruto, elas faziam azeite e carvão. A atividade é tradicional para as mulheres do campo desta parte do Maranhão, que costumam usar os produtos do babaçu em casa ou vendê-los na cidade, complementando a renda da família.
Esta reportagem foi realizada com o apoio da DGB Bildungswerk

SEMED promove Formação Inicial para profissionais do programa Brasil

IMG_20160409_064704Alfabetizado em Codó Entre os dias 6 e 9 de abril a Prefeitura Municipal de Codó, por meio da Secretaria Municipal de Educação e o Núcleo de Alfabetização e Acesso a Educação de Jovens e Adultos – NAAEJA realizou a formação inicial para professores alfabetizadores e Supervisores que compõe as turmas do PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO (PBA) no município. O encontro aconteceu na Escola Estevam Ângelo de Sousa. A Formação Inicial atende a alfabetizadores e coordenadores de turma, para apresentar orientações metodológicas do trabalho que será desenvolvido no Programa em 2016, quando pessoas serão inseridas no processo de alfabetização no município de Codó. Durante a formação, que tem duração de 40 horas, os alfabetizadores e coordenadores farão atividades diversificadas como oficinas, palestras, grupo de estudos e troca de experiências. Para entender mais Programa Brasil Alfabetizado – Promovido pelo Ministério da Educação (MEC) desde 2003, é voltado para a alfabetização de jovens, adultos e idosos, e serve como uma porta de acesso à cidadania e o despertar do interesse pela elevação da escolaridade. O Brasil Alfabetizado alcança todo o país, mas prioriza municípios que apresentam alta taxa de analfabetismo, sendo 90% destes localizados na região Nordeste. Esses municípios recebem apoio técnico na implementação das ações do programa. Ascom – PMC

Parceria SENAR-Prefeitura inicia assistência técnica e capacitação para crédito rural orientado em Codó

IMG_20160408_151953Na manhã desta sexta-feira (8) aconteceu no auditório da Escola Modelo Remy Archer, em Codó, o encontro de produtores e técnicos ligados ao setor agropecuário para as capacitações do projeto ABC Cerrado e orientações para crédito rural orientado. O evento foi promovido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) e prefeitura Municipal de Codó.
Os cursos são gratuitos e o participante poderá escolher uma das quatro tecnologias sustentáveis de produção para ser capacitado: recuperação de pastagens degradadas, integração lavoura-pecuária-floresta, sistema plantio direto e florestas plantadas. Em Codó, o foco das palestras foi direcionado para o setor pecuário. De acordo Com o secretário Municipal de Agricultura, Cordeiro Oliveira, há 30 anos o município de Codó não tinha essa oportunidade.
“Essa é uma capacitação técnica para os nossos produtores, criadores de gado de corte em especial, a partir de 50 hectares e que já tenham uma pequena criação. Vamos falar sobre a elaboração de projetos para a cadeia produtiva, disponibilizando técnicos para acompanhar esses produtores em melhorias técnicas como inseminação artificial, elaboração de projetos de crédito em longo prazo, ocupação de pastagem, melhoria de alimentação do gado, tratamento sanitário do rebanho. Nossos criadores não tinham uma oportunidade como esta há trinta anos”.
Projeto ABC Cerrado
Ação conjunta do SENAR, do Ministério da Agricultura e da Embrapa, o Projeto ABC Cerrado difunde e incentiva a adoção de práticas sustentáveis para a redução das emissões de gases de efeito estufa e sensibiliza o produtor para que ele invista na sua propriedade para impulsionar produtividade e renda, mantendo o meio ambiente preservado. O SENAR é responsável pela formação profissional dos produtores nas tecnologias e pela assistência técnica e gerencial de propriedades rurais, com recursos do Programa de Investimentos em Florestas (FIP, sigla em inglês) – administrados pelo Banco Mundial, que doou US$ 10,6 milhões para a execução do projeto.
Para o palestrante Figueiredo, superintendente do SENAR, a capacitação é a porta de entrada dos produtores rurais no Projeto. “O ABC Cerrado fornece ainda de forma gratuita ao produtor, assistência técnica e gerencial. Nós estamos aqui para mais uma atividade do sistema FAEMA/SENAR criar um ambiente favorável para as ações de assistência técnica que serão desenvolvidas. Vamos disponibilizar ao produtor a oportunidade de realizar pleitos de crédito orientado, onde o SENAR faz o projeto e presta a assistência técnica ao produtor, pra isso estamos fechando parceria com Banco do Brasil, BN, BASA e Caixa Econômica Federal, para que o produtor possa para que ele possa fazer com desenvoltura os níveis de produtividade e o gerenciamento da propriedade como um todo”.
Ascom – PMC

Codó completa 120 anos dia 16 de Abril veja o vídeo em comemoração

codo120Codó dia 16 de Abril irá completar 120 anos de emancipação política, parabéns a esse povo hospitaleiro e de bom coração eu amo Codó terra boa pra se morar.
112 anos em 8 anos foi o que fez o Prefeito Zito em Codó revolucionou a administração publica mostrou como ser um administrador sem ter que perseguir A ou B isso é o diferencial do prefeito Zito Rolim.
Veja o Video

Ricardo Torres deixa secretaria de saude e Larissa Barros assume

Foto tirada no momento em que Larissa é oficializada

Foto tirada no momento em que Larissa é oficializada


Dr.Ricardo Torres usou ontem o grupo watzap Codó Notícias para confirmar sua saída da frente da pasta da secretária de Saúde.
O advogado  Ricardo Torres está entre os secretários do governo Zito Rolim que deixaram o cargo por causa do prazo limite para desincompatibilização, é quando aqueles que ocupam cargos públicos precisam deixar a função para poder ficar elegível nas eleições vindouras, no caso o pleito de outubro deste ano.
Ricardo Torres assumiu a secretária de saúde em abril 2014 quando o então secretário de saúde na época o Dr Cláudio Paz teve que se afastar para concorrer uma vaga na assembleia legislativa.
Larissa ja está na secretária de saúde desde a passagem do ex secretário de saúde Dr Cláudio Paz na qua exercia o cargo de secretária adjunta até sexta feira passada na qual passou a execer agora o cargo maior agora de secretária de saúde e que está de parabéns mais uma vez o Prefeito Zito pela brilhante escolha .

Trabalho inovador busca combater a Tuberculose entre os presos de Codó

Priscila Teixeira fez palestra sobre a doença antes das consultas

Priscila Teixeira fez palestra sobre a doença antes das consultas


A enfermeira Priscila Teixeira,  que faz parte da equipe de saúde do Centro de Ressocialização Regional de Codó, explicou  que a população carcerária é uma das mais vulneráveis à Tuberculose. O risco em ambientes assim chega à ser 32% maior.
“Por que é 32% maior, porque são pessoas que ficam em locais sem iluminação, sem ventilação ou com pouca ventilação, local fechado, restrito, onde essas bactérias ficam expostas pelo ar e quem tá contaminado vai contaminando as pessoas que estão ditas sadias”, disse
Por conta dessa possibilidade maior uma ação de saúde quis saber quantos dos 105 detentos da unidade prisional de Codó, localizada no bairro São Pedro,  possuem a doença. Na primeira etapa desse serviço 50 passaram por uma avaliação médica.
A médica Paula Câmara consultou um por um ouvindo detalhadamente seus relatos e possíveis sintomas.
“Alguns têm sintomas bastante característicos, então, tosse prolongada, tosse seca, normalmente, por mais de 3 semanas, perca de peso, fraqueza e, as vezes, falta de ar e dor dorássica, então, hoje, em particular, alguns pacientes já referiram, uma parcela considerável”, considerouIMG-20160330-WA0025
Os casos suspeitos contaram com o auxílio de outra equipe da rede municipal de saúde que cuida, exclusivamente, de casos de Tuberculose, sob o comando do enfermeiro Luciano Gonçalves.
“Encaminhamos alguns que eles vão fazer o raio X, porque isso é um diagnóstico complementar, e também estamos fazendo o escarro, onde a gente tá coletando o escarro de todos os suspeitos e a gente vai encaminhar pro laboratório”, explicou
Depois que sair o resultado, quem for diagnosticado com tuberculose receberá toda a medicação necessária para curar a doença.
Por Acelio trindade

TV Palmeira do Norte (BAND Codó) comemora um ano de sucesso do Programa do Povo

IMG_20160403_223810A TV Palmeira do Norte está com motivos de sobra para comemorar. Em pouco mais de um ano, a filiada da Band em Codó investiu em melhorias técnicas, equipamentos e material humano para alcançar seu lugar de destaque na mídia codoense. O resultado? A mais completa e variada grade de programação local dentre as TVs da região, que conta com uma revista eletrônica, novela e telejornal. E a direção diz que ainda vem mais por ai.
O Programa do Povo
Um dos destaques da grade de programação da Palmeira do Norte é o Programa do Povo, uma revista eletrônica de variedades e notícias, que está completando um ano de crescente audiência e grande aceitação popular. De acordo com o diretor da TV Palmeira do Norte, Andreh Araújo, o sucesso do programa surpreendeu a todos, desde a sua estreia em 2015.
“É muito gratificante poder olhar, após um ano de trabalho e dedicação, o resultado positivo da aposta que fizemos. Quero parabenizar ao apresentador Veridiano Sousa, primeiro pelo seu aniversário neste domingo e pelo trabalho e o sucesso a frente do programa. Queríamos um modelo bem diversificado, popular, que servisse de instrumento de utilidade pública e fosse solidário com nossa população. O sucesso de audiência e a resposta das pessoas nas ruas é o resultado disso tudo”, explicou Andreh.
Comemoração em dose tripla
A frente do Programa do Povo há um ano, o apresentador tem no mínimo três motivos para comemorar. Além de celebrar com a direção e equipe o primeiro aniversário do Programa do Povo, Veridiano Sousa completou aniversário no último domingo e em 2016 sacramenta seus vinte anos na comunicação em terras codoenses. “Quero agradecer muito ao povo desta cidade, que me recebeu com muito carinho sempre. Quero agradecer ao Diretor da TV, Andreh Araújo, por acreditar no projeto, abrir o espaço e entrar de cabeça nesse trabalho. Hoje já tenho o título de cidadão codoense e quero poder retribuir. Essa hora vai chegar”, diz Veri.
Sucesso Continua
Veridiano ainda comentou que o segredo do sucesso do Programa do Povo é sua linha editorial aberta e popular e sua linguagem simples, direta e honesta com o povo de Codó. “O Programa do Povo mescla informação, notícias policiais, quadros de humor, faixa de utilidade pública, momentos de solidariedade e da palavra de Deus e, sobretudo, a comunicação respeitosa com o telespectador. Quero agradecer a grande audiência e o carinho das pessoas e das crianças nas ruas, o que mostra que entramos na casa de nossos irmãos com toda dignidade e pedindo a devida licença”, finalizou.
Ascom