Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Dezenove respiradores são encontrados em parede falsa de hospital de Belém

Dezenove respiradores são encontrados escondidos em uma parede falsa no Hospital Abelardo Santos, em Belém.

A descoberta aconteceu em 22 de março, durante o processo de troca de gestão da organização social que administrava a unidade.

O hospital, localizado no distrito de Icoaraci, é referência no combate à Covid-19 e atendia exclusivamente pacientes com a doença até o último dia 15.

Segundo a denúncia, apurada por uma comissão interna do governo do Pará, a parede falsa foi erguida no auditório do prédio.

O governo do Pará ainda não informou o valor pago pelo equipamento ou a data de aquisição.

 

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Homem é conduzido pelos policiais após ser encontrado com motocicleta roubada

Na noite de sexta-feira (16), o 17º Batalhão de Polícia Militar recebeu denúncias sobre um indivíduo que, supostamente , estaria de posse de uma motocicleta roubada, no povoado Montevidéu II.
A Força Tatica deslocou até o povoado e logrou êxito em localizar a motocicleta HONDA BROS 160 PRETA (PSG 4176) e o homem que estava de posse da mesma. O veículo possuía registro de roubo/furto e, diante dos fatos o homem foi preso e conduzido à Delegacia de Polícia Civil de Codó.

*MATERIAL APREENDIDO:*
– 01 HONDA BROS 160 (PSG 4176).

*17º BPM, SUA SEGURANÇA É NOSSA MISSÃO! *
*⚠️☎️ DISQUE DENÚNCIA: 98857-2397*

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Polícia Militar prende homem com arma de fogo no bairro Codó Novo

Por volta de 21h00 de sábado (17/04), o 17º Batalhão de Polícia Militar recebeu denúncias sobre um indivíduo, supostamente armado, trafegando próximo a uma quadra na travessa São Miguel, no bairro Codó Novo.

A Guarnição da FT deslocou até o endereço e localizou o indivíduo. Durante a abordagem foi localizada a arma de fogo, tipo garrucha, que ainda encontrava-se carregada.

Diante da situação o indivíduo foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil para que as providências cabíveis sejam adotadas.

ASCOM17°BPM

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Inicia hoje a participação dos cantores e bandas evangélicas na live Cultural dos125 anos de Codo

Participação de Bandas Ministeriais e Cantores (as) solos do seguimento evangelico

*_Dia 19 ( segunda )_*

18h30 às 18h50 – Taline Holanda
19h às 19h20 – Diogo Bass
19h30 às 19h50 – Daniel Sena
20h às 20h20 – Irmão Carlos Henrique.
20h30 às 20h50 – Zé Maria
21h às 21h20 – Nataly Nartene

*_21h30 às 22h30 – Ministério IBANMIC_*

*_Dia 20 ( terça )_*

18h30 às 18h50 – Cantor Rodrigues
19h às 19h20 – Michelane Lima
19h30 às 19h50 – Magno Freitas
20h às 20h20 – Wagno Cristão
20h30 às 20h50 – Cleudiane Almeida
21h às 21h20 – Nicoly Souza

*_21h30 às 22h30 Ministério Levita_*

_Dia 21 ( Quarta )_

18h30 às 18h50 – Elicio Marques
19h às 19h20 – Erica Fontes
19h30 às 19h50 – Nilde Lima
20h às 20h20 – Zaira Verônica
20h30 às 20h50 – Andre Medeiros
21h às 21h20 – Joice Vitória
21h30 às 21h50 – Taciane Lima

*_22h as 23h – Banda Nova Estrada_*

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Jornalista do Rio de janeiro entrou em contato com nossa redação e nos informou que FAUSTO, O ‘MARAVILHA NEGRA’ não é codoense

Pelo papel essencial no resgate da memória do futebol raiz brasileiro, escolhi o Museu da Pelada para revelar a verdadeira origem de um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos: Fausto dos Santos, que muitos acreditavam, até hoje, ter nascido em Codó, no Maranhão. Confira a verdadeira origem do maior ídolo da Era amadora do nosso futebol

por André Felipe de Lima

Há mais de 20 anos, desde que iniciei pesquisas jornalísticas sobre os maiores ídolos do futebol brasileiro, venho, dia a dia, obtendo resultados que exigem a reconstrução das biografias de grandes jogadores do passado, alterando dados considerados “oficiais”, sobretudo datas de nascimento e de morte; locais onde nasceram e morreram; enfim, uma penca de informações que precisará ser revista. Um destes ídolos cuja história revirei do avesso faz parte do primeiro volume de três da enciclopédia “Ídolos & Épocas – A Era amadora do futebol brasileiro, de 1900 a 1933”. Falo de Fausto dos Santos, que, ao lado de Friedenreich, pode ser considerado o maior craque brasileiro na fase do amadorismo.

Muito se escreveu sobre ele. Há, inclusive, duas biografias sobre Fausto contidas em duas obras monumentais da história do nosso futebol. A primeira, O negro no futebol brasileiro, tem como autor Mario Filho. Nela, um pouco da vida do Fausto é narrada pelo inigualável cronista, que empresta o nome ao estádio do Maracanã tamanha sua importância para o futebol brasileiro; a segunda, Gigantes do futebol brasileiro, impecavelmente escrita pelos mestres Marcos de Castro e João Máximo [que assina o texto sobre Fausto], apresenta, a meu ver, dados mais consistentes sobre a trajetória de Fausto dos Santos. Mas, enfim, qual a descoberta em torno de Fausto dos Santos, o “Maravilha Negra”, como chamavam os uruguaios após se encantarem com ele na Copa do Mundo de 1930?

 Até hoje falam ou escrevem que Fausto teria nascido em Codó, no interior do Maranhão, sendo ele descrito como descendente direto de ex-escravos vindos do Daomé, essenciais para a identidade cultural naquele estado nordestino. Mas essa informação não corresponde à verdadeira origem de Fausto, que realmente nasceu no dia 28 de fevereiro de 1905, porém no Rio de Janeiro, e quem confirma a informação é Rosa Eulina Judice dos Santos, a mãe de Fausto, em depoimento ao jornal carioca A Batalha, na década de 1930.

Rosa nasceu em Campos, no Norte-Fluminense, onde muitos da família Judice já não existiam no começo do século XX. Era roça. A menina impetuosa quis deixar para trás a vida do campo para conhecer o mundo de cimento da cidade grande. Chegou ao Rio de Janeiro e logo se instalou no Encantado, bairro suburbano. Foi babá e cozinheira, mas também lavava e passava. Começou assim e terminaria do mesmo modo. Casou-se com o Manoel Faustino dos Santos, pai do Fausto e de Fernando, o mais velho dos dois meninos. Manoel também morava no Encantado, onde Rosa e ele se conheceram. Ou seja, a remota Codó jamais poderia fazer parte da vida de ambos. “Mas ele se foi cedo demais, como o filho, como o nosso Fausto, que só me pregou uma peça: a de morrer antes da hora”, disse Rosa ao jornal, cuja página perdeu-se no tempo e que conseguimos resgatar para o livro “Ídolos & Épocas” e que agora revelamos em primeira mão no Museu da Pelada.

Fausto mal conhecera o pai, que morreu na segunda metade de década de 1910. A informação de que o pai e a mãe dele se conheceram no Encantado é extremamente relevante porque traz à luz a verdadeira origem de um dos maiores gênios que o futebol brasileiro já teve.  “Ao assistir as demonstrações de simpatia que o bondoso povo faz ao meu Fausto, eu já chorei sem saber por que chorava e senti um calafrio no dia em que o vi carregado pela multidão no estádio do Vasco da Gama. Quando meu filho nasceu em 28 de fevereiro de 1905, na casa número 14 da rua Fagundes Varela, no Encantado, eu jamais pensava que atingiria ele o grão de popularidade que hoje desfruta”. Bingo! Aqui a confirmação de Fausto era carioca, e da gema!

Logo após a morte de Manoel, Rosa e os dois filhos trocaram o Encantado pela antiga Aldeia Campista, região que hoje compreende áreas de Vila Isabel, Andaraí e Tijuca, na zona norte do Rio. Fausto cresceu ali. Tornou-se homem e passou a gostar do samba que exalava aquela região. Foi naquela época de rapaz nas ruas da velha Vila que se tornou fã do Noel Rosa. “Solfejava os sambas dele”, contava sempre a mãe coruja do Fausto. A recíproca era a mesma. Noel só gostava de futebol por causa do Fausto, como uma revista já extinta confirmou. Mas o menino trocaria as peladas das ruas da Aldeia Campista pelas pelejas da grama. As oficiais.

Fausto seguiu para o Bangu. O dinheiro que recebia não vinha do clube. Isso era extremamente proibido na era do amadorismo. Punia-se jogador e clube com o banimento do futebol caso rolasse salários. A grana dele vinha de um emprego que mantinha na fábrica de tecidos de Bangu. “No princípio trabalhou a sério, mas não durou muito na fábrica”, narrara Rosa.

Do Bangu foi para o Vasco, que abandonou durante uma excursão na Espanha após conquistar títulos e se tornar ídolo de várias torcidas. Assinara um contrato com o Barcelona na busca pelo salário gordo que no escravizante futebol brasileiro era uma ilusão. A doença começou a, impiedosamente, destroçá-lo, e aos poucos. Defendeu em alguns jogos um inexpressivo time suíço, o Young Fellows. Voltou ao Brasil para o Vasco, novamente. Não deu certo e foi para o Nacional de Montevidéu. Estremeceu-se por lá, com Atílio Narancio, presidente do clube uruguaio — igualmente ao que fizera com os cartolas vascaínos —,até que o Flamengo o acolheu. Mas Fausto já não era mais o “Maravilha Negra”. Cismou com o técnico húngaro Dori Kruschner e o presidente do clube, José Bastos Padilha. Perdeu todo o dinheiro que sobrara em uma refrega judicial com o Flamengo. A tuberculose também lhe roubou muito dinheiro antes de roubar-lhe a vida. O torturou durante anos. E Fausto, calado, sem fazer alarde desse sofrimento. Somente a mãe, a pobre Rosa, percebia a dor do filho.

Fausto morreu esquecido em um sanatório da antiga Palmira, atual Santos Dumond, no interior de Minas Gerais, no dia 28 de março de 1939.

A casa no Encantado, onde nasceu o grande ídolo, hoje se resume a um muro velho, de uma construção que certamente foi erguida posteriormente ao imóvel em que morou a família dos Santos na década de 1920. Esse resgate de memória sobre um dos maiores ídolos da história do futebol é inegavelmente um marco.

Mais justas e precisas são as palavras do jogador Tinoco, de quem o grande “Maravilha Negra” era grande amigo e com quem jogou pelo Bangu e pelo Vasco: “Igual a Fausto não houve. Nem antes, nem depois dele.”

Não duvido do Tinoco. Não duvido da dona Rosa. Não duvido da história.

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Sua Mãe merece a doçura de uma Cesta de Café da Manhã da DOCE LEMBRANÇAS

Domingo, dia 09 de maio, será celebrado o Dia das Mães, uma data especial onde compartilhamos momentos maravilhosos com esta fantástica mulher que nos trouxe ao mundo, nos deu amor, carinho e muitos ensinamentos.

A Doce Lembrancas  preparou com muito carinho Cestas Especiais de Café da Manhã, com pãezinhos, frutas, doces, chocolates e outras delícias para você presentear sua mamãe. E o detalhe é que o valor cabe no seu bolso, você encontra Cesta de Café da Manhã à partir de R$ 130,00.

Por isso não perca tempo, faça já a sua encomenda e deixe sua amada Mãe ainda mais doce.

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Poesia do Dia do Indio

 

Abre tuas águas oh! Rio Kaxuru
Vai passar os Kaxuianas de Oriximá
E na terra Sucuba e de Malacacheta
Índios Goioerê, Xambrê, e os Zubucuá
O vinho jurema na cuia dos Cariris
Beberá os Caripunas e os Tenharins
No poronga no fole do maracaxá.

Hoje é o dia dezenove de Abril
Índio Kalankó e cheiro de Catimbó
É tribo bailando e tribo chegando
No ruído no som do tambor Ka´apor
Passe nessa tribo o cipó de curauá
Hoje na maloca a bebida é tarubá
Terenas e Macuxis vira tudo Piancó

A floresta, a canoa, o tingui e o rio
Os índios icós a maloca e o pataxó
O pajé, o xamã, a tribo e a roda
O curumim, o cacique e o Ingaricó
Rodopia a maloca dos Camaiurás
Homem nativo de urucum vai se pintar
No rio e afluentes das águas de Orobó.

Poesia de Edinaldo Reis!

 

 

 

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Sampaio leva três gols em sete minutos, perde para o Ceará e está fora do Nordestão

O sonho do bicampeonato na Copa do Nordeste acabou para o Sampaio. Em jogo disputado na tarde deste domingo (18), o Tricolor perdeu por 3 a 0 para o Ceará e acabou sendo eliminado da competição. Os donos da casa garantiram a classificação em sete minutos, com gols de Bruno Pacheco, Saulo Mineiro e Felipe Vizeu.

Com a eliminação, o Sampaio focará as atenções no Campeonato Maranhense, onde fará seu último jogo na fase classificatória contra o Iape. A equipe boliviana já está classificada para as semifinais do Estadual. Atual campeão, o Tricolor buscará o segundo título consecutivo.

Gols da partida

Os lances mais perigosos aconteceram no segundo tempo. Aos 24 minutos, Bruno Pacheco invadiu a grande área e foi derrubado por Allan Godói. O time do Ceará pediu pênalti, mas após revisão do arbitro de vídeo (VAR) a partida teve sequência. Três minutos depois, os donos da casa abriram a contagem. Após bate-rebate, Bruno Pacheco chutou para o gol, a bola desviou em Allan Godói e foi parar no fundo das redes.

O alvinegro cearense ampliou a vantagem aos 29 minutos. Em um contra-ataque fulminante, Saulo Mineiro finalizou e Mota fez a defesa. Na sobra, Mendoza rolou a bola para o próprio Saulo, que dessa vez balançou as redes. E o Sampaio não conseguiu nem respirar. Aos 33 minutos, Felipe Vizeu ficou com a sobra após desvio na defesa tricolor e marcou o terceiro gol cearense. Já nos acréscimos, o time da casa teve um pênalti, mas Vina acertou a trave.

O que vem pela frente?

Na quarta-feira, o Sampaio volta a campo pelo Maranhense. O confronto será diante do Iape, às 15h30, no estádio Castelão. Para fechar a primeira fase na liderança, o Tricolor precisa vencer e torcer por um tropeço do Moto Club contra o Pinheiro. Nas semifinais do Nordestão, o Ceará enfrentará o Vitória, que eliminou o Altos-PI.

O Imparcial

Foto: João Moura.

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

MP abre inquérito para apurar ato de nepotismo do prefeito de Codó Dr. Zé Francisco

O Ministério Público do Maranhão (MP-MA) instaurou inquérito civil público para apurar possíveis atos de improbidade administrativa decorrentes da prática de nepotismo no município de Codó. Há informações de que o prefeito, José Francisco Lima Neres, teria nomeado parentes próprios até o terceiro grau, para o exercício de cargos comissionados no âmbito da administração pública municipal.

PORTARIA-1ªPJCOD – 232021  Código de validação: BD916D523A
O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO MARANHÃO, por seu Representante Legal que esta subscreve, titular da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Codó/MA, com atribuição em matéria de Probidade Administrativa, no uso das atribuições que lhe confere o art. 129, III, da Constituição Federal, o art. 26, I da Lei Orgânica Nacional do Ministério Público (Lei Federal n.º 8.625/93), o art. 27, caput, da Lei Complementar nº 013/91 do Estado do Maranhão e nos termos do § 7º do art. 2º da Resolução nº.
23 de 2007 do Conselho Nacional do Ministério Público, CONSIDERANDO que a probidade administrativa é um valor a ser promovido e defendido, sancionando-se os atos de improbidade, conforme previsto no art.37, § 4º, da Constituição Federal;
CONSIDERANDO que a Constituição Federal de 1988 impõe ao Poder Público a observância, dentre outros, aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência
CONSIDERANDO que constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, conforme prevê o art. 11 da Lei 8.429/92;
CONSIDERANDO o enunciado da Súmula Vinculante nº 13, que assim dispõe “ A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal
e dos Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição Federal.“
CONSIDERANDO que o nepotismo é vedado em qualquer dos Poderes da República por força dos princípios constitucionais da impessoalidade, eficiência, igualdade e moralidade, independentemente de previsão expressa em diploma legislativo.
CONSIDERANDO que o art. 127 da Constituição Federal incumbe ao Ministério a defesa da ordem jurídica, do Estado Democrático de Direito e dos interesses sociais e individuais indisponíveis;
CONSIDERANDO que compete ao Ministério Público, nos termos do art. 129, III, da Constituição Federal, promover o inquérito civil e a ação civil pública para a defesa do patrimônio público e outros interesses sociais e individuais indisponíveis;
CONSIDERANDO a existência da Notícia de Fato SIMP 000409-259/2021 – 1ªPJC, que tramita na 1ª Promotoria de Justiça de Codó/MA, iniciada com Representação por prática de Nepotismo no Município de Codó/MA, pelo Prefeito Municipal, José Francisco Lima Neres;
CONSIDERANDO, a necessidade de instrução do feito, para apuração dos fatos, bem como a ocorrência de irregularidades e eventual improbidade administrativa;
CONSIDERANDO que, de acordo com o art. 1º da Resolução CNMP nº 23/2007, o inquérito civil, de natureza unilateral e facultativa,
será instaurado para apurar fato que possa autorizar a tutela dos interesses ou direitos a cargo do Ministério Público nos termos da legislação aplicável, servindo como preparação para o exercício das atribuições inerentes às suas funções institucionais;
CONVERTO a Notícia de Fato SIMP 000409-259/2021 – 1ªPJC no presente INQUÉRITO CIVIL SIMP 000409-259/2021 – 1ªPJC, para o aprofundamento da apuração das irregularidades noticiadas.
Determino, para tanto, as seguintes medidas:
1. Registre em Sistema Próprio.(SIMP)
2. Autue.
3. Oficie-se à Coordenação de Documentação e Biblioteca, encaminhando a presente Portaria, para publicação;
4. Designo para desempenhar as funções de Secretária do procedimento a servidora PAULA BRITO DA SILVA, Técnica Ministerial
– Área Administrativa, lotada nesta Promotoria de Justiça, dispensado o termo de compromisso;
5. O objeto do presente inquérito civil fica restrito à apuração de possíveis casos, que configurem prática de nepotismo, na
Administração Pública Municipal de Codó/MA, tendo como investigado, inicialmente, o Prefeito Municipal de Codó, José Francisco
Lima Neres, CPF 372.537.783-91.
6. Insira minuta de ofício, no sistema próprio (DIGIDOC), tendo como destinatário o Prefeito Municipal de Codó/MA, José Francisco
Lima Neres, recomendando-lhe a fiel observância do que dispõe a Súmula Vinculante nº 13 do Supremo Tribunal Federal, a qual deverá ser transcrita no referido ofício, e para que informe a este órgão, no prazo de 10 (dez) dias, se havia na estrutura administrativa do Município de Codó, inclusive nas suas autarquias, algum caso alcançado por aquele entendimento consolidado, e qual a providência adotada para a correção da ilegalidade segundo o princípio da autotutela.
assinado eletronicamente em 13/04/2021 às 22:27 hrs (*)
CARLOS AUGUSTO SOARES
PROMOTOR DE JUSTIÇA

0722021-16042021

Nepotismo (do latim nepos, sobrinho, neto, ou descendente) é o termo utilizado para designar o favorecimento de parentes (ou amigos próximos) em detrimento de pessoas mais qualificadas, especialmente no que diz respeito à nomeação ou elevação de cargos.

Originalmente a palavra aplicava-se exclusivamente ao âmbito das relações do papa com seus parentes (particularmente com o cardeal-sobrinho – (em latim: cardinalis nepos; em italiano: cardinale nipote), mas atualmente é utilizado como sinónimo da concessão de privilégios ou cargos a parentes, no funcionalismo público como no sector privado. Distingue-se do favoritismo simples, que não implica relações familiares com o favorecido.

Nepotismo ocorre quando, por exemplo, um funcionário é promovido por ter relações de parentesco com aquele que o promove, havendo pessoas mais qualificadas e mais merecedoras da promoção. Alguns biólogos sustentam que o nepotismo pode ser instintivo. Parentes próximos possuem genes compartilhados e protegê-los seria uma forma de garantir que os genes do próprio indivíduo tenham uma oportunidade a mais de sobreviver.

Um grande nepotista foi Napoleão Bonaparte. Em 1809, 3 de seus irmãos eram reis de países ocupados por seu exército.

No Brasil, a Carta de Caminha é lembrada como o primeiro caso de tentativa de nepotismo documentada no Brasil, embora esta constatação tenha sido refutada. De acordo com a interpretação original, ao final da carta Caminha teria pedido ao rei um emprego ao seu genro.

Devido a isto, a palavra pistolão, muito empregada no Brasil para referenciar um parente ou conhecido que obteve ganhos devido a nepotismo ou favoritismo, teve origem na palavra epístola (carta), devido à carta de apresentação supostamente feita pelo escrivão Pero Vaz de Caminha ao Rei D. Manuel I.

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.