Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Nalvinha Mesquita participa de café da manhça e realiza visitas na região da Trizidela

A candidata a vereadora Nalvinha Mesquita continua suas visitas em comunidades da zona rural. Esta semana a candidata, a convite dos moradores, esteve com Zito Rolim e Jadiel Reis em café da manhã no povoado Santana do Machado, conversando com as famílias e sendo recebida com muito entusiasmo e carinho por todos.

Nalvinha aproveitou a oportunidade para visitar outras localidades, como as comunidades Pena Chata, Centrinho, Lagoa do Cazuza e Penha.

Moradores do bairro São Sebastião recebem Leda Torres de braços abertos

Na noite da última terça-feira, dia 29, a a candidata a vereadora Leda Torres e sua equipe foram recebidos com muitoentusiasmo pelos moradores da  Rua Rio Grande do Norte,no bairro São  Sebastião. Foi mais uma reunião de sucesso que reafirmou a excelente receptividade do povo codoense quando Leda Torres está por perto. Os sorrisos e acenos vinham de diferentes casas. No encontro da candidata com os moradores, – nas portas, calçadas ou esquinas –, não faltou conversa franca, aperto de mão e abraços sinceros.

Para o jovem professor Wellington “Ela se preocupa com o futuro dos jovens, com as mulheres, os idosos, não há diferenciação” ressaltou.

Desaparecida há dois anos, mulher é resgatada viva do mar; veja

A vítima se jogou no mar na tentativa de escapar dos abusos físicos e psicológicos que sofria do ex-marido.

Uma mulher de 46 anos que estava desaparecida há dois anos foi  resgatada viva do mar por um pescador, na Colômbia. O corpo estava a cerca de 2,5 quilômetros da costa.

De acordo com as autoridades do país, Angelica Gaitán estava com hipotermia e muito debilitada, após ficar cerca de oito horas no mar. A vítima chegou ao hospital da cidade em estado de choque.

O pescador Rolando Visbal, contou a uma rádio colombiana que, inicialmente, pensou que tivesse avistado um tronco de árvore, e só percebeu que se tratava de Angelica quando viu o corpo dela se mexer.

Segundo a própria vítima, ela não tem contato com a família, que a considerava desaparecida há dois anos. Em entrevista à rádio RCN, Angelica disse que se jogou no mar com a intenção de tirar a própria vida, na tentativa de escapar dos abusos físicos e psicológicos que sofria do ex-marido, com quem viveu por 20 anos. “As agressões começaram na minha primeira gravidez, ele me batia e era violento”, contou Angelica.

A mulher relata que no dia que decidiu deixar a casa em que morava com o ex-marido, em setembro de 2018, ele quebrou os ossos de sua face e tentou a matar: “Graças a Deus consegui escapar”, disse. “Fiquei vagando pelas ruas por quase 6 meses, depois fui buscar ajuda e me mandaram para um abrigo”, explicou.

Porém, segundo a vítima, ela foi informada na última sexta-feira (25) de que a medida protetiva contra o homem havia perdido a validade e que ela deveria sair do abrigo que estava, em Barranquilla. Foi quando decidiu se jogar no mar.

Assim que soube do resgate de Angelica, a família entrou em contato com ela. “Eu renasci”, disse ela.

Fonte:IG

Zé Francisco tem Candidatura impugnada na Justiça Eleitoral em Codó e pode ficar inelegível até 31 de dezembro de 2020

O candidato a prefeito de Codó/MA, Zito Rolim-PDT, toma atitude firme e se alia a movimento nacional para barrar a candidatura de políticos Ficha Suja que tentam aproveitar a pandemia para escapar de condenação da Justiça.

O candidato a Prefeito Zé Francisco (PSD) é ficha suja por decisão do TSE – Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília. Ele tenta aproveitar a mudança do dia das eleições, por causa da pandemia de Covid-19, para limpar seu nome e ser candidato, apesar da condenação por compra de votos e abuso do poder econômico nas eleições de 2012, quando foi candidato a Vice na chapa formada com o atual prefeito de Codó, Francisco Nagib.

Zé Francisco tenta entrar pela porta dos fundos da política para disputar o cargo de prefeito de Codó. A impugnação de sua candidatura tem o claro objetivo de afastar um político que jamais poderia disputar as eleições de 2020, se não fosse a pandemia causada pelo coronavírus.

A pandemia já tirou a vida de mais de um milhão de pessoas em todo o mundo. E já matou cerca de 150 mil brasileiros, quase 100 pessoas morreram com a doença somente em nossa Cidade.

Essa catástrofe humanitária e econômica que se abateu sobre o mundo inteiro não pode servir para beneficiar políticos Ficha Suja, que tentam disputar o cargo de prefeito, aproveitando-se desse momento de sofrimento da população.

Causa revolta e indignação saber que existem políticos que estão tentando se aproveitar da pandemia para fugir de condenação aplicada pela justiça.

Existe hoje no Brasil um movimento nacional de resistência contra essas candidaturas que jamais aconteceriam, se não fosse a pandemia.

O Ministério Público Eleitoral encabeça esta luta em defesa de eleições limpas. A sociedade brasileira cobra providências para evitar essa vergonha nacional. Em Codó não pode ser diferente.

Veja o Parecer da Procuradoria-Geral Eleitoral, órgão máximo do Ministério Público, encarregado dos processo no TSE em Brasília, que defende a inelegibilidade desses candidato ficha suja até o final do ano, impedindo assim que tirem proveito da pandemia e do adiamento do dia das eleições municipais:http://www.mpf.mp.br/pgr/documentos/Consulta060114368.2020RBGPRLZ.pdf

Decisão de liberar ficha-suja na eleição é mais um ponto para corrupção na pandemia, diz autor de consulta ao TSE

O entendimento da maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral, na sessão de terça-feira (1), discutindo a questão dos contagem dos prazos de inelegibilidade diante do adiamento das eleições de outubro para novembro, nos termos da consulta apresentada pelo deputado federal Célio Studart (PV-CE), foi de que candidatos condenados em 2012 e inelegíveis por oito anos nos termos da Lei da Ficha Limpa poderão participar das eleições municipais deste ano.

“A decisão do TSE, permitindo que condenados pela Lei da Ficha Limpa se aproveitem da nova data eleitoral para concorrer, trouxe grave desprezo pela moralidade eleitoral e violou uma das maiores conquista populares da última década, haja visto que a lei nasceu de iniciativa popular. Mais um ponto para a corrupção na pandemia”, avaliou Célio Studart.

A consulta foi protocolada no dia 6 de julho, quatro dias após o Congresso Nacional ter promulgado o novo calendário eleitoral. Um dos idealizadores e redatores da Lei da Ficha Lima, o jurista Marlon Reis está entre os advogados que assinam o documento.

O objetivo principal era esclarecer se os candidatos que porventura tinham sido condenados por abuso de poder econômico e político nas eleições de 2012, realizadas no dia 7 de outubro daquele ano, ainda estariam impedidos de concorrer em 2020, dada a modificação do calendário nos termos da Emenda Constitucional 107.

O parecer do relator, ministro Edson Fachin, favorável à exclusão dos fichas-sujas, foi derrotado.

“Entendo que a Emenda 107, ao se endereçar à situação da pandemia causada pela Covid-19, manteve as eleições em 2020 e somente operou materialmente o mero deslocamento de atos do processo eleitoral e, por isso, não pode ser entendida como modo implícito de vulnerar a função de manutenção da normalidade e legitimidade do pleito, que é dever da Justiça Eleitoral”, opinou o magistrado.

“Por isso, entendo que a modificação temporal das eleições em 2020 é inapta por si só a modificar a compreensão de que a eleição no corrente ano e na data prevista na Emenda Constitucional deve observar plenamente a incidência das causas de inelegibilidade”, completou. O novo corregedor-geral da Justiça Eleitoral, Luís Felipe Salomão, seguiu o voto de Fachin.

O primeiro a se manifestar na sessão foi o vice-procurador-geral Eleitoral, Renato Brill, que voltou a manifestar sua posição pela resposta positiva à consulta. Para ele, seria necessário alterar duas súmulas eleitorais para ficar claro que as causas da inelegibilidade valem até o final do oitavo ano após a condenação.

No entanto, cinco ministros, incluindo o presidente da Corte, ministro Luis Roberto Barroso, apresentaram entendimento diferente.

Entre os argumentos elencados, estão o de que o Congresso Nacional não abordou a questão da inelegibilidade na Emenda Constitucional 107 e que o processo eleitoral já começou.

Um dos magistrados alegou, inclusive, que “sorte é sorte”, em alusão à situação de que candidatos até então inelegíveis não tiveram responsabilidade pela modificação no calendário eleitoral.

UOL

Músicos e Produtores Culturais de Codó protestam contra o descumprimento do decreto municipal


Em nota emitida à mídia digital, os músicos e produtores culturais de Codó protestaram contra o descumprimento do Decreto Municipal 4.248, que libera a realização de festas em Codó. Em reunião realizada entre a classe e o prefeito de Codó, Francisco Nagib, ficou acordado que os shows seriam liberados, respeitando normas e protocolos de segurança e que as bandas locais e os produtores de eventos de Codó teriam prioridade, com o objetivo de ajudar os trabalhadores codoenses e a economia local.
Os músicos e produtores de Codó protestam pelo fato de alguns produtores, que não foram para a reunião com o prefeito e não terem conhecimento sobre o acordo feito na ocasião, estarem descumprindo o objetivo principal do decreto e do acordo feito com o prefeito, articulando para realizar eventos com bandas de fora da cidade.
Os músicos também lembraram sobre a contradição de realizar eventos com bandas de fora, com grandes aglomerações, em detrimento de eventos realizados por profissionais e artistas locais. Pois uma vez que o índice de contaminação da Covid-19 se elevar serão os músicos de Codó que sofrerão outro período prolongado de desemprego e prejuízos.
Os músicos protestam e pedem providências às autoridades, com o objetivo de proteger a classe, garantir os direitos dos trabalhadores da área cultural de Codó e valorizar a economia da cidade.