Codó Notícias | O melhor e mais completo site da Região dos Cocais - Blog do Jeferson Abreu, Notícias de Codó e Região.

UNIÃO :Judiciário de Bacabal abre inscrições para Casamento Comunitário gratuito

O Judiciário de Bacabal abriu inscrições para uma cerimônia do Projeto “Casamentos Comunitários” – edição 2019, que ocorrerá no dia 17 de julho, no Templo Central da Assembleia de Deus, em horário a ser definido. Os casais interessados podem ser inscrever até o dia 3 de maio, nos cartórios do 2º, 3º e 4º Ofícios de Bacabal, no horário de 8h às 12h e das 14h às 18h.

Podem participar da solenidade casais de baixa renda, residentes no município de Bacabal e que preencham as exigências legais previstas no Código Civil, que são beneficiados com a gratuidade do processo de habilitação civil para o casamento, oferecida pelo projeto da Corregedoria Geral da Justiça, há 20 anos.

PROCLAMAS – Até 17 de maio, os cartórios do 2º, 3º e 4º Ofícios deverão encaminhar os editais de proclamas à diretoria do fórum da comarca, para em seguida serem publicados no Diário da Justiça Eletrônico.

A cerimônia será realizada por meio de parceria institucional entre o Poder Judiciário, as congregações religiosas e os cartórios do Município de Bacabal e o apoio da sociedade local.

As regras desta edição do Projeto “Casamentos Comunitários” foram publicadas no Edital nº 02/2019, assinado pelo juiz Jorge Antonio Sales Leite, titular da vara da família de Bacabal, em 10 de abril.

SANTA INÊS :Loja é condenada a indenizar clientes lesados por compra premiada

A Loja EletroInovação, situada na cidade de Santa Inês, terá que indenizar diversos clientes que foram lesados na modalidade Compra Premiada. Várias ações de indenização foram ajuizadas na 1a Vara da Comarca de Santa Inês, requerendo a reparação por danos morais. Em uma das ações, o autor relatou que celebrou contrato de compra e venda, na modalidade compra premiada, com a referida loja, para aquisição de 01 (uma) moto Honda FAN 125, em 48 prestações. Ele argumenta que pagou 45 prestações que totalizaram o valor de R$ 8.350,00.

O consumidor, então, se dirigiu à loja Eletroinovação para receber o bem quando descobriu que o estabelecimento havia encerrado suas atividades, motivo pelo qual entrou com a ação na Justiça. Citada por Edital, a parte requerida não apresentou defesa. “No caso em tela, a parte autora comprovou fatos constitutivos do seu direito. Por outro lado, o requerido citado por edital não apresentou contestação, decorrendo o prazo para a defesa, não se desincumbindo do ônus da sua prova, nos termos do artigo 373, inciso II, do CPC, razão pela qual foi decretada a revelia”, destaca a sentença.

Para a Justiça, o processo no estado em que se encontra reuniu todas as informações necessárias para o julgamento. E explana: “É fato notório nesta cidade o golpe perpetrado pela empresa, ora requerida, em desfavor dos consumidores que firmaram contratos com esta. Nessa linha, cumpre destacar que o contrato vincula as partes, em razão do princípio da força obrigatória do contrato, onde há agentes capazes, com vontade livre e consciente, sendo o objeto do contrato lícito e tendo sido obedecida a forma prescrita e não defesa em lei. Diante do inadimplemento contratual, observa-se que o autor tem direito a ser indenizado pelos danos materiais arguidos efetivamente provados”.

DANO MORAL E MATERIAL – A sentença explica que, assim, como o dever de comprovar o pagamento das parcelas realizadas é de quem alega, no caso o consumidor, ele tem o direito ao ressarcimento pretendido apenas das parcelas comprovadamente pagas, impondo-se a condenação parcial do demandado, a loja Eletroinovação. A Justiça, no caso do dano moral, entendeu ser perfeitamente cabível, haja vista o constrangimento sofrido pela parte requerente em esperar o bem contratado, gerando uma sensação de desconforto que ultrapassa a mera contrariedade e perturbação.

“Julgo parcialmente procedente o pedido para condenar a loja requerida a devolver ao requerente o valor de R$ 7.120,00 (sete mil e cento e vinte reais), que corresponde ao valor das parcelas pagas de forma simples, devidamente atualizada, com correção monetária e juros de mora desde a citação”, finaliza a sentença, frisando que a loja deverá pagar, ainda, a quantia de R$ 3.000,00 (três mil e reais) a título de danos morais.

LESADOS – Em 2014, dezenas de clientes invadiram as dependências da Loja Eletroinovação e levaram os objetos que estavam no local. Eles alegaram terem sido vítimas de um golpe. Revoltados, arrebentaram o portão, entraram e passaram a carregar móveis e outros objetos que estavam dentro da loja. O saque teria sido uma reação dos clientes, que alegam terem feito consórcios, quitaram a compra e não receberam os prêmios. A empresa fazia consórcios de motos, móveis e eletroeletrônicos.

ASCOM

*O MARANHÃO NO CÉU E NO MAR

Baixada a poeira ideológ ideológica ica, desde o anúncio da celebração do acordo de salvaguardas tecnológicas entre o Brasil e os EUA, têm ficado mais claro para os maranhenses a necessidade de nos unirmos em torno da Base de Alcântara, como uma oportunidade única para mudarmos o destino de nossa terra.

A leitura acurada do acordo afasta algumas preocupações válidas quanto ao uso militar da base, ou ainda quanto à cessão de território a uma potência estrangeira. Pelo acordo, simplesmente os Estados Unidos autorizam o Brasil a lançar foguetes e satélites que contenham partes tecnológicas americanas. Necessário dizer que 80% dos satélites do mundo utilizam tecnologia americana, seja um parafuso ou chip.
Importante dizer também que os EUA aplicam 0,21% do PIB na indústria aeroespacial, ou seja, 40 bilhões de dólares. A Rússia, 3 bilhões, China 3 bilhões, Índia 1,2 bilhão, Argentina 1,2 bilhão e Brasil 0,1 bilhão (0,006% do PIB)
É um acordo usual nesse empreendimento, uma vez que a defesa norte americana teme que sua tecnologia seja utilizada para fabricação de mísseis.

É preciso que se diga que o texto final do acordo foi fechado antes da eleição do presidente Bolsonaro. O maior mérito do atual governo foi ter dado prioridade máxima ao projeto e ainda tê-lo entregue às mãos da pessoa certa, o ministro Marcos Pontes, cuja biografia já é, por si só, uma garantia de equilíbrio e determinação na condução da operação. A maneira como o ministro vem tocando os preparativos, de modo límpido e em franco diálogo com todas as correntes políticas, tem sido fundamental e inspiradora.

No entanto, três pontos desafiam ainda aqueles que se opõem ao projeto: a restrição de circulação de brasileiros em áreas especiais, sob controle norte-americano; o veto ao uso dos recursos do centro de lançamento para o desenvolvimento do veículo lançador nacional; e a realocação de dezenas de famílias de quilombolas que vivem na região.
Sobre o primeiro, já ficou claro que essas áreas especiais são para uso temporário, enquanto a base abrigar tecnologia de ponta, com segredos industriais. Ainda assim, brasileiros, em comum acordo com americanos, terão acesso a essas áreas, que são não mais que uma sala para instalação, montagem, teste e finalização dos componentes de alta tecnologia que serão embarcados. Uma vez feito o lançamento, desfaz-se essa área especial. Nada mais natural aliás, nesses tempos de feroz competição espacial.

Quanto ao veto do uso dos recursos para o lançamento do veículo nacional, é apenas uma desvinculação direta, o que não impede que o Brasil use os recursos que quiser, do seu orçamento, para desenvolver seu lançador.

A terceira questão não diz respeito ao acordo. É questão de política interna e sensibilidade humanitária criar possibilidades para dar às comunidades quilombolas condições dignas de vida e trabalho. Nada mais fácil, aliás, dado o volume de recursos que estará sendo injetado na economia graças ao uso da base. Eu mesmo fui o primeiro a colocar emenda parlamentar para comunidades quilombolas de Alcântara e buscar garantir que uma parte dos recursos da exploração econômica seja destinado a um fundo social para uso exclusivo das comunidades vulneráveis do Maranhão: quilombolas, quebradeiras de coco, indígenas, assentados, etc.
E mais, a atual área do CLA já é suficiente para a operação, pelo menos nos primeiros anos. Ora, se e quando houver necessidade de ampliar será um bom problema. Significa que a Base estará a todo vapor e as pessoas receberão casas e equipamentos públicos muito melhores que os atuais.
É sempre bom lembrar que Alcântara tem 1.470 km2, maior que a Ilha de São Luís, que abriga quatro municípios.

Pacificados esses três pontos, o importante é que os maranhenses saibam o que ganharão com a ativação da base. Não é apenas uma renda a mais, ou uma economia de enclave em que o Maranhão sirva de hospedeiro para a riqueza alheia. O melhor exemplo do que pode acontecer pode ser visto com o desenvolvimento de São José dos Campos, a partir da inauguração da fábrica da Embraer. Em poucos anos a cidade tornou-se um pólo de tecnologias que hoje abriga centenas de indústrias inovadoras, startups, incubadora de empresas, universidades e muito mais. É esse o sonho que queremos para o Maranhão.
Em muito pouco tempo Alcântara terá a maior renda per capita do Brasil e da América Latina, a exemplo do que aconteceu em Kourou, na Guiana Francesa, que tem a mesma população de Alcântara, ou seja 15.857 euros.
À propósito, sabem quanto o Brasil pagou para a Guiana Francesa lançar seu único satélite, o SGDC? Foram 125 milhões de dólares.
Hoje no nosso planeta tem 2 mil satélites. Daqui a 10 anos serão 10 mil, a maioria lançado de Alcântara. Então, imaginem…

Claro que para que isso seja possível o primeiro passo é haver o entendimento da classe política, para que possamos atuar como uma frente unida e uníssona em defesa de Alcântara. Essa união assinalaria que todos os partidos que compõem o espectro político no Estado desejam e apoiam a Base. Desse modo mandamos o sinal para as representações partidárias na Câmara e no Senado que esse é um projeto que une todas as forças políticas, empresariais e acadêmicas do Maranhão.

Deus nos brindou com uma extensa costa cuja proximidade com a linha do Equador oferece a melhor capacidade orbital do planeta para o lançamento de satélites. Temos, um de frente para o outro, o lugar mais alto (Alcântara) e o mais fundo (Porto do Itaqui). Portanto, a melhor janela para os ares e a melhor porta para os mares. É um presente de Deus que nunca foi desembrulhado. É hora de mirar o céu e o mar, ajustando o destino de nossa gente.

Por Roberto Rocha

UPA de Caxias é o terror da Saúde Maranhense, é o que aponta a população de Caxias

Alguns dias atrás o Blog Observatório do Cocais apresentou em uma postagem dados consolidados que revelam o número de óbitos dentro da UPA de Caxias (relembre AQUI). Apenas em 2018 foram mais de 300 mortes, número que coloca a UPA Caxiense entre as unidades de saúde em que mais se morre em todo nordeste.

Após a postagem foram inúmeros contatos recebido pelo editor do Blog de pessoas incrédulas, que não acreditavam que tanta gente poderia morrer dentro de uma unidade de saúde.

No entanto, para os caxienses os dados aqui apresentados não foram surpresa alguma. Muito internautas confirmaram o descanso com que a população é tratada dentro da UPA em Caxias. No Facebook, a internauta Lorenna Dyas comentou “que o pior atendimento que se pode esperar eh ali na UPA”; já Dhennys Sanz demonstrou vergonha ao dizer que “uma cidade como essa (Caxias) não ter um neurocirurgião”; Iladene Sobral demonstrou indignação pelo fato de que “as pessoas trabalham lá a maioria é colocada por políticos”; Luzilene Ribeiro revelou que recentemente passou “uma tarde inteira lá para atender minhas mãe, que tem 76 anos, ela tava se vendo de dor… Meu amigos ali é morada de fungo e bactérias lá tem sujeira… péssimo atendimento”.

Agora chocante mesmo foi a revelação da internauta Patricia Alberto Motta, que confirma tudo aquilo que falamos anteriormente. “Eu senti na pele esse descaso minha mãe morreu lá sem atendimento adequado”.

O pior de tudo isso, é saber que esse descaso todo acontece não por falta de dinheiro, uma vez que apenas em 2019 a Atenção de Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar de Caxias já recebeu mais de R$ 21 milhões de reais.

O que falta é Caxias é amor, empatia pelo próximo, pois duvido muito que o prefeito Fábio Gentil (PRB), e sua trupe de secretários, busquem atendimento médico, quando precisam, nos postos de saúde e a UPA de Caxias, vão é para os hospitais caros e fartos de Teresina ou São Luís.

A UPA de Caxias é o retrato da gestão desastrosa do prefeito Fábio Gentil.

Fonte:Observatório

Dr. Júnior distribui cestas básicas e sete toneladas de peixes para Semana Santa das famílias carentes em Peritoró

Na quarta-feira Santa, dia 17 de abril, cerca de três toneladas de alimentos, em forma de cestas básicas, foram distribuídas no município de Peritoró. A distribuição é fruto de uma ação social realizada durante o carnaval, em uma parceria do médico Dr. Junior e a Associação de Pessoas Portadoras de Necessidades Especiais de Peritoró (APNEP). As cestas básicas foram distribuídas para famílias carentes nos bairros 36, Sagrima e Vila Vitória.

“Já é o segundo ano que realizamos com muito sucesso essa ação solidária em parceria com a APNEP. No período do carnaval nós entregamos os abadás do bloco aos brincantes em troca de dois quilos de alimentos não perecíveis. Desta forma conseguimos formar boas cestas básicas para entregarmos as famílias na Semana Santa. E este ano estamos mais felizes ainda. Como a arrecadação foi maior, iremos poder realizar a distribuição para famílias do bairro 36 e ampliar a ação para os bairros Sagrima e Vila Vitória”, explicou Dr. Júnior.

“Ficamos muito felizes, pois é uma ajuda tão grande. Já é o segundo ano que ele faz essa distribuição e ajuda demais as famílias daqui. Nós sabemos do cuidado que ele tem por nós, não só nos atendimentos médicos, mas também nessas datas especiais. Ele vem da casa em casa, visita cada família, fala com todo mundo. Agradeço de coração por essa lembrança, que irá fazer para todos nós uma Semana Santa mais farta e calorosa”, agradeceu uma moradora do bairro 36.

Sete toneladas de peixes

Na quinta-feira, Dr. júnior também realizou mais uma ação social, com a distribuição de sete toneladas de peixes para as famílias carentes de Peritoró. De acordo com o médico, a distribuição será feita na sede do município de Peritoró e em localidades mais afastadas, como no Distrito Livramento, Distrito Independência e Distrito São João das Neves, beneficiando três mil e quinhentas famílias.

Dr. Júnior aproveitou a oportunidade para deixar sua mensagem e desejar uma Semana Santa abençoada a toda população de Peritoró. “Essa distribuição de peixes é uma iniciativa nossa, onde eu conto com a ajuda de parceiros e amigos voluntários. É uma forma que eu tenho de agradecer a Deus por todas as bênçãos recebidas, pela oportunidade de trabalhar com a medicina, atenuando sofrimentos e ajudando vidas. A Semana Santa é um momento de manifestar nosso espírito cristão, de reflexão e também de cuidar do próximo. Sempre gosto de retribuir as glorias e bênçãos pedidas em minhas orações, amando e cuidando do próximo. Que nossa população tenha uma semana Santa abençoada e de muita paz”.

Governo do Maranhão envia nota lamentando o falecimento do codoense Bita do Barão

O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Igualdade Racial (SEIR), lamenta o falecimento do religioso de matriz africana Wilson Nonato de Souza, conhecido como Bita do Barão, ocorrido no começo da tarde desta quinta-feira, 18.

O babalorixá Bita de Barão tinha 87 anos de idade cronológica e residia no município de Codó, onde conduzia a Tenda Espirita de Umbanda Rainha de Iemanjá Palácio de Iansã e estava internado nos últimos 10 dias em hospital de Teresina com grave estado de saúde.

O corpo será conduzido para Codó nesta tarde e será velado no Palácio de Iansã, onde se realizarão as cerimonias fúnebres e o enterro será no Cemitério Central.

Neste momento de perda para as comunidades de matriz africana, o Governo do Maranhão se solidariza com a família e com as lideranças religiosas dos cultos afros.

UNASUS/UFMA envia nota de esclarecimentos sobre Processos e Projetos

Em respeito à verdade dos fatos e entendendo que o acesso à transparência de processos públicos é um direito da imprensa e todos os cidadãos, a UNASUS/UFMA presta os seguintes esclarecimentos:

A Universidade Aberta do SUS (Rede UNA-SUS) foi criada em 2010 para atender às necessidades de capacitação e educação permanente dos profissionais que atuam no Sistema Único de Saúde (SUS), e conta com uma rede colaborativa formada por 36 instituições de ensino superior que oferecem cursos a distância, com mais de 2 milhões de matrículas e usuários em todo o território brasileiro, estando em mais de 5.500 municípios.

A UNASUS/UFMA faz parte das Instituições pioneiras da Rede e está sempre entre as três Instituições de maior destaque na mesma, tanto pelos seus expressivos números de cursos, alunos e produção científica, como tambémpelas ferramentastecnológicas e de inovaçãoque desenvolve,sempre de caráter gratuito ecom base em um robusto suporte pedagógico.

O trabalho realizado pela Profa. Ana Emília Oliveira, Coordenadora Geral da UNASUS/UFMA é de incontestável competência, seriedade e dedicação, elevando sempre de forma positiva a UFMA e trazendo bastante dividendos ao Maranhão e ao Brasil na formação de recursos humanos altamente qualificados para atuarem nas diversas frentes do Sistema Único de Saúde – SUS por meio da oferta de cursos e ferramentas tecnológicas produzidas pela própria UNASUS/UFMA e pelo Grupo de Pesquisa SAITE (CNPq/UFMA)do qual é líder; o que já despertou interesse nacional e internacional de diversas universidades, a exemploda Universidade de Barcelona (Espanha),Universidade de Birmingham (Inglaterra) e Columbia University (Estados Unidos).

Quanto ao porquê da Profa. Ana Estela Haddad (USP) no quadro da UNASUS/UFMA, o acesso ao currículo lattes dessa renomada professora e pesquisadora (http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4737424Z8) explica por si só, pois facilmente pode ser observado que a sua competência vai bem além da Odontologia, haja vista que transita brilhantemente pelalinhas de pesquisa que atua: Educação Superior na Saúde, Educação Permanente na Saúde, Força de Trabalho em Saúde, Políticas Públicas de Educação e de Saúde, Primeira Infância, Telessaúde, Teleodontologia. E esse know-how pode ser comprovado considerando-se que a Profa. Ana Estela Haddad participou da idealização e implementação de Programas reconhecidamente bem-sucedidos na esfera da educação na saúde como Rede UNASUS, Pró-Saúde, Telesaúde Brasil, Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde (CNRMS) e Programa de Educação pelo Trabalho em Saúde – PET Saúde, dentre outros, enquanto ocupou no Ministério da Saúde, por cinco anos, o cargo de Diretora do Departamento de Gestão da Educação na Saúde (DEGES/SGTES). Junto à UNASUS/UFMA, essa renomada professora/pesquisadora veio agregar valores pela sua inquestionável expertise na educação em saúde. Explicado assim o rigor técnico de sua escolha, elenca-se a seguir a sua ampla contribuição direta nas seguintes produções da UNASUS/UFMA:

– Dois cursos de extensão de acesso livre e gratuito, com mais de 28 mil matrículas; de 2016 a 2018;

– Seis livros com ISBN (número oriundo de norma internacional para publicações);

– Vinte e sete aplicativos / e-books de acesso livre e gratuito; produzidos entre 2016 a 2019;

– Três games de acesso livre e gratuito na área da saúde; no período de 2016 a 2019;

– Sete registros no Instituto Nacional de Propriedade Industrial, todos tendo a UFMA como detentora dos direitos patrimoniais dessas produções; entre os anos de 2016 a 2019;

– Duas parcerias internacionais UNASUS/UFMA – FOUSP, com a Universidade de Barcelona (Espanha) e com Universidade de Birmingham (Inglaterra).

Além dessa vasta produção acima citada, e iniciada em 2016, atualmente Ana Estela Haddad trabalha juntamente com diferentes equipes da UNASUS / UFMA na produção de nove cursos, dezoito e-books/aplicativos, dois games, e três ferramentas tecnológicas. Tudo isso com cunho de acesso livre e gratuito; devendo gerar em um futuro breve cerca de 100 mil vagas ou mais nos citados cursos.

Ressalte-se que a Parceria Interinstitucional UNASUS/UFMA e FOUSP, envolvendo a professora Ana Estela Haddad, tem todo amparo legal na UFMA e na USP, tendo sido celebrada solenemente entre as partes em 06/12/2017, publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo, em 07/12/2017, seção I, página 127.

Todos os projetos da UNASUS/UFMA são apoiados por uma fundação de apoio à UFMA (Sousândrade ou Josué Montello), contratada mediante todas as bases legais (Lei n. 8958/1994, Art. 4o-B;  Lei nº 13.243, de 2016, Art. 9o  e § 1o ) e fundamentadas nos respectivos autos de processos administrativos, e alguns profissionais trabalham em projetos concomitantes, apoiados por ambas as fundações de apoio a UFMA.

As ações da UNASUS/UFMA e Grupo de Pesquisa SAITE (CNPq/UFMA) não se resumem a ofertar cursos e desenvolver games. Vão muito além disso, haja vista a boa otimização dos recursos, e esses resultados podem ser observados com toda transparência. Apesar de reconhecer e estimular a importância do trabalho interinstitucional (nacional e internacional), a UNASUS/UFMA nunca deixou de valorizar os profissionais do Maranhão, o que pode ser facilmente constatado nas autorias de seus produtos científicos e ferramentas tecnológicas, incluindo uma ampla equipe docente do Maranhão. Como exemplo da expertise maranhense, confirma-se a contribuição da docente Christiana Leal Salgado, que em 2010 aprovou um Projeto bastante Inovador em Saúde Mental, no Ministério da Saúde e na UFMA, no qual foi, portanto, por mérito próprio coordenadora-geral, até o ano de 2014. E nesse mesmo ano, passou integrar o quadro de docentes da UFMA, após aprovação em concurso público.

Lamentamos os ruídos disseminados na mídia, envolvendo injustamente a UNASUS/UFMA. Ao espalhar-se boatos sobre a lisura dos processos e projetos da UNASUS/UFMA desrespeita-se o trabalho sério de maranhenses e brasileiros que estão há anos dedicando-se incansavelmente ao desenvolvimento científico do Maranhão. A UNASUS/UFMA com suas ações tem elevado, ainda mais, o respeito nacional e internacional do Estado e da UFMA na esfera das inovações na educação a distância.

Por fim, questiona-se: Por quê professores dedicados, competentes, detentores de reconhecido mérito acadêmico, dotados de um grande capital intelectual, que buscam oportunizar educação para tantos usuários de forma gratuita não podem receber bolsas de incentivo pelos seus incansáveis trabalhos acadêmicos, sempre pautados na lei? Ao invés de sofrerem críticas não deveriam ser reconhecidos pelo seu esforço e dedicação e pelo que conseguem disponibilizar a população?

Esperando-se ter esclarecido em definitivo as questões levantadas na mídia, agradecemos a todos os jornalistas e blogueiros que se interessam pela verdade dos fatos, e que, de forma responsável, publicam esta nota com a versão oficial dos fatos.

Coordenação Geral da UNASUS

HISTÓRICO DE PRODUÇÃO E PRINCIPAIS NÚMEROS DA UNASUS UFMA:

 -Mais de 360.000 matrículas no último triênio 2016/2017/2018;

– Mais de 45 livros publicados com ISBN nas temáticas de seus projetos;

– 26 capítulos de livro;

– Mais de 60 artigos científicos produzidos;

– 34 registros de sistemas realizados no Instituto Nacional de Propriedade Industrial, cujos autores abriram mão do direito patrimonial em nome da Universidade Federal do Maranhão;

– Primeira instituição da Rede UNASUS a trabalhar em formato mobile e com aplicativos de acesso gratuito para possibilitar a democratização do ensino, possibilitando o acesso ao conhecimento, mesmo em área remotas com limitação da Internet, disponíveis na SAITE STORE, biblioteca virtual da UNASUS/UFMA, Registro INPI BR 512016000066-0, disponíveis na Google Play e Apple Store;

– Mais de 260 aplicativos/e-books em saúde, distribuídos em doze áreas temáticas, com acesso livre e gratuito na SAITE STORE;

– Mais de 1300 lançamento no ARES – Acervo de Recursos Educacionais do Ministério da Saúde;

– Mais de 12 games produzidos na área da saúde;

– Mais de 90 ofertas educacionais realizadas;

– 07 prêmios entre nacionais e internacionais;

– Atualmente encontra-se trabalhando em cima de 52 produções de cursos, que deverão gerar por volta de 500.000 matrículas ou mais, oportunizando o acesso ao conhecimento para todos os locais do Brasil;

– Atualmente encontra-se trabalhando em cima de novas funcionalidades para a SAITEBOOKER 2.0, ferramenta de construção de e-books de acesso livre e gratuito desenvolvida pela UNASUS/UFMA de forma interinstitucional, com a propriedade Número do Registro no INPI: 512018000687-6 (www.saitebooker.com.br)

– Atualmente encontra-se trabalhando em cima de uma ferramenta de construção de e-books de acesso livre e gratuito desenvolvida pela UNASUS/UFMA em parceria interinstitucional, Número do Registro no INPI: 512018000687-6 (www.saitebooker.com.br);

– Atualmente encontra-se trabalhando em cima de uma ferramenta monitoramento de alunos e tutores, SAITE DATAMINING 2.0, de acesso livre e gratuito desenvolvida pela UNASUS/UFMA em parceria interinstitucional, Número do Registro no INPI da versão 1.0: 51 2016 00051-1;

– Atualmente encontra-se desenvolvendo um novo Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) com Inteligência Artificial, Business Inteligence e recursos de Gamificação, EducSAITE 2.0, em parceria interinstitucional, cujo lançamento está previsto para julho de 2019;

– Atualmente encontra-se desenvolvendo um game bastante inovador para saúde, com realidade aumentada, em parceria interinstitucional (UFMA, USP e UFPR), cujo lançamento está previsto para 2º semestre de 2019.

Homens são condenados por homicídio e ocultação de cadáver

A juíza Denise Pedrosa Torres, titular da 4a Vara da Comarca de Santa Inês, presidiu sessão do Tribunal do Júri na unidade judicial, na qual foram julgados os acusados Jhonatan dos Santos Reis, Luís Henrique Rocha Mendes e Werley Nogueira Leal. Os três réus estavam sendo acusados de praticar os crimes de homicídio, ocultação de cadáver e corrupção de menores. Todos foram considerados culpados pelos jurados do Conselho de Sentença. A vítima foi Denílson Matos Cassiano, que foi decapitada pelos e enterrada em cova rasa.

O réu Jhonatan dos Santos Reis recebeu a pena definitiva, somando-se os três delitos, de 18 anos e dois meses de reclusão. Já o réu Luís Henrique Rocha Mendes recebeu a pena definitiva de 18 anos de prisão. Por fim, o réu Werley Nogueira Leal recebeu a pena de 20 anos e sete meses de prisão. Todos as penas deverão ser cumpridas, inicialmente, em regime fechado. O promotor José Artur Del Toso Júnior atuou na acusação e o defensor público Eric Luiz Martins e o advogado Claudean Serra Reis atuaram na defesa dos réus.

Versa a denúncia oferecida pelo Ministério Público, que um dos acusados e mais os adolescentes que participaram do crime teriam sido agredidos por Denílson Matos e pretendiam se vingar. Para concretizar o assassinato, eles teriam contado com a ajuda de outras pessoas, a saber os réus Jhonatan dos Santos e Werley Nogueira. Na data de 9 de junho de 2017, no local conhecido como “Baixão” o adolescente teria marcado com a vítima para pagar uma dívida de drogas. Lá, esperando Denílson, estariam Werley, Jhonatan e Luís Henrique, acompanhados de um homem e mais alguns adolescentes.

Relata o inquérito policial que a vítima Denílson, assim que chegou ao local dirigindo uma motocicleta, foi atingida com uma paulada na cabeça, que teria sido desferida pelo acusado Luís Henrique. Ato contínuo, os menores passaram a atingir Denílson a golpes de facão, passando a arma de mão em mão, fazendo com que todos participassem do assassinato. Por fim, a vítima foi decapitada, tendo o ato sido gravado em vídeo pelo celular do acusado Jhonatan.

Em seguida, o acusado Werley Nogueira e os adolescentes teriam jogado o corpo e a cabeça de Denílson na cova. Em 14 de junho, o vídeo chegou ao conhecimento das autoridades policiais, que apreenderam um dos adolescentes, que teria contado os fatos de forma detalhada. Daí, a polícia partiu para a captura dos outros acusados.