Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Jovem codoense pede ajuda da população após ser diagnosticado com câncer maligno na língua

Com apenas 21 anos de idade, o codoense Marcos Guilherme dos Reis Sousa nunca imaginou que se vida fosse mudar tanto em tão pouco tempo.

O jovem, que antes esbanjava saúde e chegou a servir o Exército Brasileiro, agora depende da ajuda dos familiares para realizar tarefas simples para qualquer ser humano, como se alimentar, por exemplo.

Amigos entraram em contato com nossa equipe e explicaram que Marcos Guilherme vai fazer todo o tratamento através da rede estadual de saúde. Ele vai para o Hospital Macrorregional de Caxias e depois deverá ser transferido para o Hospital Macrorregional de Imperatriz.

O jovem está bastante debilitado e se alimenta através de uma sonda. Com poucas condições financeiras, a família precisa da ajuda dos codoenses para comprar medicamentos e alimentos.

A lista de alimentos que o jovem precisa inclui leite integral, farelo de aveia, suplente lácteo, amido de milho (maizena), batata, arroz, abobrinha, cenoura, frango triturado, couve, tomate sem sementes, óleo de soja e sal.

As doações podem ser feitas por meio de deposito ou transferência bancária: Banco do Brasil, Agência: 248-8, Conta Corrente: 54228-8, Maria de Jesus dos Santos Sousa. PIX celular: 99 988569887.

Endereço para as pessoas que não tenham dinheiro e queiram doar alimentos: Rua 19 de Abril, N° 66, Bairro Nova Jerusalém, em frente ao Campo do Vasco.

Mais de 300 alunos e ex-alunos suspeitos de fraude

Alvos de processos de investigação, 352 alunos e ex-alunos da Universidade Federal do Maranhão estão sendo convocados para provar que realmente atendem às exigências do sistema de cotas racial para ingresso na instituição federal.

A investigação, que já vinha sendo feita desde o início do ano passado, ganhou novos processos após uma campanha de denúncia feita em uma rede social, em junho do mesmo ano, expondo mais pessoas que supostamente teriam fraudado o sistema.

A partir de então, a Pró-Reitoria de Ensino da UFMA formou duas comissões: a primeira, de heteroidentificação; e a segunda, recursal, todas compostas por profissionais experientes na promoção de igualdade racial.

As denúncias de fraudes no sistema de cotas que chegaram, motivadas pela campanha, referem-se aos anos anteriores, quando o sistema era autodeclarado, segundo a Lei de Cotas nº 12.711, aprovada em 2012, que determinou às Universidades Federais a adoção das cotas raciais, usando como critério a auto declaração.

No fim do ano passado, a UFMA aprovou a resolução 1.899-CONSEPE-2019, que instituiu a Comissão de Validação da Declaração Étnico-Racial de Estudantes Pretos e Pardos da UFMA, para aferir a auto declaração e coibir possíveis fraudes.

“Essa comissão tem por atribuição entrevistar os candidatos nas vagas das cotas raciais para aferir suas características fenotípicas e verificar e validar a auto declaração étnico-racial deles”, explicou o presidente da comissão, Acildo Leite.

Nesta fase do processo, os denunciados estão apresentando suas defesas à Comissão da UFMA. Segundo a comissão, cerca de 99% dos investigados ainda tem algum vínculo com a universidade e fazem parte do rol de denúncias de quem ingressou na instituição do ano de 2015 em diante, quando era necessário apresentar apenas a auto declaração.  Agora, eles precisam fazer a entrevista presencial para validar o documento que apresentaram. Mesmo os que concluíram o curso foram convocados.

A OAB também acompanha os processos por meio da Comissão da Verdade da Escravidão Negra do Brasil. “Ano passado devido à alta demanda que existia de denúncias de fraude de cotas raciais na internet foi criado o Observatório de Cotas Raciais, então, dessas mais de 400 notícias que a gente enviou para a UFMA, foi feito um filtro, e desse filtro, 352 pessoas já formadas ou ainda cursando estão sendo chamadas para passarem pelo processo de heteroidentificação pela comissão da UFMA.

Caso não seja comprovado esse direito e ficando comprovada a fraude, a pessoa será desligada do curso, e quem tiver formado terá o seu diploma cancelado, porque é como se o processo tivesse se tornado nulo, como se não tivesse sido aluno da universidade”, explicou o presidente da Comissão da Verdade da Escravidão Negra do Brasil, Erik Moraes.

Apenas 25 se apresentaram

A convocação é por agendamento e as entrevistas são realizadas duas vezes por semana com capacidade para atender 25 por dia. Mas no quarto dia de agendamento apenas 25 estudantes haviam comparecido para se defender. Serão cumpridas 3 etapas de notificação: por e-mail, em seguida por AR (Aviso de Recebimento pelos Correios), e uma terceira notificação que será por edital.

 “Caso não haja comparecimento depois da terceira convocação, nós daremos andamento com o material que nós já temos coletado. Nós fizemos diligências reunindo documentação desse aluno, mas a gente também está cumprindo o rito de que o denunciado tem ampla defesa. Muitos deles já mandaram notificação de defesa por escrito, ou individual ou por meio de advogado. Mas poucos estudantes estão respondendo”, disse o o presidente da comissão, Acildo Leite.

Essa etapa do processo, que é a final para juntada dos documentos era para ter iniciada em abril, mas foi adiada em função da pandemia. Após o parecer da comissão será aberto um prazo recursal para aqueles que compareceram e tiveram sua defesa indeferida. Então, segundo Acildo, encerrando essa etapa no mês de julho, será aberto recurso com uma nova banca de avaliação. “Esta etapa de entrevistas, considerando o prazo de recurso de quem compareceu, será encerrada entre agosto e setembro. Ainda temos a convocação e reconvocação da grande maioria que ainda não compareceu, porque precisamos esgotar todas as formas de defesa desse estudante”, disse Acildo.

Observatório das Cotas Raciais

O dispositivo, criado pela  OAB Maranhão, em parceria com Defensoria Pública do Estado (DPE/MA) e a Defensoria Pública da União (DPU/MA) é um canal de denúncias de irregularidades e supostas fraudes ao sistema de reserva de vagas para candidato(a)s negro(a)s em concursos, processos seletivos e vestibulares nas Universidades Públicas e Concursos Públicos no Estado do Maranhão.

Além do crime de falsidade ideológica, a pessoa que usa indevidamente a cota racial, acaba por prejudicar o real sentido para o qual a Lei foi criada, retirando o espaço de quem, por direito, deveria ocupar.

“As fraudes subvertem a finalidade das cotas, que são uma medida de ação contra a desigualdade em um sistema que privilegia um grupo racial em detrimento de outros, estes, oprimidos perante a sociedade. As ações afirmativas seriam então uma maneira de colocar essas pessoas no mesmo patamar de concorrência”, afirmou o presidente da Comissão da Verdade da Escravidão Negra do Brasil, Erik Moraes.

As fraudes subvertem a finalidade das cotas, que são uma medida de ação contra a desigualdade em um sistema que privilegia um grupo racial em detrimento de outros, estes, oprimidos perante a sociedade.

Pelo menos 500 notícias de denúncias estão sendo recebidas pela OAB e encaminhadas para órgãos e instituições que tenham estabelecido cotas em seus concursos e seletivos. “A gente continua fiscalizando para que as cotas funcionem para a devida função social delas que é corrigir injustiças históricas, resquícios da escravidão que durou quase 400 anos aqui no Brasil”, apontou Erik Moraes.

A distribuição de vagas leva em consideração dados específicos. Na UFMA, as vagas raciais são oferecidas na ingressão por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e a porcentagem é selecionada de acordo com o percentual étnico do estado. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Maranhão, 76% da população é autodeclarada preta ou parda, e 0,5% é autodeclarada indígena. As cotas também envolvem fatores de classe, com critérios de estudantes egressos de escolas públicas ou estudantes com renda igual ou menor que 1,5 salário mínimo.

O Imparcial

Produção industrial cresce em maio, após queda em abril, aponta CNI

Sondagem Industrial, pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), aponta para resultados positivos em maio de 2021. A produção industrial, que tinha caído em abril, cresceu. O índice ficou em 52,8 pontos e é o melhor resultado para o mês desde 2017, o que indica um maio mais intenso do que os quatro anos anteriores. O índice varia de 0 a 100, com linha de corte em 50 pontos, os dados acima desse valor indicam crescimento e abaixo, queda na comparação com o mês anterior.

Além disso, o índice de evolução do número de empregados subiu para 51,1 pontos, se afastando da linha de 50 pontos. Já são 11 meses seguidos sem que o índice registre queda do emprego na indústria. A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) alcançou 70% em maio de 2021, após crescimento de dois pontos percentuais em relação a abril. A UCI se encontra 15 pontos percentuais acima da registrada em maio de 2020, que foi o primeiro mês de recuperação após a crise da primeira onda de Covid-19. O percentual é o maior para o mês desde 2014, quando alcançou 71%.

O índice de estoque efetivo em relação ao planejado registrou 49,2 pontos em maio, um recuo de 0,4 ponto na comparação com abril. Ainda assim, o índice permanece relativamente próximo à linha de 50 pontos que indica que os estoques estão próximos ao planejado pelas empresas.

O gerente de Análise Econômica, Marcelo Azevedo, explica que é importante notar que os estoques seguem próximos ao desejado. Esse fato, aliado a atividade positiva, se reflete nas expectativas positivas para os próximos meses. “É diferente do que ocorreu no ano passado, quando houve um pessimismo generalizado, em março e abril com o início da pandemia. Neste ano, mesmo em março, quando percebemos uma queda, os empresários nunca deixaram de ficar otimistas e, desde então, esse otimismo vem aumentando”, avalia.

Intenção de investimento aumentou em junho em relação a maio e segue acima da média histórica

 

O otimismo dos empresários industriais em relação aos próximos seis meses voltou a crescer em junho. O índice de expectativa de demanda aumentou 1,2 ponto em relação a maio e está 11,2 pontos superior ao registrado em junho de 2020. Esse é o maior nível do indicador em 2021. O otimismo em relação à exportação permaneceu praticamente constante em relação ao mês anterior: alta de 0,1 ponto.

A intenção de investimento aumentou em relação a maio e segue acima da média histórica. O índice de intenção de investimento alcançou 57 pontos em junho de 2021. Trata-se de alta de 1,2 ponto em relação a maio. O índice se encontra 15,6 pontos acima do registrado em junho de 2020.

Prefeitura de Peritoró reforma e reinaugura Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão

Foi reinaugurada nesta terça-feira (22) a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (AGED) de Peritoró. Na solenidade de abertura da agência estavam presentes o prefeito, Dr. Júnior, representantes da AGED, secretários de governo, vereadores e servidores municipais. Na ocasião o prefeito fez a doação de cerca de duas mil doses da vacina contra febre aftosa aos pequenos criadores de bovinos do município.

“A AGED em nossa cidade tinha sido deixada fechada, e isso prejudicava os nossos produtores, principalmente aos pequenos produtores, que tinham que se deslocar para Coroatá ou Codó, de certa forma deixando nosso município com uma inadimplência muito grande, no tocante a vacinação do gado bovino contra febre aftosa e a atualização cadastral. Com a reabertura da agência nossos produtores serão muito beneficiados”, explicou o secretário municipal de agricultura, Sandro Montenegro.

“Gostaria de agradecer ao prefeito Dr. Júnior, pela iniciativa reabertura do escritório da AGED, juntamente com o secretário de agricultura Sandro Montenegro, e dizer que pra nós é uma satisfação estar de volta aqui ao município de Peritoró”, destacou Ana Raissa, Gestora Regional da AGED.

Além de fazer a doação de quase duas mil doses da vacina contra febre aftosa, o prefeito disponibilizou um técnico para realizar a aplicação e o atestado sanitário aos pequenos produtores, não havendo necessidade de deslocamento do criador até a unidade da Aged na sede do município. “Dr. Júnior, como sempre, um prefeito compromissado e com a responsabilidade em desenvolver um bom trabalho para o município”, ressaltou a presidente da Câmara, vereadora Dona Lourdes.

”Agora não há mais a necessidade de deslocamento de nossos produtores para Coroatá ou Codó. Nossos criadores e produtores hoje contam com a agência da AGED em pleno funcionamento em nosso município. É isso que nós queremos: trazer mais serviços, mais dignidade e, acima de tudo, oportunidade para nosso povo crescer e se desenvolver”, concluiu o prefeito Dr. Júnior.

Asscom – PMP

Vereador Evimar Barbosa fala sobre a retomada dos trabalhos do Legislativo e apresenta Indicação para melhorias na iluminação pública

Durante a sessão 12ª Sessão Ordinária da Câmara Municipal, o vereador Evimar Barbosa falou sobre o retorno das atividades do Legislativo Municipal e a aprovação de sua Indicação pela melhora do serviço de iluminação pública. Com a Indicação Nº 166/2021, o edil solicitou ao Executivo que seja feito, em caráter de urgência, a reposição das lâmpadas dos postes na Rua do Acre, bairro São Francisco.

“Não paramos, estávamos juntos com a sociedade, fiscalizando, trabalhando e identificando as principais demandas do município. Apenas a Câmara estava fechada por conta da pandemia. No entanto estamos retomando com força total”, comentou. O parlamentar também afirmou que irá levar ao parlamento, semanalmente informações sobre a Lei que fala sobre o novo Marco Regulatório do Saneamento Básico e como Codó estará inserida nesse contexto.

Veja o resultado da enquete do Codo Noticias sobre os pré-candidatos a deputado estadual

O Blog Codo Noticias perguntou a seus leitores: Se as eleições fossem hoje, em quaem você votaria?

Segundo a enquete o atual deputado estadual Cesar Pires recebeu 136 votos com 30% das intenções. Em segundo aparece o jovem Amarildo Filho, com 114 votos 25% das intenções, Francisco Nagib aprece em terceiro com 90 votos 20% das intenções des votos,Pedro Neres em quarto com 78 votos 17 % de intenções de votos e Rodrigo Figueiredo em quinto com 40 votos 9% das intenções de votos

A enquete aconteceu de 15 a 22 de junho, levando em conta apenas as indicações de cinco candidatos que já manifestaram como pré-candidatos a deputados estaduais para as eleições de 2022.

A enquete revela a escolhas dos internautas diante do quadro atual e não tem caráter científico.

Em Codó, SAAE pagará R$ 12 mil por 07 meses de internet

O SAAE – Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Codó/MA pagará R$ 12.670,00 por 07 (sete) meses de internet. A informação foi publicada nesta segunda-feira (21/06) no Diário Oficial do Estado do Maranhão.

Contrato

Elaborado na modalidade Dispensa de Licitação, o Contrato nº 40/2021 tem por objeto a Prestação de serviços de aluguel de links de internet para atender as necessidades do SAAE – Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Codó/MA.

O valor total do Contrato é de R$ 12.670,00 (Doze mil seiscentos e setenta reais), dividido em 07 (Sete) parcelas mensais de 1.810,00 (Hum mil oitocentos e dez reais), e terá vigência até 31/12/2021.

Contratada

A ganhadora do contrato foi a empresa W C DA SILVA GOMES – ME inscrita no CNPJ nº 17.453.049/0001-00, situada na Rua Primeiro de Maio, nº 339, São Benedito, Codó – MA, representada pelo Sr. Weslly Crystyan da Silva Gomes. De acordo com a Receita Federal, a empresa possui capital social de R$ 100.000,00 (Cem mil reais).

STF abre 17º inquérito para investigar Renan Calheiros

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a abertura de mais um inquérito para investigar o senador Renan Calheiros (PMDB-AL). Desta vez, o foco das apurações são os possíveis desvios no Postalis, o fundo de pensão de funcionários dos Correios. Este é o 17º inquérito em curso no STF contra Renan. Além disso, ele também é réu em uma ação penal.

A decisão de Barroso foi tomada em 9 de agosto deste ano, a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O inquérito se baseia em várias delações, como as de Nelson Melo, ex-diretor do grupo Hypermarcas, do ex-senador Delcídio Amaral, e do doleiro Alberto Yousseff. Renan teria recebido propina do lobista Milton Lyra.

“No presente caso, um primeiro exame dos autos revela elementos de participação direta do Parlamentar nos fatos narrados. Não se está diante de notícia sem qualquer apoio indiciário ou de notícia fundada somente em denúncia anônima, devendo-se dar prevalência, diante disso, ao interesse da sociedade em ver esclarecidos os fatos. Como se vê dos autos, o relato é detalhado, e se fez acompanhar de termos de colaboração premiada, relatórios de inteligência financeira, tudo a demonstrar haver nos autos elementos suficientes para justificar a instauração de investigação para melhor apuração dos fatos, com a consequente realização das diligências requeridas”, avaliou Barroso.

Em nota, Renan negou as acusações: “Essa é uma história requentada e mais uma acusação do procurador sem provas. O ministro Teori (Zavascki, do STF, morto em janeiro deste ano) devolveu uma denúncia contra mim considerando-a inepta e outra já foi arquivada. Essa também será porque nunca tive lobista ou operador. Nunca autorizei que falassem em meu nome em nenhum lugar, muito menos na Postalis.”

A abertura de inquérito é apenas a primeira fase do processo. Agora, Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF) poderão produzir provas. Depois disso, o MPF poderá oferecer denúncia. Caso aceita pelo STF, é aberta ação penal e Renan passa à condição de réu. Só depois disso haverá o julgamento que definirá se ele é culpado ou inocente.

Em 23 de agosto, após pedido de Janot, Barroso também determinou o levantamento do sigilo do inquérito. E determinou que o caso fosse para a Polícia Federal (PF) para a realização de diligências. O primeiro relator do caso foi o ministro Edson Fachin, responsável pelos processos da Operação Lava-Jato, que trata de desvios na Petrobras. Como o caso de Renan não tem relação com a estatal, houve sorteio para definir novo relator, e o inquérito foi parar no gabinete de Barroso.

Prefeitura de Satubinha e Rede Amazônia debatem regularização e superação de conflitos urbanos

O prefeito Municipal de Satubinha, Orlando Pires Franklin, debate nesta quinta-feira, 24 de junho, a partir das 9 horas, na sede do poder público, a estrutura do Programa Morar, Conviver e Preservar a Amazônia (Rede Amazônia), uma parceria entre a Comissão de Regularização Fundiária da Universidade Federal do Pará (CRF-UFPA) e o Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR). As instituições vão trabalhar a regularização fundiária e a superação de conflitos socioambientais em mais de 112,44 hectares do território, conforme matrícula MA-211172298 registrada em cartório da cidade.
Para Cleison Costa, geógrafo da Rede Amazônia e integrante da CRF-UPPA, o Programa atua em uma rede de ensino, pesquisa e extensão e trabalha com a inovação, capacitação e assistência técnica em regularização fundiária urbana, prevenção de conflitos de naturezas socioambiental, habitacional e sanitária nos nove estados que compõem a Amazônia Legal. “Em 2015, pelos dados federais, residiam neste território 2.550 habitantes, informações que atualizaremos durante o processo da regularização fundiária na cidade” antecipa.
Participam do nivelamento de conhecimento sobre a Rede Amazônia as equipes da Procuradoria Municipal, secretarias municipais de Meio Ambiente, Tributos, Terras, Infraestrutura e Planejamento, além das interações com os setores jurídicos, cartorários da cidade e os agentes comunitários de saúde do território. “O intercâmbio de conhecimentos dos agentes comunitários com as famílias beneficiadas facilitará estabelecer as relações sobre a importância da política pública de regularização fundiária com a saúde pública nos bairros”, assinala Cleison.
Pela parte da tarde, a partir das 14 horas, haverá a apresentação e o treinamento sobre o Sistema de Apoio à Regularização Fundiária (SARF) para gestores municipais e do cartório. O Sarf é uma tecnologia social desenvolvida pela CRF-UFPA e o sistema (veja arte em anexo) coleta as informações sobre o perfil cadastral do terreno, do imóvel e os dados socioeconômicos e jurídicos das comunidades beneficiadas.
Haverá, ainda, pela parte da tarde, a elaboração de um cronograma de trabalho com os membros da prefeitura para formar um Grupo de Trabalho Municipal de Satubinha, pois será necessário realizar o cadastro socioeconômico da comunidade e levantar outros dados no território. Já no dia 25 de junho, sexta-feira, a partir das 8 horas, as equipes realizam o reconhecimento da cidade e trocam informações com as lideranças da comunidade, além de utilizar um drone para coletar os dados para elaborar a planta planialtimétrica do território. “Estes dados serão sistematizados para elaboração das plantas de parcelamento do solo, que devem ser aprovadas pela comunidade e, posteriormente, serem protocoladas no cartório local para promover a regularização e a superação dos conflitos socioambientais”, esclarece o geógrafo.
Por sua vez, Antonio Nascimento Barboza, servidor responsável pelo Setor de Regularização dos Imóveis Rurais e Urbanos da Prefeitura de Satubinha, que cursa Engenharia Agrônoma, a expectativa da parceria com a CRF-UFPA e o MDR é muito positiva. “O município é a quarta cidade mais pobre do Estado. Esta parceria é estratégica para avançar o ordenamento urbano da cidade e as melhorias sociais, urbanísticas e ambientais da comunidade. Nós temos a posse da área repassada ao município. Todos, indistintamente, têm o direito da sua segurança jurídica sobre a posse do lote e da moradia. Assim, com os documentos de posse das áreas regularizadas, será possível acessar os recursos e consolidar outras parcerias com os segmentos públicos e privados para reforçar o desenvolvimento planejado e sustentável para Satubinha e para as famílias no território”, assinala o servidor.
O Programa Morar, Conviver e Preservar a Amazônia foi lançado em 2019, no campus da UFPA, em Belém, e está estruturado em 12 universidades públicas amazônicas e atua em nove grupos de trabalhos estaduais, 26 instituições e três organizações sociais. “Das 17 cidades pré-selecionadas, oito já assinaram a adesão e estamos dialogando com outras prefeituras para interiorizar os avanços promovidos pela Rede Amazônia. A nossa meta é cadastrar 17 mil imóveis e formatar 17 plantas de parcelamento do solo aprovadas e protocoladas em cartório dos nove estados amazônicos para fins de registros cartoriais e superação dos conflitos socioambientais nos territórios”, finaliza Enivaldo Brito, especialista em Geotecnologias e Sensoriamento Remoto da CRF-UFPA.