Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

Olimpíadas de Tóquio: quanto ganha cada vencedor de ouro, prata e bronze

Os jogos das Olimpíadas de Tóquio começaram, e muitos atletas estão dando o máximo para subir ao pódio. Não somente para conquistar uma medalha. Mas também para vencer dinheiro.

A prática do reconhecimento pecuniário quando um atleta ganha uma medalha em Olimpíadas é presente há muito tempo nas federações esportivas do mundo todo.

Com modalidades diferente dependendo do país e também com detalhes curiosos.

Em termos absolutos, o Brasil é uma das nações que menos paga seus atletas quando ganham medalhas olímpicas.

Entretanto, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) decidiu aumentar de forma expressiva o pagamento para cada medalhista, chegando a multiplicar até 42 vezes o valor se comparado com as Olimpíadas de Rio 2016.

Para a Olimpíada de Tóquio 2020, aliás, o COB anunciou que os medalhistas individuais receberão:

  • R$ 250 mil em caso de medalha de ouro;
  • R$ 150 mil em caso de medalha de prata;
  • R$ 100 mil em caso de medalha de bronze;

Por sua vez, as equipes até seis atletas receberão:

  • R$ 500 mil em caso de medalha de ouro
  • R$ 300 mil em caso de medalha de prata
  • R$ 200 mil em caso de medalha de bronze

Por fim, as equipes com mais de seis atletas receberão:

  • R$ 750 mil em caso de medalha de ouro
  • R$ 450 mil em caso de medalha de ouro
  • R$ 300 mil em caso de medalha de ouro

Na edição realizada no Rio há cinco anos, o COB pagou R$ 35 mil aos brasileiros que subiram ao pódio individualmente, independentemente da medalha conquistada, e R$ 17,5 mil para quem ganhasse uma medalha em esportes coletivos.

Na edição carioca, o Brasil conquistou 19 medalhas:

  • sete de ouro
  • seis de prata
  • seis de bronze

terminando em 13º lugar no quadro geral.

Com isso, no total o pagamento foi de cerca de R$ 1,5 milhão

Olimpíadas podem gerar um pagamento de R$ 5,5 milhões

Esse aumento dos valores poderia representar esforço econômico consistente para o COB.

Se o Brasil realizar o mesmo resultado do que no Rio 2016, o valor pago para os atletas será superior a R$ 5,5 milhões.

“Essa premiação é oriunda de recursos privados do COB e é fundamentada em um dos nossos pilares: a meritocracia. Desejo a todos um excelente trabalho e tenham em mente, em primeiro lugar, a saúde de vocês”, disse Paulo Wanderley Teieira, presidente do COB, falando com os atletas antes do começo da Olimpíada.

O pagamento para os atletas tinha sido suspenso após os jogos de Athenas 2004 e retomados há cinco anos.

O objetivo do COB é posicionar o Brasil entre os dez melhores países do mundo no ranking de medalhas.

Cingapura é o país que paga mais

O país que mais pagará para seus atletas é Cingapura, com US$ 1 milhão (cerca de R$ 5 milhões) por cada ouro, US$ 500 mil pela prata e 250 mil pelo bronze.

Seguido pela Indonésia (respectivamente US$ 746 mil, US 378 mil, US 188 mil) e Cazaquistão (US$ 250, US$ 150 e US$ 75).

Por incrível que pareça, uma potência esportiva como a Grã-Bretanha não está incluída nesse ranking.

Isso pois Londres não prevê bônus específicos para cada medalha. Mas a cada ano o Reino Unido gasta cerca de US $ 162 milhões (em parte oriundos dos recursos das loterias) para financiar atletas de esportes olímpicos e paraolímpicos.

Em suma as Olimpíadas também têm seus custos. Não somente de infraestrutura, mas também de “capital humano”. 

China registra 1ª morte de humano devido a vírus raro de macaco

O Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças registrou a primeira morte de um ser humano pelo “vírus do macaco B”, ou herpes B. O vírus é prevalente entre macacos, mas extremamente raro e mortal quando transmitido para humanos.

O homem trabalhava em um instituto chinês de pesquisa especializado em reprodução de primatas e havia trabalhado na dissecação de dois macacos mortos em março.

Ele sentiu náuseas, vômitos e febre um mês depois, e morreu em 27 de maio. Suas amostras de sangue e saliva foram enviadas para o centro em abril, onde os pesquisadores encontraram evidências do vírus do herpes B. Dois de seus contatos próximos, um médico e uma enfermeira, testaram negativo para o vírus, disseram as autoridades.

Em humanos, esse tipo raro de vírus tende a atacar o sistema nervoso central e causar inflamação no cérebro, levando à perda de consciência, explicou Kentaro Iwata, especialista em doenças infecciosas da Universidade Kobe, no Japão, ao Washington Post. Se não for tratada, a taxa de mortalidade é de cerca de 80%.

Desde 1932, quando foi registrado o primeiro caso de transmissão de primata para humano, ocorreram menos de 100 relatos de infecções humanas de herpes B. Muitos deles na América do Norte, onde os cientistas tendem a estar mais atentos à doença, disse Iwata. É provável que haja casos do vírus que não foram detectados, mas os especialistas ainda acreditam que é uma doença extremamente rara entre os humanos.

Contato direto com macacos

As vítimas costumam ser veterinários, cientistas ou pesquisadores que trabalham diretamente com primatas e podem ser expostos a seus fluidos corporais por meio de arranhões, mordidas ou dissecações. Em 1997, a pesquisadora de primatas Elizabeth Griffin morreu seis semanas depois que um macaco enjaulado jogou uma gota de líquido em seu rosto, atingindo seu olho.

Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, houve apenas um caso documentado de um ser humano infectado espalhando o vírus para outra pessoa.

Tanto o vírus do herpes B quanto o novo coronavírus são “consequências dos saltos virais entre as espécies”, disse Nikolaus Osterrieder, reitor do Jockey Club College of Veterinary Medicine and Life Sciences em Hong Kong, ao Washington Post.

Os saltos virais ocorrem quando um vírus adquire a capacidade de infectar e se espalhar entre indivíduos de uma nova espécie de hospedeiro. Exemplos históricos de vírus de animais que invadiram hospedeiros humanos incluem HIV (de chimpanzés), coronavírus Sars (de morcegos) e vírus influenza A (de pássaros).

Osterrieder disse que o vírus do herpes B é muito bem adaptado aos macacos e é improvável que sofra mutações de forma que comece a se espalhar rapidamente entre os humanos. No entanto, ele e Iwata enfatizaram que esperam que mais pessoas aprendam sobre a doença e tomem as precauções de segurança corretas, especialmente ao interagir com macacos em ambientes não relacionados à pesquisa, como em um zoológico ou na natureza.

Fonte:UOL

Protestos em Cuba: entenda 3 pontos cruciais que levaram milhares às ruas

Milhares de cubanos foram às ruas neste domingo (11/7), no que já é o maior protesto da história recente no país. Pela primeira vez em mais de 60 anos, pessoas protestaram em cerca de 20 vilarejos e cidades em toda a ilha gritando “liberdade” e “abaixo a ditadura”.

Com a propagação das manifestações, o presidente do país, Miguel Díaz-Canel, fez um pronunciamento na TV para convocar seus apoiadores a tomarem as ruas para “confrontar” os manifestantes.

“A ordem de combate está dada: os revolucionários devem ir para as ruas”, disse ele, que atribuiu a atual crise que atravessa a ilha ao embargo dos Estados Unidos e às medidas do governo Donald Trump. Os protestos começaram na cidade de San Antonio de los Baños, no sudoeste de Havana e, desde então, se espalharam por todo o país.

“Isso é pela liberdade do povo, não aguentamos mais. Não temos medo. Queremos uma mudança, não queremos mais ditadura”, disse, por telefone, um manifestante em San Antonio.

Segundo Alejandro, que participou do protesto em Pinar del Río, o protesto em sua província começou depois de as pessoas verem o que estava acontecendo em San Antonio de los Baños por meio das redes sociais.

“Vimos o protesto nas redes e começou a sair gente. Hoje é o dia, não aguentamos mais”, disse o jovem por telefone. “Não há comida, não há remédio, não há liberdade. Eles não nos deixam viver. Já estamos cansados”, acrescentou.

Em contato com o Centro de Imprensa Internacional, única instituição governamental autorizada a dar declarações à imprensa estrangeira, para saber a posição do governo cubano, não houve resposta até a conclusão desta reportagem.

Os protestos deste domingo (11/7), que foram duramente reprimidos, de acordo com vários vídeos e relatos nas redes sociais, são um evento extremamente incomum em uma ilha onde a oposição ao governo não é permitida.

Como, então, explicar que milhares de cubanos tenham saído às ruas por toda a ilha?

Há três pontos chave para entender esta crise.

1. A crise do coronavírus

Os protestos na ilha parecem ser resultado do esgotamento acumulado da população. Esse esgotamento aumentou nos últimos meses com uma das maiores crises econômicas e de saúde que a ilha viveu desde o chamado “período especial” (a crise no início dos anos 1990 após o colapso da União Soviética).

O gatilho para a situação atual parece ser um misto da gravidade da situação da pandemia da COVID-19 e as medidas econômicas do governo que têm dificultado cada vez mais a vida em Cuba.

A ilha manteve a pandemia sob controle nos primeiros meses de 2020, mas houve um aumento de casos nas últimas semanas que a levou a estar entre os locais com mais casos proporcionais registrados na América Latina.

Somente no domingo, a ilha registrou oficialmente 6.750 casos e 31 mortes, embora vários grupos de oposição denunciem que os números não refletem a situação real e que muitas mortes por covid-19 são atribuídas a outras causas.

Durante a última semana, o país quebrou seus recordes diários de infecções e mortes, o que levou, segundo relatórios, ao colapso de vários centros de saúde.

Vários cubanos afirmam que seus parentes morreram em casa sem receber atendimento médico ou em hospitais por falta de remédios, enquanto vários vídeos de hospitais superlotados circulavam na internet.

Em seu pronunciamento à nação, o presidente cubano considerou que a situação atual é igual à de outros países e que chegou tarde a Cuba porque antes o governo havia conseguido controlar o vírus.

Também destacou que Cuba produziu suas próprias vacinas contra o coronavírus, embora a administração das doses ainda seja limitada na maioria das províncias.

2. A situação econômica

 

O coronavírus teve um profundo impacto na vida econômica e social da ilha. O turismo, um dos motores da economia cubana, está praticamente paralisado. Além disso, há inflação crescente, apagões, escassez de alimentos, medicamentos e produtos básicos.

No início do ano, o governo propôs um novo pacote de reformas econômicas que, ao aumentar os salários, fez disparar os preços. Economistas como Pavel Vidal, da Universidade Javeriana de Cali, na Colômbia, estimam que podem subir entre 500% e 900% nos próximos meses.

Dada a falta de liquidez em moeda estrangeira, o governo promoveu desde o ano passado a criação de lojas onde só se pode comprar com contas em moedas livremente conversíveis (MLC). Alimentos e bens de primeira necessidade são vendidos em moedas nas quais a população não recebe seu salário.

A pandemia também foi sinônimo de longas filas para os cubanos comprarem produtos como óleo, sabonetes ou frango, e cortes de energia tornaram-se cada vez mais frequentes.

Os medicamentos básicos tornaram-se escassos tanto nas farmácias como nos hospitais, e em muitas províncias houve a venda de pão à base de abóbora por falta de farinha de trigo.

3. Acesso à internet

Antes deste domingo, o maior protesto ocorrido em Cuba após o início da revolução de Fidel Castro, de 1959, havia acontecido em agosto de 1994 em frente ao Malecón de Havana.

Cubanos em outras províncias nem sabiam o que havia acontecido na capital.

Quase 30 anos depois do que ficou conhecido como “Maleconazo”, o cenário é muito diferente: se no governo de Fidel Castro o acesso à internet na ilha era restrito, seu irmão e sucessor, Raúl Castro, deu passos inaugurais que levaram a uma maior conectividade.

Desde então, os cubanos têm utilizado as redes sociais para denunciar seu incômodo com o governo a tal ponto de, em muitas ocasiões, as autoridades usarem seus meios de comunicação oficiais para emitir posicionamentos sobre tais comentários.

Hoje, grande parte da população, principalmente os jovens, tem acesso ao Facebook, Twitter e Instagram, que também são seus principais canais de informação sobre o discurso oficial da mídia estatal.

O acesso à internet também levou ao surgimento de vários meios de comunicação independentes que se debruçam sobre assuntos que geralmente não apareciam na mídia oficial.

E se tornaram o canal para que artistas, jornalistas e intelectuais reivindiquem seus direitos ou convoquem protestos.

E, agora, as redes sociais também foram o meio em que se espalhou a notícia do protesto de San Antonio no domingo (11/7), além de ter sido a ferramenta usada para organizar o protesto inicial.

O governo cubano garante que as redes sociais são utilizadas pelos “inimigos da revolução” para criar “estratégias de desestabilização” que seguem os manuais da CIA.

E embora para muitos os protestos fossem um tanto previsíveis, o que deve acontecer agora é incerto.

Cuba enfrenta um cenário sem precedentes de manifestações e repressão policial. Será preciso observar nos próximos dias como o governo — e os cubanos — vão reagir.

Conheça os passatempos favoritos de esportistas famosos

Os esportistas mais conhecidos do mundo atraíram a atenção dos holofotes por um alto desempenho nas quadras, piscinas e mesas do planeta. Muitos deles contam com hobbies igualmente surpreendentes e aqui será possível conhecer alguns deles.

Alguns esportistas surpreendem e gostam de se divertir com passatempos “nerds”

A princípio a combinação pode parecer inesperada, mas existe um número significativo de estrelas do esporte que gostam de coisas consideradas “nerds” e contam com passatempos relacionados à cultura pop.

Maior medalhista de todos os tempos na natação, não é surpresa que Michael Phelps seja apaixonado pela internacionalmente famosa franquia de games de tiro em primeira pessoa Call of Duty.

O jogo demanda um alto nível de concentração e as partidas podem ser muito intensas, de forma que o atleta inclusive já recebeu diversas críticas da imprensa em relação ao grande número de horas dedicadas a esse hobby.

Entretanto, os julgamentos se mostraram infundados e na realidade parece que o foco dispendido no game o ajudou a alcançar os diversos recordes e número de medalhas sem precedentes na natação.

Outro esportista famoso que não esconde a predileção por um passatempo nerd é o craque Ricardo Lucarelli de Souza. Apaixonado desde sempre pelo clássico dos animes Cavaleiros do Zodíaco, o campeão olímpico de vôlei conta com diversos adereços e roupas dessa e outras séries como Game of Thrones.

Inclusive, Lucarelli é tão fã da cultura nerd de maneira geral que já fez uma aparição espontânea na edição de 2019 da Game XP, uma mistura única de feira de games e parque de diversões.

Vale mencionar ainda que, junto da abertura de empresas e novos negócios, o segmento nerd e cultura pop é um dos que mais cresce no Brasil e cada vez mais craques devem aderir a hobbies relacionados a esse universo.

Muitos atletas são fãs de jogos de cassinos

Conhecido por ser um dos maiores jogadores de basquete da história e um dos principais analistas do programa “Inside the NBA” da TNT, Charles Wade Barkley também é um grande fã dos variados jogos de cassino.

Nascido e criado no Alabama, o atleta conquistou o público com atuações brilhantes tanto nas equipes Houston Rockets e San Antonio Suns quanto nos Dream Teams dos anos 90.

Barkley é um grande fã de blackjack, modalidade mais matemática e estratégica do universo dos cassinos, e é um dos clientes regulares em diversos estabelecimentos espalhados pelos Estados Unidos – locais onde passa noites jogando e vencendo.

Outro craque do basquete que é apaixonado por jogos desse tipo é Michael Jordan e durante sua pausa no esporte das quadras o atleta costumava ser visto aproveitando as noites em Atlantic City.

Diferente de Barkley, Jordan não tem uma preferência específica por uma única modalidade e pratica todo tipo de jogo durante horas. Inclusive, amigos próximos do astro revelaram que ele adora apostar alto e já chegou a gastar mais de 165 mil dólares em uma única noite.

Estrelas do esporte também têm a leitura como passatempo favorito

Além de passatempos nerds e jogos de cassino, outro tipo de hobby que conquistou diversos atletas é a leitura. Um dos principais é o jogador de futebol Francisco Geraldes da equipe Rio Ave, que já compartilhou sua predileção pelos livros várias vezes com o público.

Nascido e criado em Portugal, Alves é um dos craques em maior evidência no futebol do país. Seu hobby foi descoberto originalmente em 2017 quando foi fotografado lendo um livro enquanto voltava para casa após uma partida. Desde então, ele tem compartilhado suas leituras de forma esporádica.

Inclusive, o amor do jogador pela literatura deu um passo adiante no começo de 2021 quando ele começou um clube do livro no site do Rio Ave para promover a leitura entre os fãs do esporte e conversar de forma mais direta e abrangentes sobre seus autores e obras favoritos.

Muitos outros esportistas e passatempos

Os nomes mencionados acima são apenas alguns dos grandes esportistas e seus hobbies. Existem muitos outros que poderiam ser citados, com destaque para Galvão Bueno e Tadeu Schmidt, que adoram jogar golfe, assim como o tenista Joh Isner, que é fã de wrestling.

Video: Em entrevista jogador codoense Rodrigo Maranhão fala sobre seu novo club o Phrae United (Tailândia)

Rodrigo Maranhão (nascido em 11 de dezembro de 1992) é um brasileiro de futebol jogador de Phrae United .

Rodrigo Maranhão
Informações pessoais
Nome completo Rodrigo Meneses Quintanilha
Data de nascimento 11 de dezembro de 1992 (28 anos)
Local de nascimento Codó , Maranhão , Brasil
Altura 1,72 m (5 pés 8 pol.)
Cargos Avançar
Informação do clube
Time atual
Phrae United
Carreira juvenil
Atlético Goianiense
Carreira sênior *
Anos Equipe Apps Gls )
2015 União Barbarense 18 (11)
2015 Bragantino 7 (0)
2016–2017 Port FC 31 (10)
2017 Sukhothai FC 14 (6)
2018 Zweigen Kanazawa 31 (9)
2019 Bucheon FC 9 (0)
2019 Nongbua Pitchaya 1 (0)
2020 Lampang 4 (0)
2020–2021 Água santa 0 (0)
2021- Phrae United 0 (0

Homem dá perda total em Ferrari alugada em primeira saída do carro

A Royalty, locadora de carros de luxo de Las Vegas, registrou em vídeo o processo de recuperação de uma Ferrari F8 Tributo batida por um cliente. O carro havia sido recém-adquirido pelo empreendimento e fazia apenas sua primeira viagem, tendo menos de 500 km rodados ao todo.

Entretanto, o modelo exige capacidades do motorista para domar seus 710 cv de potência, algo que certamente o homem – que não quis ser gravado pelas câmeras – descobriu. Na verdade, ele alega que acabou batendo o carro em uma pedra que estava no meio da rua a cerca de 70 km/h. Depois do impacto, ele diz que acabou saindo com o carro sem controle para o canteiro central, antes de parar a Ferrari danificada.

No entanto, o time chega ao local e começa a duvidar da história do cliente. O airbag da porta do lado do motorista foi acionado e as duas rodas do lado esquerdo estavam quebradas. Depois de examinarem a estrada, a teoria de que o homem perdeu o controle do carro em alta velocidade e bateu nas guias do canteiro central ganha força. Nenhuma avaria é vista na parte dianteira do veículo.

No fim, depois de levar a Ferrari para a oficina, a locadora descobre que a Ferrari sofreu perda total, já que o chassi de fibra de carbono logo atrás da roda dianteira esquerda havia se partido logo na junção com a suspensão.

Confira (vídeo em inglês):

 

 

Mulher é surpreendida ao descobrir saldo de R$ 5 bilhões em conta bancária

Durante uma ida de rotina até o caixa eletrônico, a norte-americana Julia Yonkowski se surpreendeu ao conferir o saldo bancário e encontrar quase US$ 1 bilhão em sua conta, o que equivale a pouco mais de R$ 5 bilhões na cotação atual.

O incidente inusitado ocorreu no sábado (19), na cidade de Largo, no da Flórida. A intenção era sacar apenas US$ 20, ou cerca de R$ 100, em um caixa do banco Chase Bank.

Yonkowski relatou todo o ocorrido à estação WFLA, afirmando que, ao contrário do que se pode pensar, não ficou feliz com a descoberta.

“Meu Deus, eu fiquei horrorizada. Sei que a maioria das pessoas pensaria que ganhou na loteria, mas fiquei horrorizada”, garantiu ela, ao veículo de notícias.

“Quando eu solicitei os US$ 20, a máquina voltou e disse: ‘nós daremos a você os US$ 20, mas isso será um saque a descoberto e você será cobrado’ e eu disse: ‘Ah, esqueça'”, recordou Yonkowski, deixando claro que, inicialmente, o banco indicou que ela queria sacar mais do que tinha de saldo.

Foi nesse momento que ela tirou o extrato e descobriu o valor bilionário, incompatível com a mensagem. Desde a surpresa, a norte-americana disse que não mais movimentou sua conta.

“Eu li histórias sobre pessoas que pegaram o dinheiro ou tiraram dinheiro, e então tiveram que reembolsar, e eu não faria isso de qualquer maneira porque não é meu dinheiro”, explicou ela.

A norte-americana contou ainda que tentou contatar o Chase Bank várias vezes, mas não conseguiu ajuda no sistema automatizado da instituição bancária e não teve acesso a nenhum atendente para ajudar com a situação.

Ela disse que pretende voltar a uma agência física do banco ainda essa semana, mas que teme perder dinheiro com a confusão do sistema bancário. “Isso me assusta porque você conhece as ameaças cibernéticas. Sabe, não sei o que pensar”, lamentou Yonkowski.

Quais são os destinos mais procurados por turistas brasileiros?


Sabemos que descansar, viajar e relaxar faz toda a diferença nas férias, não é mesmo? Principalmente neste momento em que o mundo está parado devido ao vírus que simplesmente deu uma pausa no planeta.
O turismo aos poucos vai voltando ao normal com as pessoas retomando a vida profissional, acadêmica, e até mesmo o turismo. Vamos ver agora os principais destinos que o brasileiro mais curte. Pense nas sugestões e faça as malas!
Para onde o brasileiro gosta de viajar?
O brasileiro adora viajar, portanto, tirar aquele seguro viagem internacional e fazer as malas, pegar o visto é o sonho da maioria das pessoas neste momento.
● Roma
Um dos destinos mais populares que o brasileiro mais curte é a capital italiana. Vale mesmo a pena dar um pulo em Roma e experimentar a famosa pizza local, bem como ir ao Coliseu, aos teatros, museus, e muitas outras atrações.
● Londres
Ainda na Europa, vamos até a Inglaterra e conhecer Londres. O Palácio da Rainha é um local encantador, além dos museus, o Rio Tâmisa, enfim, uma cidade que possui um charme único.
● New York
Vamos atravessar o oceano e desembarcar nos Estados Unidos até a Big Apple, a famosa New York. Uma cidade viva, uma cidade que não pára um segundo, são carros, turistas, compras, muitos locais para visitar, enfim, muita coisa para fazer naquela encantadora cidade. Broadway, Quinta Avenida, etc são atrações imperdíveis.
● Miami
Vamos ainda nos Estados Unidos pegar uma ponte aérea e irmos até a Flórida e visitar Miami. Ela é famosa pelas compras dos brasileiros que estão sempre atentos as promoções de eletrônicos, roupas, e muito mais. Ainda em Miami podemos pensar em ir a Disney e visitar os famosos parques locais! É de tirar o fôlego.
● Buenos Aires
Buenos Aires é uma cidade belíssima também, famosa pela gastronomia. Argentina é bem perto do Brasil e você poderá conhecer o famoso tango, e visitar locais, tais como parques, museus, teatros, e muito mais.
● Santiago
Vamos até o Chile ainda na América do Sul. Outra cidade que os brasileiros admiram e muito. São paisagens impressionantes e que merecem a sua atenção. Outro local perto do coração dos brasileiros. Vale a pena dar um pulo lá.
● Praias do Rio de Janeiro
Claro que conhecer o Brasil é primordial antes de sair do país. Existem prais maravilhosas no estado do Rio de Janeiro, tais como Copacabana, Ipanema, Cabo Frio, Arraial do Cabo, e muitas outras. Vale a cada centavo do seu investimento.
● Praias do Nordeste
O nordeste do Brasil é muito rico mesmo! Vale a pena visitá-lo. São belas cidades que estão ao nosso dispor. Maceió, Salvador, Fortaleza, e muito mais. Claro que devemos falar da culinária local que merece toda a sua atenção.
● Minas Gerais
Minas Gerais não tem praias, mas existe um charme especial nas cidades histórias, tais como Ouro Preto, Tiradentes, Mariana, e muitas outras. O artesanato local é muito forte, e claro, a comida mineira que é uma das mais populares do Brasil.

Nova pandemia? Cientistas alertam sobre vírus da gripe

Quase um ano e meio após a expansão do SARS-CoV-2 da cidade de Wuhan, na China, para o mundo, cientistas desse mesmo país alertam para a necessidade de estarem vigilantes frente ao vírus da gripe aviária H5N8, a Espécie tipo A do vírus influenza.

Gao Fu, diretor do Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças e Shi Weifeng, chefe do Instituto de Biologia Patogênica da Primeira Universidade Médica de Shandong, alertaram sobre a disseminação desse vírus, que foi isolado pela primeira vez em 2010 em um pato de um mercado de Jiangsu na China.

Em 2014, esse vírus foi encontrado em aves domésticas e selvagens no Japão e na Coréia do Sul, animais que permitiriam “uma rápida expansão global” do vírus da influenza H5N8 devido às suas características migratórias.

Embora isso não signifique a chegada de uma nova pandemia, mas deve ser um motivo para estudo cuidadoso pela comunidade científica. Esse subtipo é menos infecciosos para humanos, mas sua patogenicidade começou a aumentar nos últimos anos, razão pela qual esses cientistas pedem pesquisas aprofundadas, pois é altamente prejudicial para as aves.

Fu e Weifeng alertaram sobre o vírus devido a um episódio ocorrido em meados de fevereiro na Rússia, em que sete trabalhadores de uma granja demonstraram os primeiros casos desse subtipo em humanos, embora com sintomas leves. Ana Popova, diretora da agência de saúde Rospotrebnadzor na Rússia, tornou pública essa situação para que, se necessário, “o mundo todo tivesse tempo de se preparar”, revelou ela.

No entanto, ele acrescentou que, embora o vírus “tenha cruzado a barreira das espécies, esta variante não é transmitida entre pessoas, pelo menos por enquanto”.

46 países no mundo observaram surtos do vírus H5N8 entre comunidades de aves, incluindo a Espanha, onde foram encontrados três animais infectados, e na China, onde o Ministério da Agricultura relatou um surto em um parque natural em Nagqu, na província do Tibete .

O pedido de ambos os cientistas é controlar o cuidado da fazenda, não consumir pássaros selvagens e continuar pesquisando esse vírus e seu possível desenvolvimento para cortar pela raiz um possível problema global futuro.

Fonte:Istoé

Homem “desaparece” no dia do casamento e noiva se casa com amigo dele

Um homem decidiu sumir momentos antes do próprio casamento. Acontece que a noiva dele, desamparada com o “desaparecimento” do amado, casou-se com um amigo dele durante cerimônia realizada em Maharajpur, na Índia. O episódio ocorreu na semana passada.

O casal prestes a se casar havia acabado de fazer o jaimala — a troca de guirlandas, um ritual importante na cultura dos casamentos indianos. Depois que o rapaz sumiu, instalou-se uma busca pelo noivo em meio ao local, sem sucesso.