Codó Notícias - O melhor e mais completo site da Região dos Cocais

China admite que Coronavac tem baixa eficácia e poderá misturar vacinas

Vacinação drive thru na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), zona norte do Rio. A cidade do Rio de Janeiro retoma hoje (25) sua campanha de aplicação da primeira dose da vacina contra a covid-19 em idosos da população em geral. Hoje serão vacinados os idosos com 82 anos.

A autoridade máxima de controle da Covid-19 na China admitiu, em uma coletiva de imprensa, que as vacinas chinesas contra Covid-19 têm baixa eficácia e que o governo chinês está considerando misturar vacinas para melhorar sua efetividade, segundo o jornal The Washington Post. A Coronavac, produzida com insumo chinês, é a vacina mais aplicada no Brasil contra o coronavírus até o momento.

As vacinas feitas por duas empresas estatais chinesas – Sinovac e Sinopharm – foram exportadas para 22 países, incluindo o Brasil. Outros países que receberam as vacinas chinesas são México, Turquia, Indonésia e Hungria.

“As vacinas chinesas não têm taxas de proteção muito altas”, afirmou Gao Fu, diretor do Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), em uma conferência realizada na cidade de Chengdu. O governo chinês distribuiu centenas de milhares de doses no exterior, ao mesmo tempo em que questionava a eficácia da vacina da Pfizer e BioNTech. “Agora está sendo formalmente avaliado se devemos usar diferentes vacinas de diferentes linhas técnicas para o processo de imunização”, afirmou o representante da China.

Segundo o jornal, os membros do governo não responderam diretamente perguntas sobre o comentário de Gao, ou sobre possíveis mudanças nos planos oficiais. Mas outro representante da CDC disse que os pesquisadores estão trabalhando em vacinas baseadas em RNA mensageiro (RNAm), como é o caso da vacina da Pfizer.

“As vacinas de RNAm desenvolvidas em nosso país também entraram em fase de testes clínicos”, disse Wang Huaqing, sem detalhar uma data para possível aplicação da vacina. De acordo com especialistas, misturar vacinas pode melhorar a eficácia da imunização. No Reino Unido, pesquisadores estão estudando a combinação da vacina da Pfizer-BioNTech com a da AstraZeneca.

A pandemia do coronavírus, que começou no final de 2019 na China, marcou a primeira vez em que a indústria farmacêutica chinesa atuou na resposta a uma crise de saúde global. A eficácia da vacina da Sinovac – Coronavac – foi identificada em 50,4% por pesquisadores no Brasil. Em comparação, a da Pfizer-BioNTech tem eficácia de 97%.

Coronavac, com insumo da chinesa Sinovac, é a mais usada no Brasil

Segundo dados do Sistema Único de Saúde (SUS), oito em cada 10 doses contra o novo coronavírus no Brasil até agora são da Coronavac. Desde janeiro, o instituto já entregou 38,2 milhões de doses – 22,7 milhões apenas em março. O insumo da Coronavac, produzida no Butantan, é fornecido pela chinesa Sinovac.

A vacina de origem chinesa não devem ser vendidas nos Estados Unidos, Europa ocidental ou Japão devido à complexidade do processo de aprovação, segundo o The Washington Post. Além disso, a China nunca apresentou dados de eficácia da vacina usada no Brasil, o que inibiu a tentativa de entrar nos países desenvolvidos.

Os dados apresentados sobre a eficácia da Coronavac em janeiro de 2021 eram do Instituto Butantan. Na ocasião, foi informado que resultado global de eficácia da vacina Coronavac de 50,38%.

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

OMS diz que imunizados com as duas doses da vacina ainda podem pegar Covid-19

Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um alerta nesta terça-feira, 6, sobre casos de contaminação pelo novo coronavírus em pessoas que já receberam as duas doses da vacina contra a Covid-19. “Há pessoas que, embora estejam imunizadas, podem se infectar”, disse a porta-voz da agência, Margaret Harris, durante uma entrevista coletiva. A representante ressaltou, no entanto, que as vacinas continuam sendo uma boa ferramenta no combate à pandemia, desde que sejam respeitadas as recomendações de distanciamento social e higiene pessoal. No último sábado, 3, o presidente da ArgentinaAlberto Fernández, anunciou através do seu perfil oficial no Twitter que está com a Covid-19, apesar de ter recebido a primeira dose da vacina russa Sputnik V em janeiro e a segunda, em fevereiro. No dia seguinte, a médica presidencial garantiu que o fato de ter sido imunizado fez com que o chefe de governo não desenvolvesse um quadro de saúde pior. A informação foi reiterada pelo Instituto Gamaleya, que afirmou que a vacina desenvolvida na Rússia é 91,6% eficaz contra infecções e 100% eficaz contra casos graves, de forma que o presidente argentino deve ter uma recuperação rápida, sem o desenvolvimento de sintomas mais significativos.

Rússia continuará fornecendo vacinas à Argentina

Nesta segunda-feira, 5, Alberto Fernandéz conversou por telefone com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, que ligou para saber sobre o seu estado de saúde. Fernández agradeceu e disse que está passando pela doença “suavemente e sem sintomas”, graças aos “efeitos positivos da vacina Sputnik V”. O argentino também ressaltou que os resultados da campanha de vacinação em seu país “são excelentes e sem efeitos adversos”. Quanto ao pedido de um “envio regular de vacinas” à Argentina, Putin frisou que o fornecimento “continuará como combinado”, de acordo com um comunicado presidencial russo. A Argentina já adquiriu 7.266.500 milhões de doses da vacina contra a Covid-19, a maioria delas vindas da Rússia (4.468.100). Além da Argentina, a Sputnik V já está sendo distribuída em outros 16 países estrangeiros. No Brasil, a Anvisa ainda está analisando o pedido de uso emergencial da vacina, mas recentemente as cidades do Rio de Janeiro, Niterói e Maricá já fecharam contratos para compra de doses.

Putin não revelou se recebeu a Sputnik V

O presidente da Rússia, Vladmir Putin, recebeu a primeira dose de um imunizante contra a Covid-19 no dia 23 de março. No entanto, a vacinação do mandatário de 68 anos aconteceu sem a presença das câmeras e o governo se recusou a revelar qual imunizante foi utilizado. “Todas as três vacinas russas são absolutamente confiáveis, seguras e eficazes”, limitou-se a dizer o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em entrevista coletiva, referindo-se à Sputnik V, à EpiVacCorona e à CoviVac. De acordo com a mídia russa, a expectativa do governo é que o fato de Putin ter recebido a injeção estimule a campanha de vacinação contra novo coronavírus, que está tendo pouca adesão da população.

*Com informações da EFE

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Idosa entrega bilhete denunciando maus-tratos da filha durante vacinação

Uma idosa, de 85 anos, aproveitou que foi levada para ser vacinada contra a Covid-19 e entregou um bilhete de socorro aos enfermeiros, pedindo para ser resgata da própria família. Segundo a idosa, ela sofria maus-tratos e era mantida trancada em casa. O caso aconteceu em Iztapalapa, na Cidade do México, no México.

No bilhete entregue, a idosa afirma que era mantida condições deploráveis e humilhantes. Após lerem o conteúdo, os funcionários acionaram agentes da Secretaria de Segurança e Cidadania que estavam no local, e apontaram o casal que a acompanhava.

O casal é composto pela filha da idosa, de 39 anos, e o genro, de 59. Ambos foram detidos e apresentados a membros do Ministério Público. A idosa foi levada para um local seguro.

Fonte:ISTOÉ

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Vídeo mostra momento em que o músculo peitoral do fisiculturista se rasga na academia

Um vídeo impressionante registrou o momento exato em que o músculo peitoral do fisiculturista Ryan Crowley, de 23 anos, rasgou durante um treino em uma academia de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, na última semana. (Assista abaixo).

Nas imagens é possível ver que Ryan executa o exercício chamado supino com a supervisão de seu treinador Larry Wheels. Enquanto ele abaixa o peso em direção ao peito, fazendo muita força, o músculo simplesmente se rompe e ‘pula’.

Ryan disse que o músculo foi rompido “diretamente do osso” e ele precisou ser operado no King’s College Hospital, em Dubai. Em  uma postagem feita em seu Instagram, ele explicou que a cirurgia deveria durar apenas 1 hora, mas levou 4 horas, já que o médico precisou reconstruir completamente seu peitoral.

Larry criou uma página GoFundMe para ajudar a arrecadar fundos para a cirurgia de Ryan. Segundo o treinador, o fisiculturista é do Reino Unido e seu seguro não cobriu suas despesas médicas em Dubai.

Fonte Ricmais

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Conferência Mundial Online ultrapassa as barreiras Inter denominacionais e de distância.

Nos dias 16 a 20 de Março, o Congresso Mundial de Líderes Cristãos-CLF, organização Inter denominacional realizou nova edição da Conferência Mundial Online com o tema “É tempo de Conquistar”. O evento foi transmitido em mais de 94 países pelo YouTube e Facebook, e por portais web e rádios.
Devido à pandemia da covid-19, muitas igrejas estão passando por uma grande crise em seu funcionamento. A adoração foi reduzida ou colocada on-line, pois pequenos grupos também são proibidos. Conforme o número de membros diminui, a funcionalidade das igrejas se torna difícil e, consequentemente, as igrejas estão fechando. Os pastores estão sentindo a necessidade desesperada de reforma da igreja, dizendo: ‘Agora é a hora da igreja mudar.’ Neste cenário, aconteceu a Conferência Mundial online.
Na oportunidade, o pastor sul-coreano Ock Soo Park, fundador e principal palestrante do CLF, ministrou através da palavra de Êxodo 5:21 falou sobre o ‘Lugar de Santificação que Cobriu a Arca. “A razão pela qual Deus deu a lei é para nos fazer perceber que somos pecadores. A Bíblia diz que o sangue de Jesus lavou completamente os nossos pecados. Não somos mais pecadores porque o sangue de Jesus nos curou.” Ele acrescentou: “Não é que temos que crer que somos pecadores, pecamos, mas porque Jesus lavou nossos pecados para sempre, nos tornamos completos e limpos. Acreditar nisso é acreditar em Jesus.” Durante os 5 dias também foi transmitido o documentário sobre a vida do pastor Ock Soo Park.

Manifestando o seu apoio à pregação do evangelho, a primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro, enviou um vídeo […]Desejo que todos vocês sintam-se renovados e conectados com o coração de Deus por meio das palavras que serão ministradas durante esse congresso”.
Diversos Líderes Cristãos no Brasil participaram e fizeram saudações, orações e também deixaram seus testemunhos no evento, como o deputado federal , fundador do projeto “Doutor Jesus, Pr. Sargento Isidório o pastor presidente da Convenção Mundial das Igrejas Batistas no Brasil, Pastor Fausto Aguiar de Vasconcelos, o pastor presidente da Igreja da Lagoinha, Pastor Márcio Valadão e representando a igreja Quadrangular, o pastor Celso Nascimento.
O último dia da conferência foi marcado pela palestra especial do Dr. José kim que apresentou sobre o tema comunicação.
O Evangelho ultrapassando as barreiras também encontrou aos índios, Evilásio Tsereama 36 anos, recebeu treinamento no Seminário da Sede de São Paulo e agora também prega o Evangelho fortemente em sua aldeia Salvador, em Barra do Garças-MT, 1034 km do Estado de SP. Acompanhando o CLF da sua aldeia, enviou um vídeo que comoveu aos organizadores dizendo: “Escutei a palavra de Deus no CLF com sinceridade e, por meio da palavra, meu coração se fortaleceu”.

Através desta edição do CLF o evangelho ultrapassou todas as barreiras Inter denominacionais e de distância, mostrando que assim como o tema do evento “É tempo de Conquistar.”
fonte : https://www.gndaily.kr/news/articleView.html?idxno=38606, https://cutt.ly/8xo2B9q, «LinhaDeSaudação»«LinhaDeSaudação»https://cutt.ly/vxpwQSo.

Saiba mais: clfbrasil.org/noticias
Youtube:clf Brasil
Facebook: @clfbrasil

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Corpo de vítima do tsunami no Japão é encontrado 10 anos depois

Uma década após o tsunami que devastou a cidade de Fukushima, no Japão, a polícia local confirmou, nesta sexta feira, 5, que o corpo de uma das vítimas do desastre natural foi encontrado.

De acordo com as autoridades, trata-se de Natsuko Okuyama, uma mulher de 61 anos. Os resto mortais da idosa foram encontrados no dia 17 de fevereiro, na praia de Higashimatsushima, no nordeste do país asiático.

A identidade foi confirmada após análises dentárias e do DNA, realizadas por uma equipe de perícia especializada. Segundo o filho da vítima, o sentimento é de alívio e paz. “Estou muito feliz que minha mãe reapareceu na véspera do 10º aniversário (…) Isso vai me permitir colocar minhas emoções em ordem e seguir em frente”, declarou em entrevista à agência de notícias Kyodo.

Conforme o balanço oficial do Japão, 15.899 mortes foram registradas após o terremoto, tsunami e acidente nuclear que atingiram o país em 2011. Ainda segundo o país, cerca de 2.500 pessoas ainda estão desaparecidas.

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Coronavírus é ‘particularmente atraído’ por tipo sanguíneo A

coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, se sente “particularmente atraído” pelo antígeno do tipo sanguíneo A que se encontra nas células respiratórias, conforme indica estudo publicado nesta quinta-feira (4) na revista científica Blood Advances.

Embora seja necessário, segundo os autores, seguir investigando para compreender a influência que o tipo de sangue tem na infecção pelo patógeno, o artigo se junta a conclusões de artigos anteriores, que apontavam para uma possível relação entre o grupo sanguíneo e a suscetibilidade e a gravidade da covid-19.

Para chegar às conclusões, os pesquisadores avaliaram uma proteína da superfície do SARS-CoV-2, denominada domínio de união ao receptor (RBD), que está dentro da proteína spike – a parte do vírus que adere às células hospedeiras.

Um comunicado da Sociedade Americana de Hematologia indica que se trata de um estudo importante para entender como é produzida a infecção.

Em experimentos laboratoriais, a equipe avaliou como o RBD do novo coronavírus interagia com cada tipo de sangue.

PUBLICIDADE

Foi percebida uma “forte preferência” por se unir ao grupo A que se encontra nas células respiratórias, no entanto, não mostrava predileção pelos glóbulos vermelhos deste mesmo grupo, nem por de outros.

A capacidade do RBD de reconhecer e se unir preferencialmente ao antígeno do grupo sanguíneo A, que está nos pulmões das pessoas deste, pode acrescentar informações sobre a possível relação entre o tipo A e a covid-19, informam os autores.

“É interessante que o RBD viral só prefira realmente o tipo de antígenos do grupo sanguíneo A que estão nas células respiratórias, que são presumivelmente a forma em que o vírus entra na maioria dos pacientes e os infecta”, aponta o autor do estudo, Sean R. Stowell, do Hospital Brigham and Women’s, localizado em Boston, nos Estados Unidos.

O especialista lembra que as pessoas não podem trocar o tipo sanguíneo, mas que a compreensão da relação entre ele e o patógeno, pode ajudar a encontrar “novos medicamentos ou métodos de prevenção”.

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Galo usado em rinha ilegal mata o próprio dono com facada

Um caso inusitado chamou a atenção de moradores de Lothunur, em Telangana, na Índia. No episódio atípico, um galo foi inserido em rinhas ilegais e o resultado inesperado foi que ele acabou matando o dono, que o colocou na disputa.

De acordo com a BBC, as autoridades afirmaram que o animal estava pronto para participar de uma rinha quando tentou escapar do dono. Tentando conter a fuga do galo, o dono o agarrou e a resposta foi a tragédia.

A morte aconteceu devido a uma faca de sete centímetros que estava presa na perna do galo. O utensílio tinha sido preso pelo próprio dono. No instante que tentou agarrar o animal, ele o atingiu na virilha. A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos.

As rinhas de galo são ilegais na Índia desde 1960. Contudo, muitas pessoas ainda desconsideram a lei e promovem disputas sangrentas nas áreas rurais.

ISTOÉ

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

Organização religiosa doa 20 milhões de dólares para ajudar a UNICEF no combate a COVID-19

O programa Serviços Humanitários da Igreja, braço humanitário de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, anunciou hoje a doação de US$ 20 milhões para apoiar o trabalho global da UNICEF por meio do  ACT Accelerator (Access to COVID-19 Tools – Acelerador de acesso às ferramentas para COVID-19, em tradução literal), e o braço de vacinas do ACT Accelerator chamado COVAX Facility.

 

Esta doação complementa a doação da Igreja de 3 milhões de dólares realizada em 2020 para auxiliar a resposta urgente da UNICEF à COVID-19, provendo água, sanitização e serviços de higiene.

 

A nova doação contribuirá para os históricos esforços da UNICEF em liderar a aquisição e fornecimento de 2 bilhões de vacinas para COVID-19 a aproximadamente 196 países e territórios participantes do COVAX até o fim de 2021. Com as primeiras 2 bilhões de doses pretende-se proteger os trabalhadores da linha de frente e dos sistemas de saúde, assim como as pessoas dos grupos de alto risco e mais vulneráveis. Destas 2 bilhões de doses, 600 mil já estão a caminho de serem administradas, conforme aviões chegam em Acra (Gana), na quarta-feira, 24 de fevereiro e na Costa do Marfim nesta sexta-feira pela manhã.

 

A doação também apoiará a UNICEF que trabalha com países para fortalecer suas cadeias de suprimentos e refrigeração, treinar profissionais da saúde, lidar com desinformação e construir confiança nas vacinas e nos sistemas de saúde que as distribuem.

 

“A COVID-19 é a primeira crise global real que vimos em nossas vidas. Não importa onde moramos, a pandemia afeta todas as pessoas, incluindo as crianças. Nunca houve uma necessidade mais urgente para trabalharmos juntos. Esta doação para nosso importante papel no COVAX, do programa Serviços Humanitários da Igreja, é a maior doação única de um parceiro do setor privado que já recebemos até o momento,” disse Henrietta Fore, diretora executiva da UNICEF. “Esperamos que sua generosidade inspire outras organizações, empresas e indivíduos a nos ajudar a garantir acesso igualitário às vacinas da COVID-19.

 

Através do COVAX Facility – juntamente com a Gavi, a Vaccine Alliance, A OMS (Organização Mundial da Saúde) e a CEPI (Coalizão para Inovações em Preparação para Epidemias) – a UNICEF está aproveitando sua experiência única em aquisição e fornecimento de vacinas, e sua força e alcance do compromisso comunitário, para construir demanda e aceitação às vacinas. A resposta tem como objetivo acelerar o fim da pandemia e minimizar a descontinuidade de vidas de crianças, protegendo profissionais de saúde e de assistência social ao redor do mundo, incluindo educadores e cuidadores primários.

 

“Nós expressamos gratidão à equipe e à organização da UNICEF. Eles têm feito muito para cuidar de nossas crianças e suas famílias e ajudá-las a suprirem necessidades básicas e atingir seus potenciais”, disse o Bispo Gérald Caussé, Bispo Presidente da Igreja. “Quanto mais adultos em comunidades vulneráveis são vacinados, serviços críticos de saúde, nutricionais e educacionais para as crianças em necessidade terão condições de se reestabelecerem. Temos esperança em nossos corações que não somente sobrepujaremos a pandemia, mas também de enxergar um futuro mais brilhante para todas as crianças e suas famílias.”

 

Os Serviços Humanitários da Igreja e a UNICEF formaram parceria em 2013, trabalhando juntos no apoio às crianças e suas famílias nas áreas de imunização, respostas a emergências e necessidades de educação e desenvolvimento para refugiados

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.

A Historia do americano abandonado no lixo quando bebê que se tornou milionário da tecnologia

Mas seu caminho para se tornar um milionário não foi nada fácil.

Freddie foi abandonado quando bebê ao lado de latas de lixo na zona rural do Estado americano da Flórida, nos Estados Unidos.

“As crianças zombavam de mim; chamavam-me de ‘garbage baby’ (‘bebê do lixo’, em português), falavam ‘ninguém te ama… você é sujo’. Lembro-me de quando descia do ônibus escolar e elas me agarravam e me jogavam em latas de lixo, rindo de mim”, disse ele ao programa ‘Outlook’, da BBC.

“Chegou a ponto que meu pai teve que me esperar no ponto de ônibus e me acompanhar até em casa. E as crianças me perturbavam ainda mais, zombando dele: ‘Ha ha! Olha aquele velhote de bengala. ‘

O pai de Freddie, Nathan, tinha 74 anos e sua mãe, Betty May, 66 quando o acolheram.

Eles tinham seus próprios filhos biológicos e haviam acolhido dezenas de outras crianças ao longo dos anos — muitas delas enquanto seus próprios pais estavam na prisão — e planejavam parar quando fossem velhos.

Mas de repente Freddie chegou.

Ele não tinha ninguém quem o quisesse, então eles o adotaram e o criaram como se fosse seu filho.

Quando Freddie começou a fazer perguntas, Nathan contou sua história.

“Ele disse: ‘Vou contar sem rodeios. Sua mãe biológica te abandonou e, como eu e Betty não queríamos te mandar para abrigos, nós te adotamos’. Me senti um lixo e sempre me lembro de quando meu pai me agarrou pelos ombros e disse: ‘Nunca deixe isso te aborrecer'”.

Betty May e Nathan Figgers decidiram não acolher mais crianças… até que Freddie chegou

“Meus pais me deram todo o amor que alguém poderia desejar. Eles fizeram tudo por mim. Nunca senti a necessidade de procurar minha família biológica porque minha mãe e meu pai, minha Betty e meu Nathan, eram tudo para mim, eu os amava.”

“São ótimas pessoas. Me ensinaram a ser íntegro, a sempre fazer a coisa certa, a nunca esquecer minhas origens. Vi meu pai sempre ajudando as pessoas, parando no caminho para atender estranhos, alimentando os sem-teto…”

“Ele era um homem incrível e eu quero ser como ele.”

Do lixo à riqueza

Nathan tinha dois empregos, como técnico de manutenção. Já Betty May era agricultora e, embora o casal não tivesse muito dinheiro, quando Figgers tinha nove comprou para ele um presente que mudaria sua vida: um computador Macintosh… quebrado.

“Nos fins de semana eu ia com meu pai fazer o que chamamos de ‘mergulho no lixo’, andando por bairros diferentes em busca de coisas que as pessoas jogariam fora, como diz o ditado: o que é lixo para uns, para outros, é um tesouro.”

“Sempre fui fascinado por computadores. Sonhei com um computador Gateway, mas não podíamos comprá-lo.”

Na ocasião, seu pai o levou a uma loja de segunda mão, onde convenceu o vendedor a lhes vender um computador velho e danificado, pelo qual pagaram US$ 24.

Computador que Freddie ganhou de presente quando tinha nove anos

 

“Fiquei feliz. Como não ligava, desmontei e percebi que um componente estava quebrado e tudo fluía naturalmente. Meu pai trabalhava na manutenção e tinha muitas coisas à disposição, como pistolas de solda, rádios, relógios…”

“Peguei partes de um rádio-relógio e as soldei e depois de cerca de 50 tentativas finalmente consegui fazer o computador funcionar. Foi então que eu soube que aquilo era o que queria fazer na minha vida.”

“Aquele computador apagou toda a dor do bullying que sofri. Enquanto estava sendo intimidado na escola, pensei o quanto queria ir para casa jogar no meu computador.

“Aprendi a programar quando tinha 10 ou 11 anos e comecei a escrever programas básicos. Foi meu ponto de partida.”

Consertando computadores

Pouco depois de aprender a linguagem dos computadores, Figgers conseguiu seu primeiro emprego. Aos 12 anos.

“Eu frequentava um curso depois da escola em um laboratório de computadores”.

“Não havia técnico de informática, então quando uma máquina parava de funcionar, eles a desligavam e empilhavam com as outras danificadas. Eu pegava e substituía as partes danificadas de uma pelas partes boas de outra.”

Na época, a diretor-executiva do programa era a prefeita da cidade de Quincy e, ao ver o que Freddie havia feito, ficou surpresa, pediu permissão aos pais dele e levou-o à Prefeitura.

Eles tinham dezenas de computadores quebrados lá e Freddie se dedicou a consertá-los indo ao local todos os dias depois da escola. Ele recebia US$ 12 por hora, mas “não era tanto pelo dinheiro… eu me divertia muito!”

Três anos depois, quando tinha 15 anos e ainda trabalhava para a Prefeitura, uma empresa ofereceu um programa de monitoramento de medidores de pressão de água por US$ 600 mil. Os funcionários acharam melhor confiá-lo a Freddie, que criou o programa de que precisavam com o mesmo salário que estavam pagando a ele.

Foi então que ele tomou uma decisão.

“Na época eu estava entediado com a escola, então decidi sair e começar meu próprio negócio, embora meus pais discordassem.”

Quando Freddie tinha 17 anos, Nathan, seu pai, adoeceu com Alzheimer, doença que afeta o juízo e a consciência do paciente.

“Lembro-me de uma noite em que fomos dormir depois de assistir a um filme de caubói de que ele gostava muito, e às 2h ele me acordou, rifle na mão, convencido de que era o herói do filme, me dizendo que eu precisava deixar a cidade. Consegui tirar o rifle dele e colocá-lo na cama, mas na manhã seguinte ele tinha sumido.”

“Ele saía de casa achando que o perseguiam e às vezes esquecia de colocar a camisa ou a calça, mas percebi que ele não parava de calçar os sapatos, então abri as solas deles, coloquei um circuito nelas, com um microfone, um alto-falante e uma placa de rede de amplo alcance e integrada com o meu laptop.”

“Isso tudo foi antes da existência da Apple ou do Google Maps, então eu o integrei ao TomTom para que, quando meu pai desaparecesse, eu pudesse apertar um botão no meu computador e saber onde ele estava.”

“Então ele me respondia ‘não sei onde estou’, assim que falava algo eu sabia se ele estava de pé, sentado ou deitado no chão”.

Sapatos do pai de Freddie se tornaram um meio de comunicação e um dispositivo para localizá-lo

O GPS que ele criou também permitiu que ele soubesse exatamente onde Nathan estava.

Chegou o momento em que a família começou a insistir para que ele fosse colocado em uma casa de repouso, mas Freddie não permitiu. Ele levava o pai para todos os lugares.

“Ele não me abandonou, então eu não o abandonaria.”

Jovem e pioneiro

Alguns anos depois, Freddie vendeu a tecnologia de calçados inteligentes que havia criado para cuidar de seu pai por mais de US$ 2 milhões. Mas foi nessa época que a saúde de Nathan piorou e ele morreu.

Freddie nunca pôde comprar para ele o carro e o barco de pesca de que ele tanto gostava.

“Foi então que aprendi que o dinheiro nada mais é do que uma ferramenta e decidi fazer todo o possível para tentar deixar o mundo melhor quando for a minha vez de partir, porque meu pai, sem ser rico, teve impacto na vida de muitas pessoas, e eu queria fazer o mesmo.”

E Freddie tinha um plano: lançar uma empresa de telecomunicações porque havia detectado uma lacuna no mercado: grandes empresas não investiam em áreas rurais como a que ele morava – Norte da Flórida, Geórgia do Sul – então não havia infraestrutura para os moradores desfrutarem de conexões rápidas.

“A maioria das pessoas ainda usava uma conexão discada para acessar a Internet. Então, após 394 tentativas, a FCC finalmente me concedeu uma licença.”

A FCC é a Comissão Federal de Comunicações, uma agência estadual independente dos Estados Unidos, sob a responsabilidade direta do Congresso. O órgão é responsável pela regulamentação (incluindo censura) das telecomunicações interestaduais e internacionais por rádio, televisão, redes sem fio, telefones, satélite e cabo.

Freddie Figgers usa seu domínio da tecnologia para ajudar os outros

Quando Freddie finalmente recebeu sua licença como operador de telecomunicações, aos 21 anos, ele se tornou a pessoa mais jovem e o único afro-americano a obtê-la.

Freddie começou instalando cabos de fibra ótica e construindo torres de telefone com as próprias mãos para construir sua empresa, a Figgers Communications, avaliada em dezenas de milhões de dólares.

Mas seu diferencial é o que ele faz com o dinheiro que ganha.

Cadeia de favores

A Figgers Foundation oferece bolsas de estudo para estudantes afro-americanos e contribui com ajuda humanitária. Durante a pandemia de covid-19, ela forneceu equipamentos de proteção individual e ferramentas de aprendizagem digital para crianças carentes.

Freddie, por sua vez, continua inventando produtos para a saúde, como os sapatos tecnológicos que criou para o pai.

A inspiração para outra de suas invenções foi outra experiência traumática que teve quando tinha oito anos, quando seus pais foram visitar o tio de Betty May e o encontraram morto por um coma diabético.

Catorze anos depois, Freddie criou um programa para tentar prevenir esse tipo de morte.

“Os diabéticos têm que medir seus níveis de açúcar no sangue com regularidade, mas em áreas rurais, como a Geórgia do Sul, onde morava o tio da minha mãe, não havia ninguém para fazer isso. Então, criei um glicosímetro inteligente que, após fazer a medição, ele compartilha os dados com o seu telefone, seus médicos, seus familiares e seu plano de saúde, para que se algo estiver anormal, todos sejam avisados”.

Betty May ainda está viva, embora também sofra de Alzheimer. “Ela sempre teve muito orgulho de mim, embora nunca tenha entendido que eu estava trabalhando com computadores… ela pensava que eu estava trabalhando com videocassetes!”

Seu conselho aos outros: “Não deixe que as circunstâncias definam quem você é e dê oportunidades aos outros.”

Fonte:BBC

 
Acompanhe o Codó Notícias também pelo Facebook , YouTube e Instagram.